PSDB despenca e tem pior resultado em eleição

Nos últimos 30 anos tucanos rivalizaram com PT como uma das principais forças nas disputas pelo Planalto.


Jean-Philip Struck (DW)

08/10/2018 - 10:19

As eleições presidenciais de 2018 marcaram um recorde negativo para o PSDB, que por três décadas foi uma das principais forças políticas na disputa pelo Planalto: nunca o partido recebeu uma percentagem tão baixa dos votos em um primeiro turno desde a sua criação, em 1988. O candidato Geraldo Alckmin recebeu menos de 5% dos votos na eleição deste domingo (07/10), com 95% das urnas apuradas.

O percentual de Alckmin está bem atrás da votação de Aécio Neves em 2014, que havia obtido 33,5% dos votos válidos no primeiro turno de 2014. Também contrasta com a votação obtida pelo próprio Alckmin no primeiro turno de 2006, que chegou a 41,64%. Também está atrás dos resultados obtidos por José Serra em 2002 e 2010, de 23,19% e 32,61%, respectivamente.

Nas derrotas entre 2006 e 2014, o partido teve como principal adversário o PT, que tinha a vantagem de contar com a máquina federal. Desta vez, os tucanos não conseguiram polarizar com o PT e viram boa parte do seu eleitorado migrar para o direitista Jair Bolsonaro (PSL), um novato em eleições presidenciais que concorre por uma sigla nanica.

A proporção de votos recebidas pelos tucanos em 2018 é até mesmo menor do que a do candidato Mário Covas em 1989, que terminou o primeiro turno em quarto lugar, com 11,51% dos votos válidos. À época, o PSDB tinha apenas um ano de existência.

Essa é também a primeira vez desde 2002 que o partido fica de fora de um segundo turno presidencial. Em 1994 e 1998, o tucano Fernando Henrique Cardoso venceu as eleições ainda no primeiro turno.

A fraca votação nacional do PSDB também se refletiu em São Paulo, estado que foi governado por Alckmin por quatro mandatos. Ele nunca esteve à frente de Bolsonaro no estado ao longo da campanha, segundo o Ibope. Na última pesquisa, tinha 14% das intenções nesse tradicional bastião tucano, atrás do ex-capitão e de Fernando Haddad (PT).

Campanha fragilizada

O mau desempenho de Alckmin no pleito de 2018 ficou muito abaixo das expectativas do partido e de analistas. Em julho, o tucano havia conseguindo montar a coligação mais ampla das candidaturas que se apresentaram ao pleito ao se acertar com mais oito siglas. A aliança garantiu aos tucanos 43% do tempo de TV diário reservado aos presidenciáveis, além de uma série de palanques regionais.

Mas a campanha de Alckmin acabou tendo desempenho semelhante a de Ulysses Guimarães (PMDB) em 1989. À época, o ex-presidente da Câmara contava com impressionantes 22 minutos diários no horário eleitoral, mas acabou em sexto lugar na disputa, com pouco mais de 4% dos votos.

Assim como ocorreu com Ulysses, problemas internos começaram a pipocar na coligação logo na largada da campanha. Até garantir a candidatura, Alckmin teve que lidar com a insatisfação de membros do seu partido que preferiam a indicação do ex-prefeito João Doria como postulante à Presidência. Já a escolha da senadora Ana Amélia (PP-RS) para vice rachou o PP gaúcho. Uma ala do partido anunciou publicamente apoio a Bolsonaro.

Nesta semana, com Alckmin ainda acumulando resultados decepcionantes nas pesquisas, os tucanos passaram a sofrer com uma série de deserções de aliados. Vários declararam apoio a Bolsonaro. Na sexta-feira, em um ato de campanha em São Paulo, Alckmin só teve a companhia de um punhado de membros das siglas que fazem parte da sua coligação.

As deserções atingiram até mesmo membros das fileiras tucanas. Na quarta-feira, Xico Graziano, um dos fundadores do partido e que atuou como chefe de gabinete de Fernando Henrique, anunciou sua desfiliação e declarou apoio a Bolsonaro. Já João Doria, candidato do PSDB ao governo de São Paulo, não fez nada ao longo da campanha para conter apoiadores que promoviam um voto "bolsodoria" entre os eleitores.

A fragilização do PSDB tem se intensificado desde 2016, quando o partido passou, a exemplo do PT, a ser atingido pela Operação Lava Jato. Aécio, que disputou uma eleição acirrada com a ex-presidente Dilma Rousseff em 2014, acabou sendo atingido em cheio pelas denúncias e chegou a ser afastado temporariamente da sua cadeira no Senado. À época, ele também era presidente nacional do PSDB. Desgastado, abandonou nestas eleições pretensões de concorrer à reeleição e decidiu se lançar para uma vaga de deputado federal. Apesar da gravidade das denúncias, ele continua filiado ao partido.

O partido também se viu desgastado pela sua associação com o impopular governo do presidente Michel Temer. Ao longo da campanha, Alckmin lançou críticas a Temer e disse que o PSDB não tinha nada que ver com o governo. As falas geraram reação do próprio Temer, que lembrou, num vídeo direcionado a Alckmin, que o PSDB teve três ministros em sua administração. Um deles, Aloysio Nunes (Relações Exteriores) ainda está no cargo.

Durante a campanha de 2018, o partido ainda acumulou mais fatos negativos. O ex-governador do Paraná Beto Richa, filho de um dos fundadores mais destacados da sigla, foi preso por suspeita de corrupção.

