Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não dá para comparar (!?)

Não dá para comparar (!?)

23/01/2020 Paulo Arns da Cunha

Em uma roda de conversa, comparei a Educação brasileira à do Reino Unido e um colega alegou que não é possível comparar dois países tão diferentes, já que somos 35 vezes maiores que a terra da rainha Elizabeth.

Segundo ele, países com melhor desempenho costumam ser pequenos, com sociedades homogêneas e coesas.

Para provar que dimensão não interfere na qualidade da Educação de um país, vamos traçar um comparativo com o Canadá, o segundo maior país do mundo.

O Canadá não tem um sistema educacional único, pois é baseado em províncias autônomas. Mesmo assim, o comprometimento em oferecer oportunidades iguais na escola é um traço em comum entre todas as regiões do país.

Apesar da dimensão continental, como temos aqui no Brasil, o Canadá não é uma nação de extremos – pelo contrário, seus resultados no Pisa (Programa para Avaliação Internacional de Alunos) mostram uma média alta, com pouca diferença entre os estudantes (mais ou menos favorecidos, social e financeiramente) e uma variação muito pequena entre diferentes escolas, em comparação com a média de países desenvolvidos. Os alunos estrangeiros (22%) conseguem manter o mesmo nível dos canadenses.

Além disso, há um forte investimento de base em alfabetização, com a contratação de educadores bem treinados, investimento em recursos como bibliotecas nas escolas e avaliações para identificar escolas ou alunos que possam estar enfrentando dificuldades.

No Ensino Superior, 100% dos alunos canadenses estudam em universidades públicas, enquanto no Brasil, são apenas 25%.

A diferença na valorização do professor também é gritante: no Brasil, os professores ganham menos e lidam com turmas maiores do que seus pares na maioria dos países da OCDE.

No Canadá, o ingresso na profissão de professor é altamente seletivo, os profissionais são reconhecidos, respeitados e muito bem pagos.

Enquanto a remuneração média dos professores brasileiros não passa de R$ 5 mil mensais, segundo a OCDE, em Toronto, por exemplo, o salário médio dos professores de escolas públicas é o equivalente a R$ 20 mil por mês.

E além de ter um bom salário, os professores são instruídos a realizar cursos para atualização e aperfeiçoamento. Em sala de aula, os alunos fazem atividades para estimular o senso crítico e habilidades emocionais, como autocontrole, responsabilidade, organização, colaboração e iniciativa própria.

Depois de todos os meus argumentos, aquele meu colega encontrou outro pretexto para justificar o nosso atraso na Educação: o Canadá tem pouco mais de 37 milhões de habitantes, enquanto a população do Brasil ultrapassa os 202 milhões.

Sendo assim, vamos falar da Educação na China, que tem mais de 1 bilhão de habitantes e disputa o topo do ranking do Pisa entre os 10 melhores. Mas isso é para outro artigo…

* Paulo Arns da Cunha é presidente da Divisão de Ensino da Positivo Educacional.

Fonte: Central Press



Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?