Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pesquisa mostra que crianças se adaptaram à rotina de aulas pela internet

Pesquisa mostra que crianças se adaptaram à rotina de aulas pela internet

07/05/2020 Divulgação

O levantamento também investigou como as crianças estão aproveitando o tempo livre.

Pesquisa mostra que crianças se adaptaram à rotina de aulas pela internet

A rotina de aulas pela internet está sendo bem aceita pela maioria dos estudantes de 11 a 14 anos que tiveram acesso à nova modalidade de aprendizado adotada por conta do novo Coronavírus. A maioria também acha que a absorção de conteúdos ficou igual ou mais fácil com aulas on-line e que aumentou o número de horas dedicadas aos estudos. O isolamento social para enfrentar os riscos da pandemia também é aprovado pela maioria dos estudantes desta faixa etária.

Os dados constam de pesquisa feita pelo Colégio Poliedro com alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais em suas unidades de São José dos Campos e Campinas, entre os dias 7 e 16 de abril. Desde o início da quarentena, a Instituição tem garantido a rotina acadêmica dos seus alunos por meio dos diversos recursos tecnológicos que já oferecia, como o SIA - Sistema Interativo de Aprendizagem e o Aplicativo P+. Esses ambientes virtuais estão sendo abastecidos com videoaulas, revisões, lives, entre outros.

Dos 241 alunos que responderam à pesquisa, 82,2% declararam que se adaptaram à rotina de estudos pela internet. Já 17,8% das crianças consultadas disseram que não se adaptaram a esta modalidade de aulas.

O levantamento revelou que para 49,4% dos estudantes, a dificuldade de absorver conteúdos nas plataformas on-line é igual a das aulas presenciais. Já para 15,4% da amostra, a assimilação dos conteúdos ficou mais fácil. Para 30,7% do contingente de alunos entrevistados, o processo de assimilação ficou mais difícil. Para auxiliar os alunos neste novo processo de ensino e aprendizagem, o Poliedro tem oferecido apoio on-line com professores e orientadoras.

Das modalidades de ensino oferecidas pela internet, as aulas gravadas são as preferidas pela maioria da amostra (48,5%). Já 45,3% disseram preferir as aulas ao vivo, com toda a classe. E 6,2% dos alunos não souberam responder.

O levantamento também avaliou se a possibilidade de poder rever os conteúdos em aulas gravadas ajudou na hora de estudar. Neste caso, 80,5% dos respondentes disseram que o recurso facilita nos estudos, 9,1% disseram que o recurso é indiferente, 3,8% afirmaram que não ajuda e 6,6% não souberam responder.

O levantamento também investigou como as crianças estão aproveitando o tempo livre. A pesquisa mostra que a atividade favorita é assistir séries e filmes (33,6%), seguida por jogar videogame (25,3%), falar com amigos na internet (23,3%), jogos e brincadeiras (10,3%) e 7,4% não souberam responder. Para ajudar os alunos nos momentos livres, o Colégio tem oferecido aulas on-line de Yoga, meditação e Educação Física.

A concordância sobre a importância do isolamento social para enfrentar o novo coronavírus é alta entre os alunos. Para 88,4% é importante todos ficarem em isolamento neste momento. 3,3% dizem ser contra e 8,3% não responderam a esta pergunta.

Fonte: Conteúdo Comunicação



Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?