Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que as “energytechs” são tão importantes para o mercado e o planeta?

Por que as “energytechs” são tão importantes para o mercado e o planeta?

29/07/2022 Bruno Arcuri

A chamada revolução energética contribui para o surgimento de startups voltadas para o mercado de energia.

Por que as “energytechs” são tão importantes para o mercado e o planeta?

Nos últimos anos, discussões envolvendo o uso de fontes de energia renovável e limpa ganharam força no cenário econômico mundial e vem mobilizando o mercado a buscar soluções que ajudem o mercado a consumir energia da melhor forma possível e minimizar os impactos do aquecimento global.

A chamada revolução energética contribui para o surgimento de startups voltadas para o mercado de energia, que criam soluções de distribuição e implementação de energia limpa, através de fontes renováveis e sustentáveis. Essa soluções direcionam as empresas a economizarem com a conta de luz, uma vez que passam a consumir e produzir energia de forma mais eficiente

Esse cenário impulsiona a criação de um modelo de negócio inovador e as energytech surgem com a missão de atender às necessidades do mercado, além de contribuir para o desenvolvimento de ações que aceleram a revolução energética no Brasil e no mundo.

Fazendo uso Internet das Coisa (IoT), Big Data e Inteligência Artificial, essas empresas conseguem identificar todo o potencial de economia energética, através de ferramentas efetivas para uma das principais dores que o mercado sente: a redução do consumo e custos com luz e o uso de energia limpa e renovável.

Nos últimos anos, devido ao contexto de urgências climáticas e ambientais, o mundo passou a olhar com muito mais atenção para as consequências ambientais provenientes de toda a indústria. Segundo estudo realizado pela Opinion Box, 68% dos consumidores preferem pagar mais caro para consumir produtos e serviços sustentáveis, enquanto 37% dos entrevistados afirmaram que já deixaram de comprar algum serviço por não ser sustentável. 

Vale ressaltar ainda como o setor energético é uma área pouco móvel, com vários monopólios na distribuição e comercialização de energia, e agências reguladoras muito centralizadoras. Nesse sentido, a entrada das energytechs nesse meio acaba promovendo não só soluções práticas dentro do setor, mas também transformando todo o entorno através de tecnologias e modelos de negócios inovadores para a área. Até por isso, a tendência é que o mercado de energia fique cada vez mais livre e transparente, passando a contar cada vez mais com  uma concorrência mais ampla e sustentável. 

Todos esses ganhos e efeitos positivos atrelados ao trabalho dessas energytechs estão sendo reconhecidos através dos fundos de venture capital. No Brasil, de acordo com levantamento realizado pela Distrito Dataminer de 2021, existem atualmente 157 startups do setor energético, e desde 2015 receberam investimentos que ultrapassam a marca de U$85 milhões. No entanto, o crescimento do setor é estrondoso e até agosto passado, os aportes realizados em startups do setor somaram US$ 66,4 milhões, aproximadamente 78% do acumulado histórico.

O crescimento do setor não acontece apenas no Brasil e mostrou-se uma área promissora e aquecida em todo o mundo. Dados da Tracxn, plataforma global que mapeia dados sobre o universo de inovação, em 2020 as energytechs receberam mais de US$ 34 bilhões de investimento. Para 2021, até agosto o setor já acumulava aplicações que passavam dos  US$ 21,4 bilhões, dando claros sinais de quebra de novos recordes até o final do ano.

A demanda por soluções que atendam esses problemas está em voga e deve ganhar mais destaque nos próximos anos. Dessa forma, a atuação das energytechs deve resultar em novas tecnologias e modelos de negócios para todo o setor energético a curto prazo. É importante ressaltar as startups do mercado de energia atacam o mesmo problema, mas em diferentes formas, além de estarem alinhadas ao discurso ambiental, estas [energytechs] ajudam o mercado a consumir energia de uma melhor forma e evitar desperdícios, ou seja, quando a energia não precisou ser gerada ou consumida.

* Bruno Arcuri é CEO e cofundador da Diel Energia, startup que desenvolveu a primeira plataforma de gestão de refrigeração para empresas. Engenheiro elétrico e mestre em Estudos e Demanda de Energia, ele também participou de importantes projetos no setor de energia, como o COMPERJ, da Petrobras, UTE Parnaíba, da ENEVA, e como gerente de novos negócios na Sustainable Ventures, no Reino Unido.

Para mais informações sobre Energia Renovável clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Equipe Motim



Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Hidrogênio verde, biodiesel de macaúba e biogás de resíduos são alguns dos projetos em curso que podem colocar o estado na liderança mundial em tecnologia de produção de energias limpas e renováveis.

Autor: Divulgação

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

De cada 50 mortes por raios no mundo, uma ocorre em solo brasileiro.

Autor: Divulgação

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

UFMG recebe inscrições para Especialização em Energias Renováveis – EAD

As aulas remotas acontecerão às terças, quartas e quintas; inscrições estão abertas até 3 de março.

Autor: Divulgação


Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Iniciativa deve beneficiar cerca de 80 salões do interior de São Paulo; economia nas contas de luz ultrapassará R$ 600 mil.

Autor: Luiz Pacheco e Joana Fleury

Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Para poder crescer no Brasil e ser ambientalmente vantajosa, a energia solar precisa deixar de depender de usinas termelétricas fósseis para à noite compensar a falta de novas hidrelétricas.

Autor: Ivo Pugnaloni

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Sistemas de armazenamento são capazes de permitir o uso combinado de várias fontes de energia limpa, garantindo mais eficácia e segurança.

Autor: Carlos Eduardo Ribas

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

Grandes empresas gastam diretamente muito dinheiro em energia a cada ano – e milhões indiretamente, na cadeia de suprimentos, terceirização e logística.

Autor: Pedro Okuhara

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Na última quarta-feira (17), o governador Tarcísio de Freitas entregou a primeira etapa de implantação da Usina Fotovoltaica Flutuante de Araucária, na Represa Billings.

Autor: Divulgação

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Especialista explica como empresas podem se preparar para prevenir prejuízos causados pela oscilação de energia e temperatura.

Autor: Davi Lopes

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Medidas simples podem evitar o aumento da fatura durante o mês de janeiro.

Autor: Divulgação

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Segundo avaliação da ABSOLAR, medida é fruto de pressão de fabricantes nacionais que querem políticas protecionistas.

Autor: Rodrigo Sauaia

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Queda de 40% no preço de painel solar melhora payback aos consumidores

Segundo levantamento do Portal Solar, barateamento da tecnologia fotovoltaica impulsionou redução do tempo de retorno do investimento entre 10% e 20% no País em 2023.

Autor: Rodolfo Meyer

Queda de 40% no preço de painel solar melhora payback aos consumidores