Diante do quadro, Tasso Jereissati, ex-presidente nacional da sigla, chegou a fazer uma auto-crítica numa entrevista concedida em setembro. "O grande erro, e boa parte do PSDB se opôs a isso, foi entrar no governo Temer. Foi a gota d’água, junto com os problemas do Aécio (Neves). Fomos engolidos pela tentação do poder", disse ele.





China inaugura maior ponte marítima do mundo

Obra de 55 km que inclui túnel subaquático e interliga Hong Kong, Macau e China continental é inaugurada com dois anos de atraso e custo acima do previsto.


A profissão do futuro

Educação & Capacitação

A profissão do futuro

No ano passado, três das mais respeitadas instituições de educação, pesquisa e inovação do mundo se uniram para tentar descobrir quais seriam as profissões da próxima geração.


Burst: Quais as vantagens para você que é empresário?

Briefing

Burst: Quais as vantagens para você que é empresário?

Aqui você encontra as melhores imagens, já otimizadas, para os mais diversos usos.


Cinco benefícios da aveia que você precisa conhecer

Funcional, a aveia é o mais nutritivo de todos os cereais.



Márcia Fellipe lança clipe com Jerry Smith

Notas Musicais

Márcia Fellipe lança clipe com Jerry Smith

Single “Quem me derá” promete ser o hit da cantora.


Usuários de cartão de crédito desconhecem valor da fatura

Mundo Empresarial

Usuários de cartão de crédito desconhecem valor da fatura

Um terço dos usuários de cartão de crédito não sabem quanto gastaram no mês anterior.


Rock in Rio anuncia três atrações do Palco Mundo

P!nk, Black Eyed Peas e Anitta se apresentarão no dia 05 de outubro de 2019, na Cidade do Rock.


Marketing de referência – Tudo o que você necessita saber

Briefing

Marketing de referência – Tudo o que você necessita saber

No mundo dos negócios é bastante comum que se ouça a expressão “marketing de referência”.


Correios lança selos sobre a história da computação brasileira

Digital

Correios lança selos sobre a história da computação brasileira

Três selos apresentam estudos e projetos de computadores nacionais.


Brasil faz ação para promover carne bovina na Europa

Café Pequeno

Brasil faz ação para promover carne bovina na Europa

Abiec participa da Sial Paris para divulgar a qualidade da carne bovina brasileira.


BH recebe XV Mostra de Cinema Atual Espanhol

Na Tela

BH recebe XV Mostra de Cinema Atual Espanhol

Evento no MIS Cine Santa Tereza propõe um mergulho no cinema espanhol atual.


Como evitar brigas nas redes sociais por política

Café Pequeno

Como evitar brigas nas redes sociais por política

Uma ação que aparenta ser apenas de cunho pessoal pode também prejudicar o campo profissional.


Estudo mostra que casamento ruim prejudica a saúde

Bem Viver

Estudo mostra que casamento ruim prejudica a saúde

Ansiedade e depressão são alguns dos sintomas de uma relação que não vai bem.


Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, e Haddad, 41%

Capitão reformado tem mais eleitores convictos, enquanto ex-prefeito tem maior rejeição.


Dengue na gravidez aumenta risco de anomalias congênitas

Saúde

Dengue na gravidez aumenta risco de anomalias congênitas

O estudo foi publicado na edição de setembro da revista Emerging Infectious Diseases.


Ferramenta para detectar fake news é desenvolvida no Brasil

Tecnologia Máxima

Ferramenta para detectar fake news é desenvolvida no Brasil

Acessível via WhatsApp e na internet, plataforma possibilita checar se uma notícia é falsa ou verdadeira.


Apenas 3,3% dos estudantes querem ser professores

Nesta segunda-feira, 15 de outubro, celebra-se o Dia do Professor.



Meio ambiente é essencial para cidades inteligentes

Ciência & Ambiente

Meio ambiente é essencial para cidades inteligentes

IESE - Cidades em Movimento 2018 analisou nove dimensões de 165 cidades pelo mundo.


Roupa Nova lança clipe do 2° single de novo projeto

Notas Musicais

Roupa Nova lança clipe do 2° single de novo projeto

Roupa Nova, a banda com mais tempo em atividade no Brasil, lançou o clipe da inédita Seja Bem-Vindo.


Brasil possui maior índice de aprovação em transplantes

País prevê quebra de recordes em números de procedimentos ainda em 2018.


Como acelerar o acúmulo de milhas aéreas?

Briefing

Como acelerar o acúmulo de milhas aéreas?

Nesta reportagem você vai aprender como viajar mais com menos dinheiro.


As flores mais indicadas para cultivo na primavera

Ciência & Ambiente

As flores mais indicadas para cultivo na primavera

Muitas plantas apresentam desenvolvimento de folhas novas nesse período, o que pode atrair pragas.


Comércio e serviços devem abrir 59,2 mil vagas

Mundo Empresarial

Comércio e serviços devem abrir 59,2 mil vagas

De acordo com pesquisa, as vagas serão abertas até o final deste ano.


Postura confortável não é sinônimo de postura correta

Bem Viver

Postura confortável não é sinônimo de postura correta

Cada pessoa pode apresentar vários tipos de vícios posturais, explica especialista.


FMI reduz projeção de crescimento do Brasil no ano

Café Pequeno

FMI reduz projeção de crescimento do Brasil no ano

Para 2018, projeção de crescimento do PIB caiu para 1,4%.


Eleitor que não votou tem 60 dias para justificar ausência

Utilidade Pública

Eleitor que não votou tem 60 dias para justificar ausência

Quem não votou no primeiro turno e nem justificou não fica impedido de votar no segundo turno.