Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância das redes subterrâneas de distribuição no Brasil

A importância das redes subterrâneas de distribuição no Brasil

01/12/2023 Daniel Bento

As concessionárias brasileiras poderiam, por exemplo, estabelecer planos decenais de enterramento baseados em critérios técnicos.

A importância das redes subterrâneas de distribuição no Brasil

Desde que fortes tempestades atingiram São Paulo, milhões de pessoas ficaram sem energia elétrica na capital paulista e em outros 23 municípios da região metropolitana, com interrupções causadas, principalmente, pela queda de árvores que romperam muitos cabos elétricos. Isso porque, hoje, a nossa infraestrutura de distribuição de energia é majoritariamente aérea. 

Segundo um levantamento recente feito pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), o Brasil conta hoje com apenas 0,4% de suas redes de distribuição de energia instaladas de maneira subterrânea. Afinal, por que contamos com uma porcentagem tão baixa de redes instaladas de maneira enterrada?

Já escrevo e comento sobre a necessidade de falarmos mais sobre redes subterrâneas de distribuição de energia há algum tempo, e o principal motivo de não avançarmos nessas discussões é que a sociedade já tem uma resposta pronta para a questão: as redes subterrâneas são muito caras e quem vai pagar essa conta são os brasileiros, que já arcam com tarifas altíssimas de energia elétrica. Quando temos uma resposta pronta para determinado problema, não discutimos as saídas para a sua resolução com eficiência.

Contrapondo este senso comum, a minha intenção é abrir esta discussão com a seguinte questão: quem já está pagando a conta por contarmos com redes de distribuição tão frágeis no Brasil? A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (ABRADEE) nos conta que o Brasil enfrenta quase uma morte por dia com acidentes envolvendo o contato com redes aéreas de distribuição. No Brasil, lidamos ainda com cerca de 600 minutos de interrupção de energia por ano, sem contar com eventos como o que acometeu a cidade de São Paulo nos últimos dias. Na Alemanha, onde 80% das redes de distribuição são enterradas, este número é de 12 minutos por ano. Além disso, a produtividade da Alemanha é de três a cinco vezes maior do que a nossa.

Já vi e ouvi muitos profissionais dizendo que as redes subterrâneas são 10 ou até 20 vezes mais caras do que as redes aéreas de distribuição de energia. Mas quando falamos que enterrar redes é mais caro, estamos comparando quais tipos de configurações de sistemas de distribuição? Será que não estamos comparando os custos relativos às piores configurações de redes aéreas com as melhores configurações de redes subterrâneas?

Para se projetar uma rede de distribuição de energia, precisamos entender alguns critérios como a confiabilidade requerida, a carga que esta rede está atendendo, qual é o arranjo elétrico previsto ou onde este projeto está sendo executado (em uma zona rural, urbana, em pequenas ou grandes cidades), entre outros pontos. Em tantos anos trabalhando no setor elétrico brasileiro, presenciei poucos estudos que tratam sobre este tema de maneira séria e tecnicamente embasada. Normalmente, este tipo de comparação utiliza uma base modular, ou seja, aquela “Aspirina” que cura tudo, inclusive o câncer. Definitivamente, este tipo de discussão não é séria e não foca em resolver um problema a médio e longo prazo, mas apenas em colocar um ponto final em algo que pode ser melhorado em nosso país, principalmente em se tratando da transição energética que estamos vivenciando.

Obviamente, redes subterrâneas pressupõem um investimento maior em comparação com as redes aéreas. Mas o que não consideramos é o quanto de valor que redes mais confiáveis e seguras podem acrescentar para a nossa sociedade, e como podemos nos articular para baixar o custo de implementação delas. Alternativas não faltam. Uma delas seria contar com o apoio da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e do Ministério Público para criar padrões de redes de distribuição com diferentes níveis de confiabilidade e, a partir desta padronização, dar mais escala para a conversão das nossas redes de distribuição, algo que pode impactar fortemente na redução dos custos associados aos materiais, mão de obra e serviços relativos a este tipo de infraestrutura, contando com o apoio do governo para a desoneração de impostos relativos a estes itens.

Cabe ressaltar que não estamos falando aqui sobre mudanças de curto prazo. As concessionárias brasileiras poderiam, por exemplo, estabelecer planos decenais de enterramento baseados em critérios técnicos como a priorização das redes que operam com maiores índices de acidentes, passando também pelas localidades com maiores densidades de carga por quilômetro. Como sociedade, acredito fortemente que conseguimos encaminhar este problema de maneira adequada para que, em um futuro próximo, possamos contar com redes de distribuição mais confiáveis, mais seguras e menos mortais.

* Daniel Bento possui mais de 30 anos de experiência com redes subterrâneas de energia. Foi responsável técnico pelo sistema subterrâneo da cidade de São Paulo (pela antiga AES ELETROPAULO). 

Para mais informações sobre energia elétrica clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Case Comunicação Integrada



Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Hidrogênio verde, biodiesel de macaúba e biogás de resíduos são alguns dos projetos em curso que podem colocar o estado na liderança mundial em tecnologia de produção de energias limpas e renováveis.

Autor: Divulgação

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

De cada 50 mortes por raios no mundo, uma ocorre em solo brasileiro.

Autor: Divulgação

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

UFMG recebe inscrições para Especialização em Energias Renováveis – EAD

As aulas remotas acontecerão às terças, quartas e quintas; inscrições estão abertas até 3 de março.

Autor: Divulgação


Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Iniciativa deve beneficiar cerca de 80 salões do interior de São Paulo; economia nas contas de luz ultrapassará R$ 600 mil.

Autor: Luiz Pacheco e Joana Fleury

Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Para poder crescer no Brasil e ser ambientalmente vantajosa, a energia solar precisa deixar de depender de usinas termelétricas fósseis para à noite compensar a falta de novas hidrelétricas.

Autor: Ivo Pugnaloni

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Sistemas de armazenamento são capazes de permitir o uso combinado de várias fontes de energia limpa, garantindo mais eficácia e segurança.

Autor: Carlos Eduardo Ribas

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

Grandes empresas gastam diretamente muito dinheiro em energia a cada ano – e milhões indiretamente, na cadeia de suprimentos, terceirização e logística.

Autor: Pedro Okuhara

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Na última quarta-feira (17), o governador Tarcísio de Freitas entregou a primeira etapa de implantação da Usina Fotovoltaica Flutuante de Araucária, na Represa Billings.

Autor: Divulgação

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Especialista explica como empresas podem se preparar para prevenir prejuízos causados pela oscilação de energia e temperatura.

Autor: Davi Lopes

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Medidas simples podem evitar o aumento da fatura durante o mês de janeiro.

Autor: Divulgação

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Segundo avaliação da ABSOLAR, medida é fruto de pressão de fabricantes nacionais que querem políticas protecionistas.

Autor: Rodrigo Sauaia

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Queda de 40% no preço de painel solar melhora payback aos consumidores

Segundo levantamento do Portal Solar, barateamento da tecnologia fotovoltaica impulsionou redução do tempo de retorno do investimento entre 10% e 20% no País em 2023.

Autor: Rodolfo Meyer

Queda de 40% no preço de painel solar melhora payback aos consumidores