Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Burocracia ou facilidade? O dia a dia do eSocial

Burocracia ou facilidade? O dia a dia do eSocial

20/05/2023 Felipo Corvalan

Novas ferramentas do sistema eletrônico de informações exigem período de adaptação, mas trazem benefícios.

O eSocial é um sistema eletrônico desenvolvido pelo Governo Federal para unificar, em único ambiente virtual, as informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais dos empregadores.

O funcionamento do eSocial é baseado no envio eletrônico, pelos empregadores, de informações de seus empregados.

As informações são enviadas por um software específico disponibilizado pelo eSocial ou por meio de integração com outros sistemas da empresa.

O envio de informações pelo eSocial é feito em eventos, que são pacotes de informações relacionados a uma determinada situação.

Um evento pode ser o cadastro de um novo trabalhador, a admissão de um empregado, o pagamento de salários, a concessão de férias, entre outros.

Os eventos enviados pelo empregador são armazenados no ambiente virtual do eSocial e são compartilhados entre os órgãos governamentais responsáveis pela fiscalização trabalhista, previdenciária e fiscal, tais como a Receita Federal, o Ministério do Trabalho e Emprego e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Dessa forma, o eSocial permite que as informações sejam compartilhadas entre os órgãos do governo, evitando a necessidade de múltiplos envios de dados pelos empregadores e a redução da burocracia.

É importante ressaltar que o eSocial envolve o cumprimento de diversas obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais pelas empresas, portanto, é essencial que os empregadores estejam atentos às exigências e prazos estabelecidos pelo sistema.

Quanto ao processo trabalhista, o eSocial não é diretamente responsável pelo seu andamento ou tramitação. No entanto, as informações enviadas pelo empregador através do sistema podem ser utilizadas como prova em eventual processo trabalhista.

Por exemplo, caso um trabalhador alegue que não recebeu o pagamento de horas extras, o empregador pode apresentar como prova as informações registradas no eSocial sobre as horas trabalhadas e os pagamentos realizados. Dessa forma, o sistema pode auxiliar no esclarecimento de questões trabalhistas.

Além disso, o eSocial também pode ser utilizado para o envio de informações ao Ministério Público do Trabalho e para a elaboração de acordos judiciais em processos trabalhistas.

Foi prorrogado para 1º de Julho de 2023 o prazo para envio de informações relativas às demandas trabalhistas ao sistema. Os quatro novos eventos de processos trabalhistas do eSocial 2023, são:

S-2500 – Processo Trabalhista: Evento de registro de informações dos processos na Justiça do Trabalho, como decisões, homologações de cálculo, acordos etc;

S-2501 – Informações de Contribuições Decorrentes de Processo Trabalhista: Evento de informações sobre valores retidos para o INSS e IR;

S-3500 – Exclusão de Eventos – Processo Trabalhista: Evento reservado para retificar qualquer informação passada erradas nos processos anteriores;

S-5501 – Informações de Tributos Decorrentes de Processo Trabalhista: Evento destinado a compilação dos anteriormente enviados.

Esse estará estreitamente ligado ao S-2501 e terá a função de mostrar as contribuições sociais previdenciárias, os tributos apurados, as contribuições devidas a outras entidades e fundos e o imposto sobre renda da pessoa física retido na fonte.

Importante ficar atento, pois a data limite de envio do evento ao eSocial, considerando que será mantido o marco temporal, ou seja, a partir de 1º de julho de 2023, será até o 15 de agosto de 2023, e assim por diante. 

Também é importante destacar que, com as referidas alterações, a partir de 1º de julho de 2023 os valores relativos às contribuições previdenciárias devidas em razão de decisões proferidas pela Justiça do Trabalho e em acordos trabalhistas, deverão ser recolhidas pela empresa com DARF, por meio da DCTFWeb.

Por certo que o acompanhamento regular dos andamentos de processos trabalhistas e o necessário compartilhamento das informações que instruirão o envio dos eventos ao eSocial, pelo Jurídico aos Recursos Humanos, são fundamentais para o cumprimento da obrigação.

Isto deve movimentar os escritórios de departamento pessoal, jurídicos internos, escritórios de advocacia e escritórios de contabilidade.

Os eventos a serem enviados referem-se somente aos processos com decisão ou acordo com publicação a partir de julho de 2023, ou seja, não será necessário enviar o histórico de ações trabalhistas.

Com a unificação das informações, o eSocial pode reduzir a necessidade de envio de dados em diversos formatos e em diferentes prazos, o que pode simplificar o cumprimento das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais pelas empresas, além de reduzir o tempo o e os custos com a burocracia, permitindo uma maior eficiência e agilidade no cumprimento das obrigações pelos empregadores.

Ou seja, o dia a dia da equipe de recursos humanos e gestão de pessoas será otimizado, o que significa, também, economia para o empregador.

Com a validação automática das informações enviadas pelos empregadores, o eSocial pode contribuir para a redução de erros e inconsistências nos dados e, assim, facilitar a identificação e correção de problemas.

Portanto, embora o eSocial envolva um período de adaptação por parte das empresas, espera-se que o sistema possa trazer diversos benefícios a longo prazo para todos os envolvidos.

* Felipo Corvalan é advogado no Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica.

Para mais informações sobre eSocial clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Literal Link



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani