Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quando os dados do PISA dizem mais do que a nossa falta de educação

Quando os dados do PISA dizem mais do que a nossa falta de educação

11/03/2020 Walcir Soares Junior (Dabliu)

O PISA mostra que o Brasil ainda se mantém muito aquém com relação à falta de equidade e segregação social em comparação com os países da OCDE.

Quando os dados do PISA dizem mais do que a nossa falta de educação

A falta de educação brasileira (em todos os sentidos) é patente e suas desastrosas consequências se refletem na política, nos dados educacionais, sociais e econômicos. Em 2015, o famoso economista James Heckman (Nobel de Economia de 2000) esteve no Brasil, quando falou do preço que os países pagam por negligenciar investimentos em educação na primeira infância: altos índices de criminalidade, gravidez na adolescência, evasão no ensino médio e menor produtividade no mercado de trabalho. Passou-se quase meia década e parece que ainda não aprendemos a lição: dentre as 20 metas do Plano Nacional de Educação (PNE), 16 estão estagnadas e apenas 4 tiveram cumprimento parcial, de acordo com relatório divulgado em maio pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), uma avaliação mundial feita a cada três anos para medir o desempenho em leitura, matemática e ciência, neste ano contou com a participação de 79 países. No resultado, o Brasil aparece entre os 20 piores colocados: mais de dois terços dos alunos brasileiros de 15 anos não atingiram o nível básico de matemática; em ciências o país caiu da 63ª para a 67ª posição em comparação com a edição de 2015 (com 70 países); e, em leitura, o Brasil permaneceu praticamente estagnado nos últimos dez anos.

Existe uma discussão entre psicólogos e neurocientistas de que inteligência vai além das habilidades cognitivas (relacionadas à leitura, memória e lógica) normalmente medidas por meio do quociente de inteligência (Q.I.). Autores como Heckman argumentam que outro grupo de habilidades conhecidas como competências socioemocionais (como motivação, esforço, responsabilidade, autoestima etc.) são tão importantes quanto ou até mais que as habilidades cognitivas. Mas o que o Brasil tem feito em termos de desenvolvimento dessas competências?

Os resultados do PISA mostram que, para os dados do Brasil, um ponto a mais em disciplina está relacionado a 12 pontos a mais em leitura. Estudantes que reportaram que seus professores levam mais tempo para manter a ordem em sala apresentaram 19 pontos a menos em média em leitura. Ainda, para a amostra em geral, alunos com menor desempenho escolar tendem a relatar uma menor satisfação com a vida. Sem falar dos dados sobre bullying, despreparo e absenteísmo dos professores.

Claramente, nossa política educacional atual não tem trazido resultados positivos em termos da avaliação do PISA e, talvez, a solução socioemocional seja algo que, a despeito das evidências científicas, não tem figurado entre as preocupações mais importantes na educação brasileira. Antes de mais nada, precisamos entender que, por trás do baixo desempenho brasileiro, do ponto de vista educacional, temos um problema crônico de desigualdade de renda, diretamente relacionado a como as pessoas se sentem motivadas a investir seu tempo em educação.

Como um aluno que precisa trabalhar para garantir comida sobre a mesa, ou que precisa dividir seu professor com uma centena de alunos, vai ter como preocupação ter motivação e disciplina no aprendizado da matemática, ou desenvolver o gosto pela leitura? Como um professor que ganha um salário na posição 30 entre 33 países, de acordo com dados da OCDE, que precisa se dividir entre vários empregos, vai se atualizar e cumprir sistematicamente seu programa de aulas? Como um salário desses pode atrair os melhores profissionais para ensinar e motivar nossas crianças?

O próprio PISA mostra que o Brasil ainda se mantém muito aquém com relação à falta de equidade e segregação social em comparação com os países da OCDE. Enquanto não pararmos de separar políticas educacionais de políticas sociais e entendermos políticas de redução da desigualdade como puramente assistencialistas, não conseguiremos superar a nós mesmos nessas estatísticas. Quem dirá chegarmos perto dos melhores do mundo. Desde sempre, nosso maior problema é a desigualdade.

* Walcir Soares Junior (Dabliu), doutor em Desenvolvimento Econômico, é professor de Economia na Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?