Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não cabe ao Judiciário alterar índice de aluguel

Não cabe ao Judiciário alterar índice de aluguel

27/01/2021 Divulgação

Shoppings centers questionam mudança nos parâmetros dos reajustes feitos sem concordância das partes e imposta por juiz.

Nos últimos dias, o mercado varejista tomou um baque ao receber a notícia de que os lojistas dos shoppings centers buscaram o Judiciário para questionar o índice de correção aplicado nos aluguéis.

A desculpa já não era somente o coronavírus e sim a explosão do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), que subiu 23% em 2020.

Ao longo dos anos, o IGP-M se consolidou como o índice de reajuste de mais de 90% dos contratos de locação em shoppings centers e a alta expressiva impacta os negócios, podendo, inclusive, inviabilizar a permanência do inquilino.

Foi com base na crise gerada pela pandemia que, em 06 de janeiro, foi concedida liminar para arbitrar valor provisório de aluguel com a variação do IPC (4,86%).

Contudo, para alívio dos empreendedores, na última segunda-feira, a 33ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concedeu efeito suspensivo contra a decisão proferida em 1ª instância, mantendo o IGP-M.

Ao analisar o agravo de instrumento do shopping, o desembargador observou “presentes elementos que evidenciem a probabilidade do direito invocado e o perigo da demora”, nos termos do Código de Processo Civil e ponderou, ainda, que “o cumprimento da decisão antes do pronunciamento deste Egrégio Tribunal poderá causar à parte dano ou risco ao resultado útil do processo”.

“Não cabe ao Poder Judiciário, sem concordância do proprietário, suspender ou reduzir o valor da locação, já que se trata de relação particular”, afirma Anna Carolina Dias Esteves, advogada da Innocenti Advogados.

Além disso, nessa relação entre lojistas e shoppings, não foram apenas os primeiros que tiveram prejuízo com a pandemia de COVID-19.

“A situação pegou todos de surpresas e, assim como os lojistas, os shoppings também viram sua receita cair, faturando menos com aluguéis, merchandising e estacionamento, por exemplo. Por isso, não se pode dizer que os shoppings estejam apurando alguma vantagem em detrimento dos locatários. Estamos diante de um cenário em que todos perdem, embora a situação do lojista seja ainda mais delicada dado o forte aumento de uma de suas principais despesas”, afirma a especialista.

Fonte: Avocar Comunicação



Campanha eleitoral e as regras contra o abuso nas ruas e nas redes

Começou oficialmente a campanha para as Eleições 2022.


Seguro M&A como garantia em operações de Fusões e Aquisições

As operações de Fusões e Aquisições (Mergers and Acquisitions – M&A) multiplicaram-se significativamente nos últimos anos, tanto no plano internacional quanto no Brasil.


As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.