Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O tsunami da inovação que desafia instituições de ensino e gestores

O tsunami da inovação que desafia instituições de ensino e gestores

25/10/2021 Zaki Akel Sobrinho

"Não vivemos uma era de mudança. Vivemos uma mudança de era".

O tsunami da inovação que desafia instituições de ensino e gestores

Tenho ouvido com frequência essa frase e, a cada dia que passa, mais concordo com a reflexão que ela traz. Vivemos um período que exige de todos nós uma grande capacidade de adaptação e de reinvenção dos processos de ensino e aprendizado, mas também no modelo de gestão das empresas e instituições.

O perfil dos estudantes está em constante transformação desde o século passado. Mas agora, por conta do avanço acelerado das novas tecnologias, a forma de ensinar e de absorver conhecimento passa por grandes transformações. Por isso, pergunto: Como as instituições de ensino estão se preparando para acolher os nativos digitais? E os professores? E as corporações?

Quando analisamos as novas gerações, percebemos que, tanto na Geração Y, os chamados millenials, nascidos entre 1980 a 1995, quanto na Geração Z, dos nascidos entre 1995 a 2010, encontramos jovens hiperconectados, capazes de realizar multitarefas e que buscam informação fácil e imediata. Mas, ao mesmo tempo, são abertos à adoção instantânea de novas tecnologias, com necessidade extrema de interação (na maior parte das vezes digital) e de exposição pública de seus valores e opiniões - e que gostam de mudanças constantes em suas atividades.

Uns chamam isso de oportunidade. Outros de ameaça. O fato concreto é que a tecnologia e a inovação chegam sempre antes às mãos desses jovens. Então, o desafio, tanto para a academia, que atua na preparação dos seus estudantes para a vida e para o mercado de trabalho, como para as empresas, que precisam recrutar seus novos talentos, é o de se antecipar às mudanças e introduzi-las em seus processos formativos e de gestão.

Para as corporações, o caminho é identificar essas necessidades trazidas pelo uso intenso das novas tecnologias para aplicar no cotidiano do mundo do trabalho. Dar oportunidades para estagiários e aprendizes é uma estratégia muito assertiva para superar o desafio da transformação digital.

É uma relação ganha-ganha. Uma receita campeã. Afinal, ao ajudar na inserção desses profissionais em desenvolvimento no ambiente profissional, as empresas trazem para seu ambiente um sopro de inspiração, com pitacos de inovação e boas doses de criatividade. Tanto nas práticas de aplicação das tecnologias, como no uso das redes sociais, das plataformas, dos aplicativos de diversas naturezas, como também no aspecto comportamental. Assim, abre espaço para um pensamento "novo", que contribui para o processo de mudança acelerada, tão importante nos dias de hoje. Por isso é tão importante que haja uma mudança de cultura nas instituições públicas e privadas, para que as habilidades desses novos profissionais possam ser desenvolvidas e aplicadas na medida certa.

Por outro lado, se os gestores enxergarem essas gerações com olhar preconceituoso, relegando-os apenas a papéis auxiliares de pouca relevância, estarão perdendo diversas virtudes essenciais, que podem estar faltando às equipes mais experientes. A química nos mostra que a combinação de elementos diferentes entre si pode trazer resultados espetaculares. E é nesta alquimia que os profissionais do futuro podem atuar, inclusive interagindo em sinergia com as universidades e outras instituições educacionais, para desenhar processos de formação mais dinâmicos, que aproveitem as características típicas destes jovens para tornar seu percurso mais efetivo. 

Atualmente, os professores têm que dominar as metodologias ativas (gameficação, aprendizado baseado em problemas, aprendizado em equipes), cursos customizados, empresas juniores, imersão em novas tecnologias, simuladores, desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais. Enfim, abrir espaço (e a cabeça) para essa "Nova Era", antes que o tsunami chegue e destrua tudo. Ou será que ele já chegou?

* Zaki Akel Sobrinho é professor, doutor em Administração pela Universidade de São Paulo (USP), reitor da Universidade Federal do Paraná (2008-2016), CEO e sócio fundador da Academic Ventures e conselheiro do Centro de Integração Empresa-Escola do Paraná (CIEE/PR).

Para mais informações sobre Inovação no Ensino clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Milhares de crianças e adolescentes estão de volta às salas de aula.

Autor: Divulgação

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Educação para autistas: se não agora, quando?

Nos últimos 10 anos muitas foram as conquistas alcançadas pelas pessoas com autismo, fruto de suas lutas e de suas famílias.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação para autistas: se não agora, quando?

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O início do ano letivo se aproxima e com ele muitas expectativas, o período de volta às aulas é um momento de novos desafios e oportunidades.

Autor: Divulgação

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Pautado na perspectiva de um direito humano e fartamente fundamentado nas legislações, o parecer orientador fura a bolha da invisibilidade.

Autor: Lucelmo Lacerda

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Criar autonomia não significa agir sem orientação, e é nesse contexto que destaco a importância de auxiliar os jovens em suas escolhas.

Autor: Rafaelle Benevides

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

As telas interativas têm emergido como catalisadoras de mudanças significativas no cenário educacional.

Autor: Severino Sanches

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

A cada 36 crianças, uma é diagnosticada com autismo. E a garantia do direito à educação desses estudantes se apresenta como tema de interesse público nacional.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Pesquisa realizada pela Sovos aponta que tributos incidentes sobre os principais itens escolares podem chegar a 50% do preço final repassado ao consumidor.

Autor: Divulgação

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Especialistas dão dicas de como lidar com esse momento de choradeira e inseguranças.

Autor: Divulgação

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

30% dos entrevistados não aceitariam de forma alguma o financiamento ou preferem outras formas de pagamento, mesmo se houvesse vaga disponível.

Autor: Divulgação

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Dicas sobre como se organizar para que o retorno às aulas não cause um grande impacto financeiro.

Autor: Divulgação

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta

Mês de janeiro e as crianças e adolescentes começam a preparar a lista de material que vai acompanhá-los ao longo do ano escolar.

Autor: Dr. Maurício Martelletto

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta