Portal O Debate
Grupo WhatsApp

SAF e o potencial de um novo mercado no Brasil

SAF e o potencial de um novo mercado no Brasil

09/11/2022 Daiane de Oliveira

Com a aprovação da nova lei da Sociedade Anônima de Futebol (SAF), apresentada pelo então senador, Rodrigo Pacheco, ao menos oito clubes brasileiros adotaram a modelagem empresarial e migraram para o novo modelo que compõe a gestão do futebol.

A venda do Cruzeiro Futebol Clube, inaugurou a regência da lei que estimula clubes de futebol a adotarem uma estruturação empresarial de sociedade, incentivando o fim da modelagem de associação civil sem fins lucrativos às agremiações futebolísticas.

A ilusão do texto legislativo, entrega às diretorias dos clubes brasileiros uma falsa percepção de glória institucional instantânea, ou seja, de que a adoção da nova modelagem organizacional empresarial funcionará como uma conquista na diversificação de suas fontes financeiras a partir do momento de sua estruturação (da cisão, alteração societária (cisão, fundação, conversão).

Contudo, a postura a ser praticada pelos clubes que, ante o rigor das circunstâncias, necessitam de um respiro financeiro – cenário experimentado por mais de um terço dos times brasileiro de futebol, desde as baixas séries até os campeões de torcidas – e que depositam esperanças na conjectura do novo modelo societário, é a avaliação precisa e crítica da composição desportiva, orçamentária e organizacional da agremiação.

Por outro lado, não podemos desprezar o fato de que, a institucionalização da SAF em clubes da série B, por exemplo, até o momento, representa uma oportunidade para manutenção e exercício das atividades desenvolvidas pelas agremiações constituídas pelo clube-empresa, sobretudo em relação a evidência de novos investidores, o interesse dos torcedores ante a participação da gestão dos times futebolísticos e a adoção de melhores práticas de competência técnica aprimorada em relação a administração do clube, inerentes às definições exigidas pela lei. Ou seja, um cenário, até aqui, favorável, considerando os dados divulgados pelos clubes.

A questão que impera é: se o sentimentalismo, a cultura do futebol e a identidade de time para com os seus torcedores irá permanecer, já que a modelagem do clube empresa urge para fomentar um sistema que sustenta a relação comercial entre os investidores (cartolas, financiadores, empresários), investido (o corpo da SAF) e quem viabiliza o investimento (clubes). Notadamente, nesse contexto, é previsível a ascensão de um novo mercado de valores: o do futebol.

O Estado, ao estruturar a lei, acredita ser a melhor alternativa a ser preferida pelos clubes de futebol, reagindo positivamente ao conteúdo elaborado pelo legislativo que cria um novo sistema de futebol brasileiro ante a capitalização de recursos e proposta de governança.

Todavia, assim como todo projeto efetivamente sistematizado (se assim podemos chamar a lei 14.193/21), os efeitos da institucionalização da SAF aos clubes que implementaram o instituto, ainda sub explorado, só poderão ser medidos daqui há alguns anos após a apuração de dados de resultado.

Subjetivamente, somente os atos e medidas dos clubes poderão dizer, por si só, o sucesso na gestão da entidade, vez que, a obtenção de bons resultados, sejam desportivos ou financeiros, estão intrinsicamente ligados a boa administração dos cartolas, que jamais poderá ser tratada como a fonte idealizadora da renovação dos clubes centenários e ampliação de suas receitas.

* Daiane de Oliveira é especialista em Direito Desportivo e coordenadora da área no escritório Mariano Santana Advogados.

Para mais informações sobre SAF clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação