Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que as startups focadas em varejo tem a ensinar ao mercado

O que as startups focadas em varejo tem a ensinar ao mercado

17/12/2021 Douglas Pena

A pandemia, como um catalisador de processos, apresentou ao mercado soluções mais completas e dinâmicas.

O que as startups focadas em varejo tem a ensinar ao mercado

Os números robustos que o biênio 2020-2021 traz sobre o setor de lojas de conveniência podem até ter como resultado os efeitos da pandemia, mas é, sobretudo, reflexo de um movimento que já vinha e ganhou, ao longo destes dois últimos anos, ainda mais projeção. Durante este período, o crescimento de 11,6% ao redor do mundo, segundo um levantamento realizado pela consultoria Ascential Retail, elencou a categoria como a terceira maior do varejo em 2020 e nos instiga a entender o que é que motivou tal destaque em tão pouco tempo. 

Não é possível dissociar que os novos hábitos e necessidades que surgiram em decorrência do vírus forçaram uma adaptação do mercado, que encontrou soluções criativas para as demandas vigentes. Mas há também um outro fator a se ponderar: a proposta da conveniência já vinha se adequando às necessidades do cliente que, cada vez mais, procura por praticidade e rapidez em sua rotina. Das compras por ‘um clique’, realizadas na palma da mão, às lojas de conveniência, no caminho para casa ou trabalho e que concentra um leque bom de produtos do dia a dia, a ordem era tornar a experiência a mais prática possível. 

A experiência sem atrito, que então já era uma realidade para alguns, revelou-se a toda sociedade uma solução que de fato trazia um efeito imediato: com as restrições impostas pela pandemia, esse formato de negócio evitou o contato com pessoas. Dentro de casa, isoladas e sem poder ir a restaurantes e bares, ficou também a cargo do brasileiro ser criativo com o que iria comer e beber. Adquirir ingredientes passou a ser então fundamental e a comodidade e praticidade em tê-los sempre à mão possibilitou, em consequência, que o comércio da vizinhança sobrevivesse. O consumo de forma mais fragmentada, sem fazer grandes estoques, impulsionou o setor de conveniência, que se tornou logo uma extensão de casa.   

A pandemia, como um catalisador de processos, apresentou ao mercado soluções mais completas e dinâmicas. A necessidade por mais comodidade, praticidade e rapidez, reestruturou o setor e impulsionou o surgimento de negócios cada vez mais alinhados a esta proposta. A conveniência, rapidamente associada às lojas em postos de gasolina, conquistou novos espaços, ganhou um ar mais tecnológico e versátil e foi muito bem recebida até mesmo dentro dos próprios condomínios residenciais. Em um canto estratégico do prédio ou em containers, o mini mercado trouxe, ainda, mais um diferencial frente a toda concorrência do setor: a segurança por não precisar sair de casa. 

Somado a tecnologia que as startups trazem, a experiência sem atrito se somou ao pagamento sem contato, um bônus para quem procura por agilidade. Os novos negócios dispensam a necessidade de atendimento presencial ao operar por meio de uma tecnologia baseada em um sistema de selfie check-out disponível 24 horas por dia, sete dias por semana. O cliente escolhe os produtos que deseja adquirir, escaneia o código de barras e finaliza a compra com um pagamento via aplicativo do celular. A cobrança é feita no cartão de crédito cadastrado de maneira totalmente automática. É, portanto, um sistema intuitivo que mescla a experiência da compra presencial com a praticidade do controle na palma das mãos. 

O setor de conveniência cresceu, mas foi o nicho de lojas autônomas que alavancou e trouxe a solução para os desafios atuais -e neste caso, não só o pandêmico, mas de toda uma geração ávida por praticidade e velocidade. A “hiperproximidade” associada à inteligência artificial favoreceu esta expansão e deu luz às possibilidades de mudanças que todo o varejo pode incorporar para se transformar e acompanhar o ritmo de mudanças inerentes à sociedade. Se ainda há quem resista aos progressos, os dois últimos anos deixaram claro que, para atender o novo perfil do consumidor, é preciso torná-lo protagonista no centro desse negócio, não apenas para gerar vendas, mas para uma fidelização à marca. Para tanto, se faz urgente entregar praticidade. 

* Douglas Pena é CRO da Minha Quitandinha, rede de minimercado autônomo que leva praticidade e segurança a condomínios residenciais e comerciais.

Para mais informações sobre Startups clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Markable



Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Discussões sobre a importância de internacionalizar startups têm se tornado assunto frequente nos últimos anos.

Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Dez startups mineiras seguem para a etapa de mentorias do Capital Empreendedor

Empresas vão receber orientações personalizadas para melhorias e adequações no modelo de negócios e outros processos.


15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Selecionadas pelo ScaleUp in Brazil, startups são das áreas de energia, tecnologia limpa, agritech, fintech, healtech.

15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

De acordo com o Google, mais de 90% das pessoas iniciam a sua busca pelo seu novo automóvel a partir de pesquisas na internet.

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

A expectativa é que a tecnologia ofereça velocidade de conexão até 10 vezes mais rápida que a 4G.

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

Demissões em startups: vale a pena buscar um emprego nessas empresas?

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Especializada em pesquisa de mercado, empresa quebra fronteira e atuará no segmento de bebidas em nove cidades internacionais.

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Com a nova ferramenta, marcas como a Hyundai tem acesso a inteligência, design e desempenho de publicidade em AR.

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

Selo premiará os profissionais e empresas que mais investiram em educação e contratação de talentos de tecnologia.

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB

Para eliminar filas, estudantes criam sistema digital de "encomenda" de refeições para o intervalo das aulas

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB

30 startups de Minas Gerais participam do Programa Capital Empreendedor

Mais da metade das selecionadas têm mulheres como fundadoras.


Como atua a startup brasileira focada na logística dos setores agro e alimentício

Voltada ao comércio digital de alimentos, FreeHub permite negociações diretas de produtores, importadores e fabricantes com os varejistas de todo o país, sem intermediários.

Como atua a startup brasileira focada na logística dos setores agro e alimentício