Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Com a IA, o que sobrará da literatura?

Com a IA, o que sobrará da literatura?

03/04/2024 Víktor Waewell

Quem publicou na Amazon recentemente deve ter notado o campo para marcar se usou Inteligência Artificial.

Com a IA, o que sobrará da literatura?

Dá para fazer livros razoáveis com Inteligência Artificial. Há casos de autores com centenas de livros já publicados com a tecnologia, outros que geraram livros infantis em menos de 72 horas, incluindo as ilustrações. 

Quem publicou na Amazon recentemente deve ter notado o campo para marcar se usou Inteligência Artificial. Para conter a enxurrada de livros feitos com IA, a plataforma tomou medida que mostra a situação: restringiu a publicação, por dia, por autor, em até 3 livros. Não para aí.

Um amigo outro dia desses, precisando contar uma história para o filho dormir, recorreu ao ChatGPT, que não só criou uma narrativa com o personagem preferido do menino, como ainda incluiu o garoto na história. Foi um sucesso, repetido lá desde então.

É claro que, como autor, já refleti sobre o impacto da Inteligência Artificial na literatura. Serei obsoleto? Por outro lado, como leitor, terei ótimos livros para ler?

Olha, a real é que muita gente que trabalha com literatura vai ficar sem emprego, principalmente quem faz processos relativamente repetitivos, como correção, tradução, narração de audiolivros, diagramação, capa, algumas fases da edição é a ilustração e impressão. Agora, se a máquina vai desempregar muitos, é porque, ao mesmo tempo, será indispensável aos que sobrarem para usá-la. E, sim, o público provavelmente terá mais livros e com mais qualidade dos seus autores preferidos, pelo ganho de produtividade.

Mas... e o próprio autor, não será substituído? Sim e não. Autores que investem em volume, com qualidade mediana, serão atingidos em cheio. Porque o volume, já está claro, é o que a IA faz bem. Em breve, será tão fácil fazer um livro que a pessoa poderá gerar, em instantes, um para ela mesma ler. De qualidade artística duvidosa, como eu explico adiante, é um conteúdo que terá valor pelo alto grau de personalização.

É diferente o caso de autores que buscam qualidade artística. Estes serão os que vão sobrar. Ora, mas por quê? Não será questão de tempo até a IA fazer histórias tão boas quanto os grandes mestres? Não parece ser o caso. Por duas razões.

Primeiramente, o público busca, nas artes, antes de qualquer coisa, identificação. Diante de uma expressão precisa do que sentimos, por exemplo, é necessário, para uma experiência aguda, ter sido uma pessoa que a produziu, pois só assim sabemos haver mais alguém no mundo que entende aquilo. Aspectos assim fazem a magia da autoria. Uma simulação jamais lançará esse feitiço.

Mas, então, não basta gerar textos com IA, sem o leitor saber?

Podem tentar, mas aí encontramos o limite desta tecnologia, assim como do ser humano. É que, enormes os recursos da máquina, continua sendo uma simulação. Não possui senso de justiça, raiva, nunca amou ninguém, não tem tesão, nem fome, medo da morte, nada. Então, ela não vai chegar a conclusões realmente impactantes, porque não está aqui fora vivendo o que vivemos em tempo real, tampouco irá demonstrar com ações que segue os próprios conselhos, sendo, portanto, palavras ao vento. Na outra ponta, autores que abusarem do uso da IA, eles mesmos vão destreinar. A capacidade linguística, como qualquer outra, regride quando não é usada.

É como um corredor que decide se mover pela pista sempre de moto. Em algum momento, os músculos vão atrofiar e ele poderá até ir rápido, mas não será correndo.

* Víktor Waewell é escritor, autor do livro “Guerra dos Mil Povos”, uma história de amor e guerra durante a maior revolta indígena do Brasil.

Para mais informações sobre literatura clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



Seus pensamentos não te deixam dormir?

Analista de Perfil Comportamental traça o mapa de uma jornada introspectiva para quem deseja superar o comodismo, adaptar-se às mudanças e moldar afirmações em ações.

Autor: Divulgação


Neuroescravização: seu celular está te deixando doente

“Ninguém é produtivo o tempo inteiro, ninguém é feliz o tempo inteiro, mas é possível ser mais feliz e produtivo. E isso sem acabar com a saúde mental.”

Autor: Divulgação


Brasil tem 25 milhões de consumidores de livros

"Projeto Escritor 2024" mostra como conquistá-los.

Autor: Divulgação

Brasil tem 25 milhões de consumidores de livros

Como (re)começar quando um grande amor vai embora?

É isso que o leitor vai descobrir em "Doce como você", novo livro da best-seller Kate Canterbary, cuja protagonista é abandonada pelo noivo horas antes do casamento.

Autor: Divulgação


Mitos e símbolos traduzem a experiência humana

João Paulo Martins interpreta e detalha mandalas, yantras e o simbolismo dos animais em civilizações diversas a partir do Oriente.

Autor: Divulgação


Por que algumas pessoas são mais criativas do que outras?

Em "Pensamento Criativo" Michael Michalko, especialista no tema e oficial do exército norte-americano, explica como desenvolver ideias inovadoras e evitar padrões de pensamento lineares.

Autor: Divulgação


Ressurreição na prática: como atingir a maturidade espiritual?

Em obra inédita, o teólogo Eugene H. Peterson convida fiéis a reavivar o chamado à formação cristã.

Autor: Divulgação


Síganus lança single e clipe com participação de Cristal nas plataformas de “streaming”

'Bom Dia Brasil' dá nome ao novo trabalho do grupo gaúcho que mistura o subgênero do rap, uk drill, com sonoridades da bossa nova e do samba.

Autor: Divulgação

Síganus lança single e clipe com participação de Cristal nas plataformas de “streaming”

42 dias para encontrar um propósito de vida

Best-seller com mais de 80 milhões de exemplares vendidos, "Uma Vida com Propósitos", de Rick Warren, desvenda os princípios fundamentais para uma existência cristã significativa.

Autor: Divulgação


Mudanças na infância: existe uma fórmula para adaptação?

Para o autor britânico Karl Newson, a resposta pode ser encontrada com ajuda da imaginação.

Autor: Divulgação


5 dicas para escolher a leitura adequada antes de dormir

A leitura antes de dormir pode ser uma ótima maneira de relaxar e preparar o corpo e a mente para uma boa noite de sono.

Autor: Dra. Márcia Assis

5 dicas para escolher a leitura adequada antes de dormir

Como gerenciar os ‘Exterminadores de Felicidade’?

Há 25 anos, ao criar a Sociedade de Pessoas Felizes nos Estados Unidos, muitos pensavam que eu defendia a ideia de felicidade constante.

Autor: Pamela Gail Johnson

Como gerenciar os ‘Exterminadores de Felicidade’?