Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como a falta de tipificação penal para fraude incentiva essa prática na saúde suplementar

Como a falta de tipificação penal para fraude incentiva essa prática na saúde suplementar

25/07/2023 Fernando Bianchi

Um dos assuntos que mais tem se falando nos últimos meses é o impacto das fraudes no orçamento da saúde suplementar.

Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o setor teve prejuízo operacional acumulado é de R$ 11,5 bilhões em 12 meses, o maior em mais de duas décadas.

Por outro lado, segundo dados do Instituto de Estudos em Saúde Suplementar (IESS), estima-se que existe um desperdício no setor de cerca de R$ 28 bilhões anualmente. Mas, nesse montante, o que é fraude e o que é desperdício?

Sim, fraude é uma coisa e desperdício é outra. Existem custos assistenciais que são pagos desnecessariamente (exemplos: médicos diferentes que pedem o mesmo exame e o beneficiário realiza em duplicidade), porém legítimos tecnicamente.

Outro exemplo é quando se opta por um exame mais caro (uma ressonância, por exemplo) em lugar de uma solução mais acessível (um raio-x).

Também há a infração ética que não é crime, nem fraude e sim uma irregularidade administrativa passível de sanção administrativa – extrajudicial.

Por exemplo, no caso de o médico solicitar um exame que submete o paciente a radiação ao invés de um menos invasivo para obtenção de faturamento.

Conforme dispõe o Código de Ética Médica, o médico deve observar o princípio da não maleficência e sempre deve indicar o melhor cuidado ao paciente.

Fraude é enganar ou ludibriar. Já crime é a ação (realização) de uma conduta proibida pelo tipo penal incriminador prevista na Lei Penal ou Lei Específica.

E aqui, chegamos em um ponto importante dessa discussão: nosso Código Penal não tem figura objetiva criminalizando a fraude entre entes privados.

Portanto, tecnicamente há erro quando se afirma que fraude é crime. Importante destacar que fraude na saúde suplementar não está restrita a figura do reembolso.

Temos superfaturamento de materiais, preenchimento errado de declarações de saúde para esconder doenças preexistentes, empréstimo da carteirinha do plano de saúde e na solicitação de emissão de dois recibos para completar o valor da consulta, entre outros exemplos.

Infelizmente, para a criminalização da fraude no setor da saúde suplementar é preciso fazer uma ginástica, muitas vezes sem sucesso, para enquadrar as práticas em figuras penais como o estelionato.

Exatamente por isso existe uma dificuldade enorme para as operadoras de planos de saúde coibirem a fraude ou terem ferramentas eficazes para desestimular tal prática.

A exemplo de outros países como USA, é preciso criar legislação específica prevendo as hipóteses de fraude e sua criminalização.

Justamente por não existir uma bala de prata, se impõe uma ação multiplataforma a ser utilizada para coibir tais práticas, como: propor medidas administrativas visando abertura de processos éticos junto a Conselhos de Classe como o CRM e CRO; abrir investigações criminais para apuração de estelionato, falsidade ideológica na produção de documentos e até crimes fiscais, ações cíveis, medidas administrativas junto ao Regulador – ANS noticiando os fatos, tudo para pressionar de forma global os infratores.

Contudo, como citado anteriormente, o ideal seria que nossa legislação tipificasse a fraude como crime. Com a certeza da impunidade, os fraudadores avançam ganhando dinheiro às custas da saúde de 50 milhões de brasileiros e impactando o sistema de saúde privado do país, com a tranquilidade de que não estão cometendo um crime.

Em outros países a fraude é objeto de investigação criminal e de condenação pelo poder judiciário inclusive com apenamento de prisão e multas.

* Fernando Bianchi é sócio do M3BS (Miglioli, Bianchi, Borrozzino, Bellinatti e Scarabel Advogados).

Para mais informações sobre fraudes clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Agência Pub



Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves