Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Retrospectiva 2021: as principais mudanças ocorridas no Direito Securitário

Retrospectiva 2021: as principais mudanças ocorridas no Direito Securitário

30/12/2021 Anne Caroline Wendler

O ano de 2021 foi marcado por reformas regulatórias significativas no mercado securitário, que vieram consolidar o novo marco regulatório, que tem como característica a simplificação da regulação.

Simplificações como a utilização de meios remotos para anuências e maior liberdade contratual das partes, mediante a adoção de condições contratuais e não mais a utilização do clausulado padrão das condições especiais e particulares, trouxeram mais competitividade, transparência e inovação para o setor, indo ao encontro das expectativas dos segurados.

Só neste último ano, por exemplo, a produção normativa contou com 30 novas Circulares SUSEP e 23 Resoluções CNSP.

Dentre as alterações regulatórias, merecem destaque: a Circular nº 621/2021, que regula as regras e critérios para a operação das coberturas dos seguros de danos; a Circular nº 637/2021, que define regras de simplificação para os seguros do grupo responsabilidades; e a Circular nº. 639/2021 que dispõe sobre regras e critérios para a operação de seguros do grupo automóvel.

Entenda cada uma das novidades

A Circular nº 621/2021, que regula a operação das coberturas dos seguros de danos, excluiu a menção ao uso de condições especiais e particulares, para se referir somente às condições contratuais, dada a abertura da possibilidade da prévia discussão das condições entre as partes.

Sobre as condições contratuais, o segurado poderá contratar coberturas de ramos diversos em uma única apólice.

Por exemplo, poderá contratar cobertura tanto para sua residência como para o seu automóvel, mediante o desenvolvimento de produtos pelas seguradoras que permitam tal contratação de coberturas diversas.

Nesta mesma linha, a Circular nº 639/2021, que dispõe sobre a operação do seguro auto, trouxe como novidade a possibilidade do seguro automóvel ser contratado para garantia direta ao segurado, sem vinculação a um veículo específico.

Foi incluída também a flexibilização de abrangência da cobertura de acidentes pessoais de passageiros (APP) para que não se vincule a um veículo específico, mas sim ao segurado, independente de quem seja o proprietário, devendo tal disposição ser disposta de forma clara nas condições contratuais.

Por fim, a Circular nº 637/2021, ao dispor sobre os seguros do grupo responsabilidades, também trouxe alterações relevantes.

Conforme prevê a mencionada Circular, no seguro de responsabilidade civil, a sociedade seguradora garante o interesse do segurado, quando este for responsabilizado por danos causados a terceiros e obrigado a indenizá-los, a título de reparação, por decisão judicial ou decisão em juízo arbitral, ou por acordo com os terceiros prejudicados, mediante a anuência da sociedade seguradora, desde que atendidas as disposições do contrato.

Dentre as alterações trazidas por esta Circular, verifica-se a dispensa da necessidade prévia do trânsito em julgado da decisão para o pagamento de indenização pela seguradora.

Destaca-se, ainda, que além das decisões judiciais e arbitrais, a decisão administrativa do Poder Público também poderá ser utilizada para fundamentar pedido de pagamento do seguro.

A renovação do ordenamento regulatório da SUSEP, em especial, a simplificação da regulação, concederá maior liberdade e, portanto, maior responsabilidade para as seguradoras pelos produtos que desenvolvem e comercializam.

O que deverá demandar preparo para a adaptação e atendimento dos anseios e necessidades do segurado.

* Anne Caroline Wendler é advogada e sócia sênior do escritório Rücker Curi Advocacia e Consultoria. 

Para mais informações sobre mercado securitário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Literal Link Comunicação Integrada



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.