Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pensão alimentícia entre parentes: quem pode ser acionado judicialmente?

Pensão alimentícia entre parentes: quem pode ser acionado judicialmente?

16/03/2021 Rafael Baeta Mendonça

Em regra, cada indivíduo é responsável pelo seu próprio sustento.

Contudo, em situações excepcionais ocasionadas por uma enfermidade, deficiência ou pela própria imaturidade proveniente da idade, uma pessoa pode não conseguir prover as suas necessidades básicas por meio de seu próprio trabalho.

Aos unidos pelos laços de parentesco, sejam eles ascendentes, descendentes ou, ainda, irmãos, impõe-se o dever recíproco de socorro, em caso de impossibilidade de auto sustento.

Isso porque a Constituição da República consagrou o princípio da solidariedade familiar, que determina que aqueles provenientes de uma mesma entidade familiar devem ser solidários entre si, se assistindo mutuamente.

Contudo, é imprescindível observar-se a ordem de prioridade de chamamento à prestação alimentícia: em primeiro lugar os ascendentes – inicialmente, os pais, em seguida os avós, depois os bisavós, etc –, em segundo lugar os descendentes –primeiro os filhos, depois os netos, etc –, e em terceiro lugar os irmãos.

Portanto, apenas na ausência ou na impossibilidade do familiar mais próximo, os parentes de grau imediato serão chamados a concorrer com os devedores prioritários, na proporção dos respectivos recursos.

Nesse sentido, a obrigação alimentar dos avós em face dos netos tem caráter complementar e subsidiário à obrigação dos pais.

Ou seja, os avós somente serão obrigados a arcar com a pensão na hipótese de absoluta impossibilidade financeira dos genitores, seja porque estes estão desempregados, enfermos, ou na hipótese de o menor ser órfão.

Além disso, é importante destacar que todos os parentes da mesma classe devem ser chamados a contribuir com o pagamento da pensão.

Deste modo, se uma criança tem quatro avós vivos e um deles é demandado para lhe prestar pensão alimentícia, os outros três avós também devem ser acionados, para contribuir na proporção dos respectivos recursos financeiros.

Neste caso, quem ganha mais paga mais, quem ganha menos paga menos. Assim sendo, partindo-se das despesas comprovadas da criança, deverá ser verificado quanto cada avô deve contribuir a partir da comparação entre as possibilidades financeiras dos mesmos.

Quanto ao critério de aferição das necessidades daquele que recebe alimentos, a referência deve ser a situação socioeconômica de seus pais.

Logo, se os genitores de um menor possuem um padrão de vida de classe média e os avós são milionários, as necessidades da criança deverão ser estabelecidas conforme as necessidades de um menor de classe média.

Não existe obrigação jurídica de tios, sobrinhos ou primos prestarem alimentos entre si, visto que o ordenamento jurídico brasileiro limita a obrigação alimentar aos ascendentes, descendentes e irmãos.

Ademais, o vínculo existente entre madrasta/padrasto e enteado(a) não gera obrigação alimentar, assim como não há obrigação de sustento entre sogro(a) e genro/nora, ou entre cunhados.

Isso porque tais pessoas têm uma relação jurídica distinta do parentesco, denominada pelo Código Civil de vínculo de afinidade, que não constitui fundamento para a fixação de pensão alimentícia.

Por fim, pontue-se que, em qualquer caso, seja qual for a relação de parentesco, a pessoa somente pode ser demandada para pagar pensão alimentícia se puder fornecê-la, sem desfalque do necessário ao próprio sustento.

* Rafael Baeta Mendonça é advogado e professor de Direito de Família na Faculdade de Direito Milton Campos.

Para mais informações sobre pensão alimentícia clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.