Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A crise energética na Venezuela e as consequências para o Brasil

A crise energética na Venezuela e as consequências para o Brasil

29/05/2019 Samuel Polato Ribas

O estado de Roraima é afetado diretamente pelos sucessivos apagões que afetam a Venezuela, já que grande parte da energia consumida no estado é proveniente do país vizinho.

Isso foi confirmado, inclusive, com o apagão do último dia 7 de março, fato este que faz com que o estado receba energia elétrica de usinas termoelétricas. Além disso, a nova tentativa de depor o presidente Nicolas Maduro, iniciada no dia 30 de abril, pode piorar a situação. Logo, a forma mais segura de trazer tranquilidade aos roraimenses seria interligar o estado com o sistema elétrico nacional.

Essa interligação evitaria os prejuízos com o corte de fornecimento da usina hidrelétrica de Guri, na Venezuela, e permitiria que a energia produzida em outras regiões do Brasil chegasse até Roraima de forma segura e sem riscos de interrupção. Obviamente, nenhum sistema elétrico é totalmente imune a falhas, mas a interligação com a rede nacional traria mais confiabilidade e flexibilidade do que temos agora. Isso porque falhas que possam ocorrer em um determinado ponto do sistema não são sentidas de forma significativa em outros pontos, pois o sistema como um todo acaba se compensando.

Outro fator determinante é a economia que esse sistema gera. A implementação da linha de transmissão de 721 quilômetros necessária para a interligação geraria um custo inicial alto, mas a geração de energia a partir de usinas termoelétricas é mais cara do que em usinas hidrelétricas, de onde vem a maior parte da energia elétrica gerada no Brasil. Logo, o dinheiro seria recuperado com o tempo.

Sabe-se também que o sistema elétrico brasileiro não é composto somente por usinas hidrelétricas. A parcela de energia proveniente da energia solar e eólica vem aumentando consideravelmente, e com um custo de produção muito abaixo da produção de hidrelétricas. Aliás, a interligação do estado de Roraima ao sistema poderia incentivar o investimento nessas fontes de energia na região, fortalecendo e ampliando o desenvolvimento tecnológico.

Por fim, a interligação energética do estado de Roraima com o restante do Brasil praticamente resolveria o problema no fornecimento de energia, pois seria, na prática, o mesmo sistema do restante do país. Além disso, traria mais possibilidades de desenvolvimento e crescimento econômico ao estado. O pontapé para isso deve ser dado pelo governo público, com o apoio da sociedade. Sociedade esta que seria beneficiada com a geração de empregos e a possibilidade de melhora na qualidade de vida da população.

Samuel Polato Ribas é engenheiro eletricista, mestre em processamento de energia pela UFSM e professor do curso de Engenharia Elétrica do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Já são 1016 parques eólicos existentes com mais de 10.941 turbinas eólicas instaladas.

Autor: Divulgação

A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Hidrogênio verde, biodiesel de macaúba e biogás de resíduos são alguns dos projetos em curso que podem colocar o estado na liderança mundial em tecnologia de produção de energias limpas e renováveis.

Autor: Divulgação

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

De cada 50 mortes por raios no mundo, uma ocorre em solo brasileiro.

Autor: Divulgação

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

UFMG recebe inscrições para Especialização em Energias Renováveis – EAD

As aulas remotas acontecerão às terças, quartas e quintas; inscrições estão abertas até 3 de março.

Autor: Divulgação


Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Iniciativa deve beneficiar cerca de 80 salões do interior de São Paulo; economia nas contas de luz ultrapassará R$ 600 mil.

Autor: Luiz Pacheco e Joana Fleury

Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Para poder crescer no Brasil e ser ambientalmente vantajosa, a energia solar precisa deixar de depender de usinas termelétricas fósseis para à noite compensar a falta de novas hidrelétricas.

Autor: Ivo Pugnaloni

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Sistemas de armazenamento são capazes de permitir o uso combinado de várias fontes de energia limpa, garantindo mais eficácia e segurança.

Autor: Carlos Eduardo Ribas

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

Grandes empresas gastam diretamente muito dinheiro em energia a cada ano – e milhões indiretamente, na cadeia de suprimentos, terceirização e logística.

Autor: Pedro Okuhara

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Na última quarta-feira (17), o governador Tarcísio de Freitas entregou a primeira etapa de implantação da Usina Fotovoltaica Flutuante de Araucária, na Represa Billings.

Autor: Divulgação

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Especialista explica como empresas podem se preparar para prevenir prejuízos causados pela oscilação de energia e temperatura.

Autor: Davi Lopes

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Medidas simples podem evitar o aumento da fatura durante o mês de janeiro.

Autor: Divulgação

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Segundo avaliação da ABSOLAR, medida é fruto de pressão de fabricantes nacionais que querem políticas protecionistas.

Autor: Rodrigo Sauaia

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos