Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Retrospectiva 2021: as principais mudanças ocorridas no Direito Securitário

Retrospectiva 2021: as principais mudanças ocorridas no Direito Securitário

30/12/2021 Anne Caroline Wendler

O ano de 2021 foi marcado por reformas regulatórias significativas no mercado securitário, que vieram consolidar o novo marco regulatório, que tem como característica a simplificação da regulação.

Simplificações como a utilização de meios remotos para anuências e maior liberdade contratual das partes, mediante a adoção de condições contratuais e não mais a utilização do clausulado padrão das condições especiais e particulares, trouxeram mais competitividade, transparência e inovação para o setor, indo ao encontro das expectativas dos segurados.

Só neste último ano, por exemplo, a produção normativa contou com 30 novas Circulares SUSEP e 23 Resoluções CNSP.

Dentre as alterações regulatórias, merecem destaque: a Circular nº 621/2021, que regula as regras e critérios para a operação das coberturas dos seguros de danos; a Circular nº 637/2021, que define regras de simplificação para os seguros do grupo responsabilidades; e a Circular nº. 639/2021 que dispõe sobre regras e critérios para a operação de seguros do grupo automóvel.

Entenda cada uma das novidades

A Circular nº 621/2021, que regula a operação das coberturas dos seguros de danos, excluiu a menção ao uso de condições especiais e particulares, para se referir somente às condições contratuais, dada a abertura da possibilidade da prévia discussão das condições entre as partes.

Sobre as condições contratuais, o segurado poderá contratar coberturas de ramos diversos em uma única apólice.

Por exemplo, poderá contratar cobertura tanto para sua residência como para o seu automóvel, mediante o desenvolvimento de produtos pelas seguradoras que permitam tal contratação de coberturas diversas.

Nesta mesma linha, a Circular nº 639/2021, que dispõe sobre a operação do seguro auto, trouxe como novidade a possibilidade do seguro automóvel ser contratado para garantia direta ao segurado, sem vinculação a um veículo específico.

Foi incluída também a flexibilização de abrangência da cobertura de acidentes pessoais de passageiros (APP) para que não se vincule a um veículo específico, mas sim ao segurado, independente de quem seja o proprietário, devendo tal disposição ser disposta de forma clara nas condições contratuais.

Por fim, a Circular nº 637/2021, ao dispor sobre os seguros do grupo responsabilidades, também trouxe alterações relevantes.

Conforme prevê a mencionada Circular, no seguro de responsabilidade civil, a sociedade seguradora garante o interesse do segurado, quando este for responsabilizado por danos causados a terceiros e obrigado a indenizá-los, a título de reparação, por decisão judicial ou decisão em juízo arbitral, ou por acordo com os terceiros prejudicados, mediante a anuência da sociedade seguradora, desde que atendidas as disposições do contrato.

Dentre as alterações trazidas por esta Circular, verifica-se a dispensa da necessidade prévia do trânsito em julgado da decisão para o pagamento de indenização pela seguradora.

Destaca-se, ainda, que além das decisões judiciais e arbitrais, a decisão administrativa do Poder Público também poderá ser utilizada para fundamentar pedido de pagamento do seguro.

A renovação do ordenamento regulatório da SUSEP, em especial, a simplificação da regulação, concederá maior liberdade e, portanto, maior responsabilidade para as seguradoras pelos produtos que desenvolvem e comercializam.

O que deverá demandar preparo para a adaptação e atendimento dos anseios e necessidades do segurado.

* Anne Caroline Wendler é advogada e sócia sênior do escritório Rücker Curi Advocacia e Consultoria. 

Para mais informações sobre mercado securitário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Literal Link Comunicação Integrada



Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação


Recuperação de crédito: uma pequena abordagem

A recuperação de crédito é um processo essencial dentro do contexto jurídico e econômico, sendo fundamental para a estabilidade financeira das empresas e o funcionamento saudável do mercado.

Autor: Feliph Murilo Lucio Marques


Inteligência Artificial x Advocacia Moderna: aliadas ou inimigas?

A chegada da inteligência artificial na atual sociedade é claramente notória, o que outrora era especulação hoje é uma ferramenta encontrada comumente em nosso cotidiano.

Autor: Giovanna Matos de Castro e Souza


Entenda quais as proteções garantidas ao trabalhador acidentado

A quantidade de acidentes de trabalho no Brasil mantém o sinal de alerta ligado para empregados e empresas contratantes.

Autor: Sofia Martins Martorelli


A Lei de Serviços Digitais e seu impacto nas futuras leis digitais do Brasil

O Brasil já tem debatido intensamente sobre como regular conteúdo online, especialmente em relação à desinformação.

Autor: Alexander Coelho


A extinção do Perse é inconstitucional

A extinção do Perse por meio da Medida Provisória n.1202/23 é inconstitucional e afronta o princípio da segurança jurídica.

Autor: Dr. Arcênio Rodrigues da Silva


Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano