Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Procura por testamentos e sucessão patrimonial dispara na pandemia

Procura por testamentos e sucessão patrimonial dispara na pandemia

19/03/2021 Divulgação

O avanço desenfreado da pandemia de coronavírus no Brasil fez o número de atos de transferências de bens disparar no Brasil.

Segundo dados do Colégio Notarial do Brasil – Seção Rio de Janeiro, somente no estado fluminense, foram mais de 10 mil solicitações no segundo semestre de 2020, 4,5 mil pedidos a mais do que no semestre anterior.

Na comparação com o mesmo período de 2019, o aumento é de 80,4%. Em Belo Horizonte, o crescimento no mesmo tipo de serviço foi de 53,78% no segundo semestre de 2020, em relação aos primeiros seis meses do ano.

O especialista em gestão de risco e planejamento financeiro Hilton Vieira explica que as incertezas provocadas pela pandemia levaram as pessoas a se preocuparem com a gestão e a sucessão de patrimônio.

“Geralmente, as pessoas se esforçam muito para construir um patrimônio com bens e aplicações financeiras que apresentem boa rentabilidade e liquidez. Entretanto, um dos pontos mais importantes no planejamento financeiro sempre foi deixado de lado, o planejamento sucessório. Mas isso está mudando por causa da pandemia”, avalia.

Quando uma pessoa morre, a família precisa lidar com inventário em um caro e burocrático procedimento judicial. É preciso dispor de dinheiro para o pagamento de impostos e advogados.

“Os dois maiores problemas para a conclusão de um inventário são as despesas envolvidas e as disputas judiciais entre os herdeiros. Quando os herdeiros não apresentam o montante necessário para a quitação, podem fazer uma solicitação ao juiz para que um dos bens seja disponibilizado para a venda. Nesse momento, muitas famílias passam a vender o patrimônio em um valor abaixo do mercado para quitar dívidas”, afirma Vieira.

O especialista explica que há várias formas de fazer a sucessão. Cada uma delas apresenta custos que, muitas vezes, podem consumir entre 10% e 20% do patrimônio.

Além da transferência de bens em vida, o mercado oferece opções como a previdência privada, testamento e holding, que permite uma excelente organização patrimonial, pois você já consegue efetuar a divisão das cotas no momento presente, mas também possui a incidência de impostos, e o seguro.

“Essa última opção é a mais vantajosa, pois é livre de ITCMD, é impenhorável e apresenta liquidez imediata, assim a família não precisa se desfazer de parte do seu patrimônio para dar prosseguimento ao processo de inventário”, afirma Vieira.

Antes de escolher a melhor opção para a sucessão, é preciso fazer contas. “Muita gente quer se prevenir e deixar a família protegida, mas é preciso ter em mente que o procedimento de transferência, holding e testamento requerem a aplicação imediata de recursos para pagamentos de impostos e despesas de cartório, dependendo da escolha. A previdência privada não entra no processo de inventário e traz alguma liquidez para a família conseguir iniciar o processo de transferência de bens, mas é preciso somar o montante adequado para iniciar o processo. O aporte de recursos é maior. Analisando os números, a opção menos onerosa é o seguro”, observa.

O seguro consegue trazer um montante de capital alto e de forma muito rápida, com o pagamento de uma fração do prêmio.

“Esse recurso poderá ser utilizado no pagamento do inventário e na manutenção do padrão de vida até que os bens sejam distribuídos”, finaliza.

Para mais informações sobre sucessão de patrimônio clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: AKM Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani