Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Seria o homeschooling a nova solução para a educação brasileira?

Seria o homeschooling a nova solução para a educação brasileira?

15/06/2022 Luiz Alexandre Castanha

A aprovação da nova prática cria novos riscos para a aprendizagem de crianças e adolescentes no Brasil.

Seria o homeschooling a nova solução para a educação brasileira?

No último dia 19/05, a Câmara dos Deputados concluiu a votação do Projeto de Lei nº 3.179 de 2012. Neste caso, o PL regulamenta a prática da educação domiciliar no Brasil, também conhecida como homeschooling. Não por acaso, diversos deputados contrários ao projeto criticaram a aprovação da medida. Afinal, a realização do homeschooling não se reduz a ajudar os filhos a fazerem a lição em casa ou a prestarem atenção às videoaulas. Os pais, neste caso, devem ter no mínimo a autonomia e o conhecimento de um professor graduado para suprir a demanda de informações à criança. E obviamente a questão não se limita a isso.

De acordo com um estudo realizado pela Frontiers in Psychology com 1.143 pais de crianças espanholas e italianas (de 3 a 18 anos), o fechamento das escolas durante a pandemia alterou drasticamente a saúde das crianças, tanto os hábitos e comportamentos saudáveis promovidos pela educação convencional (em escola), como a alimentação e o sono equilibrado proporcionados por tal. Por consequência, segundo o estudo, a interação social limitada aumenta a solidão, que automaticamente está associada a problemas de saúde mental em crianças e adolescentes.

Ainda neste levantamento, 85,7% dos pais perceberam mudanças no estado emocional e nos comportamentos dos filhos. Os sintomas mais frequentes foram: dificuldade de concentração (76,6%); tédio (52%); irritabilidade (39%); inquietação (38,8%); nervosismo (38%); sentimentos de solidão (31,3%); inquietação (30,4%) e preocupações (30,1%). Por estarem em casa, as crianças acabaram por fazer menos atividades físicas, muito comum nas escolas.

Unicef é contra o homeschooling

A própria Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) já se mostrou contrária ao projeto de homeschooling. Entre os apontamentos da entidade, o destaque ficou para a “priorização ao direito de as crianças e adolescentes estarem na escola”.

Chefe de Educação do Unicef Brasil, Mônica Dias Pinto destacou que “a escola é fundamental para garantir o direito de crianças e adolescentes à aprendizagem de qualidade, à socialização e à pluralidade de ideias. Além disso, trata-se de um espaço essencial de proteção de meninas e meninos contra a violência”. A socialização reforçada pela executiva faz todo o sentido, uma vez que a escola é o ambiente que promove essa interação entre as crianças — ou seja, desperta tanto o aprendizado como a prática de conviver com a diversidade.

Diversidade, aliás, é o que dá o sentido para a convivência da criança com o mundo exterior. É exatamente compreendendo o diferente, tendo espaço para confrontar ideologias, opiniões e heterogeneidade que a criança cria o senso de solidariedade e respeito. Afinal, uma democracia é desenvolvida justamente a partir de encontros, respeito e convivência com pessoas diversas.

Homeschooling: não é para todos!

Apesar disso, há situações que realmente o estudo em casa é necessário. Como, por exemplo, crianças que residem em locais remotos ao sistema de educação. Em 2020, por exemplo, segundo a Agência Brasil, mais de 5 milhões de crianças e adolescentes não tiveram acesso às aulas na pandemia. O motivo, nesse caso, foi a dificuldade em acessar à Internet e à tecnologia. Em casos como esse, o advento da tecnologia supriria a ausência das idas às escolas. No entanto, é preciso considerar que crianças neste perfil muito provavelmente não teriam a infraestrutura e suporte familiar para esta prática. Vale destacar que a maior parte desses jovens que não receberam suporte às aulas, residem nas regiões Norte e Nordeste, assim como em regiões rurais.

Uma alternativa, por exemplo, seria o ensino híbrido, que alia toda a bagagem dos educadores com a tecnologia — a favor do desempenho e aprendizado das crianças. O corpo docente administra conteúdos, atividades e estimulam as usuais pesquisas, enquanto que os alunos se aproveitam da tecnologia para incentivar o aprendizado. Vale lembrar que este modelo não dispensa o contato físico e o relacionamento das crianças, a fim de desenvolver valores éticos e morais. Isso vem de encontro ao que sempre menciono em meus artigos.

Portanto, ao invés do homeschooling, creio que uma solução híbrida — que absorva o melhor do ensino no meio digital, aliada à bagagem dos profissionais educadores — é o que pode direcionar e transformar os aprendizes de agora em grandes adultos num futuro próximo.

* Luiz Alexandre Castanha é administrador de Empresas com especialização em Gestão de Conhecimento e Storytelling aplicado à Educação.

Para mais informações sobre Homeschooling clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Conecte Comunicação



É preciso aprender para ensinar

A educação básica brasileira está em constante evolução.

É preciso aprender para ensinar

Fulbright oferece mais de 80 bolsas de estudos nos EUA

12 programas diferentes estão com inscrições abertas.


CNPEM oferece curso gratuito para 500 professores do ensino médio

Laboratório abriga o maior acelerador de elétrons do Hemisfério Sul.

CNPEM oferece curso gratuito para 500 professores do ensino médio

A educação que inspira: o papel da solidariedade dentro e fora da sala de aula

É preciso incluir na vida acadêmica oportunidades de vivenciar o que os alunos veem na teoria.

A educação que inspira: o papel da solidariedade dentro e fora da sala de aula

A importância da educação para investimentos

Educação financeira é fundamental. É essencial para uma vida equilibrada, não apenas economicamente, mas emocionalmente também.

A importância da educação para investimentos

UFRJ e Agência Lupa firmam parceria para combater fake news e desinformação

Iniciativa prevê cursos, eventos e projetos de educação midiática gratuitos para o público.

UFRJ e Agência Lupa firmam parceria para combater fake news e desinformação

Educação domiciliar: barreira para o desenvolvimento do ser humano?

O homeschooling realmente trará algum benefício para o desenvolvimento integral da criança e do adolescente?

Educação domiciliar: barreira para o desenvolvimento do ser humano?

Como a tutoria online pode nivelar a qualidade do ensino

Braço da aprendizagem personalizada, área da educação aposta em tutoria on-line para nivelar qualidade do ensino.

Como a tutoria online pode nivelar a qualidade do ensino

Ministério da Educação lança programa Primeira Infância na Escola

Iniciativa visa facilitar metas do Plano Nacional de Educação.

Ministério da Educação lança programa Primeira Infância na Escola

Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Os primeiros anos de uma criança são um período de aprendizado e desenvolvimento.

Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

Casos de bullying e de violência se aprofundaram em resposta à pandemia.

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula