Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O impacto do ChatGPT para as práticas pedagógicas

O impacto do ChatGPT para as práticas pedagógicas

30/05/2023  Graziele Cestarolli Ortega

Nos últimos meses, a Inteligência Artificial (IA) tem ganhado os holofotes com o lançamento do ChatGPT, desenvolvido pela OpenAI.

O impacto do ChatGPT para as práticas pedagógicas

Desde então, a ferramenta tem se destacado e alcançado um elevado número de visitantes, tornando-se cada vez mais acessada pelos usuários. Segundo o Similarweb, site especializado em análises de tráfego, a solução atraiu mais de 1 bilhão de visitas em fevereiro de 2023, um aumento de 62,5% em relação aos 616 milhões de janeiro.

Com este avanço, a ferramenta vai transformando a rotina em diversos setores ao redor do mundo, inclusive no segmento de educação e, após a chegada do ChatGPT, a pergunta de ouro dos docentes tem sido “como saberei se o estudante escreveu mesmo ou copiou?”. A partir disto, faz-se necessário refletir e entender como esta novidade tem impactado o setor e as práticas pedagógicas.

A evolução tecnológica ao longo dos anos

Você já foi estudante e utilizava uma tecnologia em que era possível buscar qualquer informação e a mesma indicaria o que era e forneceria outros dados a respeito? Bastava saber como procurar e pronto, qualquer informação estava ali, na palma da mão! Agora, que tecnologia é essa que vem à sua mente logo de bate-pronto?

Pode ser que a resposta para a primeira pergunta seja o Google, a Internet, o antigo buscador “Cadê”, ou até mesmo, as enciclopédias impressas ou digitais em CD-room. O que importa neste quesito é: a resposta pronta para ser copiada existe há tempos. O que mudou são alguns pontos como a facilidade com que encontramos estes dados, a quantidade e a qualidade de informações fornecidas, a variedade de fontes e a velocidade com a qual chegamos a esta informação.

Neste sentido, a preocupação do docente não deve ser exatamente se o estudante copiou ou não, mas em como propor um trabalho, prática ou proposta em que ele compreenda, assimile e cruze informações, fazendo uso dos recursos que estão à disposição dele, com um propósito e cultivando competências mais alinhadas às exigências do século XXI. Como o escritor, jornalista e colunista britânico Miles Kington disse uma vez, “conhecimento é saber que um tomate é fruta. Sabedoria é saber que não se deve usar um tomate em uma salada de frutas”.

A partir disto, desenvolver habilidades e competências, ir além da informação, é compreender que se pode transformar o tomate em molho e saber em quais ocasiões e como utilizá-lo, que o tomate pode ser consumido cru, cozido, frito, assado e em diferentes preparos. Além disso, que o tomateiro precisa de uma certa condição climática para dar frutos e que há diversos tipos de tomate que podem ser cultivados em condições climáticas diferentes. Pode-se plantá-los, juntamente com diferentes outras coisas em um mesmo solo, para que uma colheita ajude a outra, seja na nutrição do solo ou na prevenção de pragas. Pode-se trabalhar economia familiar tendo como base o cultivo do tomate, ou realizar um projeto sobre alimentação saudável. O céu e o limite!

Mas será que o docente precisa ser detentor de todas estas informações? A resposta é: não! O professor deve ser capaz de adaptar-se, utilizando diferentes estratégias e metodologias de ensino para atender às distintas habilidades, estilos e objetivos de aprendizagem e necessidades dos estudantes. Ele deve ser um facilitador da aprendizagem, incentivando a participação ativa dos estudantes em atividades práticas, debates, projetos e outras ações que promovam o desenvolvimento de habilidades e competências. Desta forma, as novas tecnologias podem ajudar a desenvolver um estudante mais preparado para lidar com os desafios que o futuro trará.

Neste momento, o docente não deve assumir uma posição nem de “tecnofílico”, que é aquele que adere acriticamente à tecnologia, e nem de “tecnófobo”, que é o que tem aversão à tecnologia. Como disse Aristóteles, “a virtude consiste em saber encontrar o meio termo entre dois extremos”, ou seja, é necessário encontrar uma posição em que a tecnologia seja uma oportunidade.

* Graziele Cestarolli Ortega é analista de tecnologia educacional na Rede de Educação Santa Marcelina.

Para mais informações sobre ChatGPT clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: EPR Comunicação



Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida