Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A relação entre o desemprego e a educação

A relação entre o desemprego e a educação

13/07/2023 Thiago Freitas

A falta de educação adequada e o desemprego protagonizam uma relação direta no quesito empregabilidade no país.

A relação entre o desemprego e a educação

Para melhor entendimento, quanto maior o nível de educação, melhores são as oportunidades de emprego e renda, enquanto que a falta de educação formal, ou níveis muito baixos, pode levar ao desemprego e condições de vida precárias. A população mais pobre é especialmente enquadrada nessa dinâmica, enfrentando dificuldades adicionais para encontrar emprego e melhorar sua condição socioeconômica.

O desemprego é um desafio social e econômico enfrentado por muitos países em todo o mundo. Muitas variáveis influenciam nas taxas de desemprego, e a educação é uma delas. A qualidade e o nível de educação de uma população têm um impacto significativo no mercado de trabalho, afetando diretamente as oportunidades de emprego e as perspectivas favoráveis.

Os indivíduos com maior educação formal têm mais probabilidade de adquirir habilidades e conhecimentos específicos que são valorizados no mercado de trabalho. Essas habilidades aprimoradas aumentam suas chances de encontrar emprego e, geralmente, receber salários mais elevados.

Nesse quesito salário, porém, a renda média dos brasileiros é significativamente inferior à renda média mundial. De acordo com dados do Banco Mundial, a renda média per capita no Brasil em 2020 foi de cerca de US$ 8.650. Essa renda é considerada baixa em comparação com a média mundial, que foi de aproximadamente US$ 11.570. Por outro lado, é importante ressaltar que a renda média varia consideravelmente de um país para outro e depende de vários fatores, como o nível de desenvolvimento econômico, a estrutura do mercado de trabalho e a distribuição de renda em cada país.

O Brasil segue muito atrás em modelos que visam mitigar o desemprego sustentado no pilar da educação. Por exemplo, países como Alemanha, Suíça e Holanda, que têm sistemas de educação e treinamento voltados para o desenvolvimento de habilidades práticas e técnicas, geralmente apresentam taxas de desemprego mais baixas. Esses países enfatizam a formação profissionalizante, que prepara os estudantes para atender às necessidades específicas do mercado de trabalho e ajuda a reduzir a lacuna entre a educação e o emprego.

De acordo com um levantamento publicado no ano passado, houve um aumento expressivo de pessoas sem trabalho de longo prazo das classes D e E, elevando ainda mais a desigualdade no Brasil. Entre 2015 e 2021, o número de indivíduos desempregados há mais de dois anos nas classes D e E cresceu 173%; na C, 86%; e na B, 53%; enquanto que na classe A houve queda de 37%.

Os números endossam a realidade da população em níveis extremos de pobreza, que enfrentam taxas de desemprego mais altas e têm menos oportunidades de melhorar suas condições de vida. O desemprego pode levar a uma série de problemas sociais e psicológicos, que, além da condição precária persistente, a falta de acesso a serviços básicos, marginalização e exclusão social. Esses efeitos negativos criaram um ciclo vicioso, dificultando ainda mais uma ascensão econômica.

Nesse contexto, porém, existem medidas assertivas para enfrentar o desemprego, sendo o investimento em educação e capacitação a principal delas. Como modelo de sucesso em outros países, deve-se priorizar a educação de qualidade em todos os níveis e garantir que ela esteja alinhada com as demandas do mercado de trabalho.

Além disso, outras medidas governamentais como incentivo ao empreendedorismo, com o objetivo de promover políticas e programas que incentivem a criação e o crescimento de pequenas e médias empresas; estímulo a setores estratégicos, como tecnologia, energias renováveis, agronegócio, indústria criativa e turismo; políticas de fomento ao emprego, como incentivos fiscais para empresas que contratem trabalhadores desempregados – especialmente pessoas em situação de vulnerabilidade; programas de qualificação profissional, criando programas de qualificação profissional acessíveis para as necessidades do mercado de trabalho; entre outros.

É importante ressaltar que o combate ao desemprego requer uma abordagem abrangente e coordenada do governo, do setor privado e das instituições de ensino. A sociedade civil, especialmente os desempregados, enquadram-se nesse processo como beneficiários dessas ações. No entanto, essas pessoas devem buscar uma (re)qualificação acadêmica como ferramenta inicial e principal para alcance de empregabilidade.

* Thiago Freitas é sócio e co-fundador do EJA Brasil EAD.

Para mais informações sobre desemprego clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Vervi Assessoria



Robótica nas escolas transforma o aprendizado

No contexto educacional, a robótica tem a capacidade de revolucionar a maneira como os estudantes aprendem e interagem com a tecnologia.

Autor: Divulgação

Robótica nas escolas transforma o aprendizado

CEFET-MG oferece mais de 600 vagas de graduação para cinco cidades

Podem participar os candidatos que concluíram o Ensino Médio ou equivalente, que realizaram uma das três últimas edições do Enem.

Autor: Divulgação


Ecofuturo lança e-book de Educação e Natureza

A publicação marca a conclusão do ciclo de 2023 do programa Meu Ambiente.

Autor: Divulgação

Ecofuturo lança e-book de Educação e Natureza

Estratégias práticas para o desenvolvimento infantil

O desenvolvimento infantil é um processo repleto de marcos importantes que influenciam a aprendizagem e o futuro das crianças.

Autor: Luciana Brites

Estratégias práticas para o desenvolvimento infantil

Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar