Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

17/05/2024 João Pedro Gonçalves de Sousa

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Não é novidade que sociedades especialistas em varejo vêm passando por algumas dificuldades, como a Magazine Luiza, Lojas Americanas em Recuperação Judicial, Grupo Ricardo Eletro, este último com Recuperação Judicial deferida e, inclusive, pedido de convolação em falência.

Recentemente, o Grupo Casas Bahia, também passando pelas intempéries do mercado, protocolou, pelo escritório Pinheiro Neto Advogados, pedido de homologação de recuperação extrajudicial, possuindo como foco a readequação do passivo financeiro, decorrente, principalmente, das emissões de debêntures e cédulas de crédito bancários, na monta de R$ 4.077.957.061,59 (quatro bilhões, setenta e sete milhões, novecentos e cinquenta e sete mil, sessenta e um reais e cinquenta e nove centavos), atualizado até a data de distribuição do pedido de homologação.

O período da pandemia e alta dos juros, somado com o rebaixamento da empresa no ranking da S&P Global Ratings e a desvalorizações de suas ações, foram alguns dos motivos apresentados pelo Grupo para fundamentar o requerimento de recuperação.

O pedido foi feito compreendendo, apenas, os créditos anteriormente citados, ou seja, não abarcando valores devidos aos fornecedores, trabalhadores e outros credores do Grupo.

A recuperação extrajudicial, a despeito de pouca utilizada, é uma forma interessante para viabilizar o diálogo da sociedade em crise com os seus credores, possibilitando a reestruturação da empresa e o equilíbrio de interesse de todos envolvidos.

De início, é importante ressaltar não há inclusão da expressão “em recuperação” no nome da sociedade nos registros públicos, o que possibilita a continuidade de investimentos e parcerias comerciais e uma menor quebra de confiança entre as partes.

Por outro lado, a grande vantagem da recuperação extrajudicial é a possibilidade, como fez o Grupo Casas Bahia, de negociar com apenas uma classe de credores, para qual serão definidas as novas condições de pagamento, o que poderá garantir um fôlego para a sociedade em crise.

Outra vantagem é a celeridade do processo, pois, pode ser aprovada sem a submissão ao Poder Judiciário, que é obrigatória, apenas, quando não há unanimidade na aprovação do plano de soerguimento extrajudicial. Nessa hipótese é necessário a aderência de mais da metade dos créditos abrangidos pelo plano.

Do ponto de vista da redução dos custos pela sociedade e em contraponto com a recuperação judicial, esse instituto, em regra, prescinde da presença do Administrador Judicial, evitando, assim, um controle externo e pagamento do auxiliar do juízo, que geralmente está em torno de 6% (seis por cento) da totalidade das dívidas.

Dessa forma, este procedimento, é uma grande alternativa para ser reaberto o diálogo entre os devedores e credores, buscando reestruturar a sociedade em crise.

Contudo, é sempre bom salientar que um advogado, neste momento, é essencial para verificar qual o melhor caminho para a restruturação seja efetiva.

* João Pedro Gonçalves de Sousa é mestrando em Direito Processual Civil pela UFMG e advogado no Suzana Cremasco Advocacia.

Para mais informações sobre recuperação extrajudicial clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X (antigo Twitter)

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação