Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Interiorização da Medicina

Interiorização da Medicina

03/11/2011 Antônio Carlos Lopes

Faz pouco tempo, a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), por meio da portaria ministerial 2.087, criou um sistema de bonificação para tentar resolver o problema de falta de médicos em áreas remotas.

A dinâmica é a seguinte: os recém-formados que participaram desse programa de interiorização terão um bônus de 10 a 20% na prova de ingresso à Residência. A medida foi tomada à revelia e sem consulta às entidades médicas e às universidades. É inadmissível tratar com tamanho descaso uma iniciativa que pode ter consequências perigosas para a saúde e a vida dos pacientes. Nunca é demais lembrar que o médico recém-formado precisa ser treinado no dia a dia para bem assistir aos cidadãos.

Ao sair da graduação, ainda necessita da incorporação de conhecimento e habilidades, maturidade e aprofundamento de sua capacitação para uma resposta efetiva em termos de atendimento. Enviado para regiões distantes, sem supervisão adequada, sem estrutura ideal e com pouco acesso à informação, pode, a despeito de toda a boa vontade, ser nocivo a si mesmo e aos pacientes.

Quando estive à frente da Comissão Nacional de Residência Médica, de 2004 a 2008, valorizávamos o mérito, a qualidade, a competência. Não dá para ser diferente em se tratando desse tema da mais alta importância. A política de então visava à democratização, contemplando regiões menos favorecidas com novos programas de Residência Médica e com aumento do número de bolsas.

Uma das metas, aliás, era lutar contra as desigualdades entre regiões mais e menos favorecidas. Criamos, por exemplo, o estágio optativo para residentes em fronteiras de difícil acesso. Isso para aproximar o acadêmico de Medicina da realidade social do país. Era um caminho para torná-lo mais humano, capaz de ver o doente e não apenas a doença. Foi também naqueles tempos que as Sociedades de Especialidade passaram a ter direito a voz nessa discussão. Começaram a colaborar de maneira intensa na avaliação dos programas de Residência Médica do país, o que representou um verdadeiro marco histórico.

Enfim, tínhamos uma CNRM democrática, aberta à participação de acadêmicos, especialidades e universidades. Tratávamos a Residência Médica como deveria ser tratada sempre: a pérola da coroa da formação médica. Diante disso tudo, afirmo com todas as letras que a recente portaria 2.087 é um retrocesso para o ensino médico.

Representa a falta de compreensão da importância da Residência Médica, olhando distorcidamente para a busca forçada de mão de obra, o que demonstra a fragilidade desse sistema. Não podemos imaginar que no Brasil devemos formar médicos para “quebrar galho”. Nem achar que a formação em Medicina é coisa de menor importância e, por isso, não é necessário oferecer condição ideal para seu desenrolar. O Brasil precisa de mais seriedade, especialmente em saúde. Com vidas e bem-estar não se brinca.

* Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.



A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Já são 1016 parques eólicos existentes com mais de 10.941 turbinas eólicas instaladas.

Autor: Divulgação

A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Hidrogênio verde, biodiesel de macaúba e biogás de resíduos são alguns dos projetos em curso que podem colocar o estado na liderança mundial em tecnologia de produção de energias limpas e renováveis.

Autor: Divulgação

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

De cada 50 mortes por raios no mundo, uma ocorre em solo brasileiro.

Autor: Divulgação

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

UFMG recebe inscrições para Especialização em Energias Renováveis – EAD

As aulas remotas acontecerão às terças, quartas e quintas; inscrições estão abertas até 3 de março.

Autor: Divulgação


Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Iniciativa deve beneficiar cerca de 80 salões do interior de São Paulo; economia nas contas de luz ultrapassará R$ 600 mil.

Autor: Luiz Pacheco e Joana Fleury

Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Para poder crescer no Brasil e ser ambientalmente vantajosa, a energia solar precisa deixar de depender de usinas termelétricas fósseis para à noite compensar a falta de novas hidrelétricas.

Autor: Ivo Pugnaloni

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Sistemas de armazenamento são capazes de permitir o uso combinado de várias fontes de energia limpa, garantindo mais eficácia e segurança.

Autor: Carlos Eduardo Ribas

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

Grandes empresas gastam diretamente muito dinheiro em energia a cada ano – e milhões indiretamente, na cadeia de suprimentos, terceirização e logística.

Autor: Pedro Okuhara

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Na última quarta-feira (17), o governador Tarcísio de Freitas entregou a primeira etapa de implantação da Usina Fotovoltaica Flutuante de Araucária, na Represa Billings.

Autor: Divulgação

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Especialista explica como empresas podem se preparar para prevenir prejuízos causados pela oscilação de energia e temperatura.

Autor: Davi Lopes

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Medidas simples podem evitar o aumento da fatura durante o mês de janeiro.

Autor: Divulgação

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Segundo avaliação da ABSOLAR, medida é fruto de pressão de fabricantes nacionais que querem políticas protecionistas.

Autor: Rodrigo Sauaia

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos