Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Conflitos condominiais

Conflitos condominiais

03/06/2024 Divulgação

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Viver em condomínio oferece muitas vantagens, como segurança e a possibilidade de compartilhar custos de manutenção. No entanto, também pode ser um terreno fértil para conflitos.

Do atraso no pagamento das taxas condominiais a disputas sobre o uso de áreas comuns, os problemas podem se multiplicar e, muitas vezes, acabam sendo resolvidos na justiça.

O advogado especialista em direito condominial, Dr. Issei Yuki, explica as ações judiciais mais comuns em condomínios, suas características e como são resolvidas, garantindo a harmonia e a boa convivência entre os moradores.

Ações de cobrança de taxas condominiais

A inadimplência é um dos maiores desafios enfrentados por condomínios. Quando um condômino deixa de pagar as taxas condominiais, compromete o funcionamento das áreas comuns e a qualidade de vida dos demais moradores.

Segundo um estudo da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC), a inadimplência média nos condomínios paulistas gira em torno de 15%.

Para resolver este problema, inicialmente, o síndico deve tentar uma negociação amigável. Se não houver acordo, o condomínio pode ajuizar uma ação de cobrança, onde o juiz pode determinar o pagamento imediato ou parcelado da dívida.

Em casos extremos, a unidade do condômino inadimplente pode ser penhorada para garantir o pagamento das dívidas.

Ações de obrigação de fazer ou não fazer

Essas ações são comuns quando há desrespeito às normas do condomínio, como obras irregulares, uso indevido de áreas comuns ou atividades comerciais não permitidas.

O síndico, ou outro condômino, pode buscar uma solução amigável inicialmente. Não havendo acordo, uma ação judicial pode ser necessária.

Nessas situações, o juiz pode emitir uma liminar, obrigando o condômino a cessar a conduta infratora imediatamente até a decisão final.

Estudos apontam que a mediação prévia pode resolver cerca de 60% desses conflitos sem necessidade de judicialização, segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ações possessórias

Disputas sobre a posse de áreas comuns ou exclusivas são frequentes. Um exemplo é quando um condômino se apropria indevidamente de uma área comum.

O juiz pode conceder uma liminar para restabelecer a posse imediata do bem, com uma audiência de instrução posterior para a decisão final.

A jurisprudência sobre esses casos geralmente favorece a proteção do uso coletivo e regular das áreas comuns.

Ações de nulidade de assembleias ou deliberações

Condôminos podem questionar judicialmente decisões tomadas em assembleias que consideram irregulares. Isso pode envolver a convocação, votação ou o conteúdo das deliberações.

Nesses casos, o condômino prejudicado pode ajuizar uma ação de nulidade. O juiz avaliará se houve irregularidades significativas que justifiquem a anulação da deliberação.

É essencial que as assembleias sigam rigorosamente as regras estabelecidas na convenção condominial e no Código Civil para evitar tais problemas.

Ações de responsabilidade civil

Estas ações envolvem pedidos de indenização por danos causados por ações ou omissões do condomínio, do síndico ou de outros condôminos.

Um exemplo comum é o dano material causado por infiltrações oriundas de áreas comuns. Nessas situações, o condômino prejudicado pode tentar uma resolução amigável. Não havendo acordo, a ação judicial pode ser o caminho.

Soluções alternativas e prevenção

Para evitar a judicialização excessiva, muitos condomínios têm adotado métodos alternativos de resolução de conflitos, como mediação e arbitragem.

A mediação, em especial, tem se mostrado eficaz em resolver conflitos de maneira rápida e menos onerosa. Segundo o CNJ, a mediação pode resolver até 85% dos casos sem necessidade de ir a julgamento.

“As ações judiciais em condomínios são um reflexo das complexidades da vida em comunidade. Conhecer os tipos mais comuns e as formas de resolução pode ajudar síndicos e moradores a promoverem um ambiente mais harmonioso. A adoção de práticas preventivas, como a educação dos condôminos e a gestão transparente, é fundamental para evitar conflitos e garantir a convivência pacífica. A harmonização dessas relações é essencial para a sustentabilidade e a qualidade de vida dentro dos condomínios.” Conclui o Dr. Issei Yuki.

Para mais informações sobre condomínios clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X (antigo Twitter)

Quem somos

Fonte: Roneia Forte Assessoria



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação