Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma nova forma de ensinar e aprender

Uma nova forma de ensinar e aprender

30/11/2020 Bruno Luis Simão

A mudança chegou, e com ela a reformulação de hábitos comuns de toda a população.

Uma nova forma de ensinar e aprender

Durante a pandemia do coronavírus, ouvimos muito falar nos profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas etc. Profissionais que estão na linha de frente. No entanto, há uma categoria de profissionais que ainda não foi comentada: os professores. Eles trabalham em casa e estão aprendendo novas habilidades pedagógicas, tecnológicas todos os dias, a fim de continuar formando novos profissionais da saúde.

Nesse período, o professor está aprendendo que mesmo à distância, ele pode continuar ensinando usando ferramentas até então desconhecidas (como videoconferência). Aquele conhecimento que normalmente era compartilhado pessoalmente em um passado não tão distante, ainda está sendo compartilhado, porém neste presente, remotamente. Como todos sabemos, muitas são as variáveis nesta nova realidade, como a educação a distância para crianças, jovens e adultos. Independentemente de haver uma pandemia, os professores continuam sendo formadores de opinião, fontes de conhecimento e aprendizes que difundem ideias e pensamentos através do ensino. Nas palavras de Fabrício Carpinejar “um professor sempre será melhor que o Google”.  

Habituados a utilizar quadro, giz, dinâmicas de grupo, slides, jogos e várias outras “estratégias pedagógicas” para ensinar e acessar a todos os alunos, durante a pandemia, esses profissionais estão se reformulando, revisitando suas próprias práticas. Assim como os profissionais de saúde, eles estão se conscientizando sobre como lidar com o coronavírus aprendendo novas maneiras de continuar ensinando, mas agora, sem ter que sair de casa.

A mudança chegou, e com ela a reformulação de hábitos comuns de toda a população, do professor, e de seu método de ensino. O que estão chamando hoje de "novo normal" está intimamente ligado também ao ensino à distância, o que infelizmente até poucos meses atrás já foi motivo de severas críticas.

Mas por quanto tempo é este o futuro? Será que já não é hora de rever as estratégias de ensino na área da saúde também? Com certeza, o conhecimento sempre será uma das ferramentas mais poderosas para a formação de um indivíduo, em qualquer área que seja. Não há dúvida de que um trabalho importante deve ser feito pessoalmente. Nada poderá substituir o contato, o toque, a presença, o olho no olho. Porém, considerando que esse conhecimento pode chegar a lugares e comunidades onde a possibilidade de aprender uma nova carreira nunca foi pensada, muitas pontes precisam ser construídas. O andar do conhecimento precisa se desprender da matéria.

A partir de agora, os cursos a distância e semipresenciais ganharão maior visibilidade. Comprava-se             que o conhecimento não é mais estático a apenas um cérebro. Ele agora faz parte de uma rede, está conectado com a tecnologia e existem milhares de cérebros por trás dele para gerar novos conhecimentos e espalhar esse conhecimento infinito para os quatro cantos do mundo.

Antes pensar em participar de grandes eventos como congressos, simpósios, etc. eram sinônimos de grandes despesas. Passagem aérea, hospedagem, inscrição, alimentação, tudo para a obtenção de conhecimentos específicos alinhados as próprias realizações. Neste “novo normal” esses eventos podem ser realizados por meio de plataformas na Internet, que também permitem a criação de novas redes.

E alguém pergunta: “Mas onde ficam as interrelações? Onde fica a socialização? Como podemos nos relacionar somente à distância? Como será o futuro?”

E a resposta é simples: este artigo foi escrito durante o período de pandemia do coronavírus, sendo assim, estamos todos os dias aprendendo novos hábitos, a construir novas relações, estabelecendo novas conexões.

As interrelações, o contato físico entre as pessoas pode até diminuir, mas nossos valores, como união, honestidade, compaixão e respeito, não poderão ser eliminados, esta é, sem dúvida, uma educação que nos ajuda a responder muitas das questões levantadas neste artigo.

E o futuro? Bom, este nos sugere que assim como médicos, enfermeiros, PROFESSORES e demais profissionais, todos precisaremos recriar e cocriar.

* Bruno Luis Simão é especialista em psicopedagogia e educação especial, e professor da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida

Era uma vez em uma escola na Suécia

O governo sueco resolveu dar uma guinada nas suas orientações escolares e agora estimula fortemente o uso de livros em vez de laptops.

Autor: Daniel Medeiros

Era uma vez em uma escola na Suécia