Portal O Debate
Grupo WhatsApp


EAD: sim ou não?

EAD: sim ou não?

22/04/2019 Carlos Longo

A Educação a Distância cresce a passos largos no Brasil.

EAD: sim ou não?

Em 2004, havia 60 mil estudantes matriculados nessa modalidade de ensino. Em 2016, a modalidade disparou, atingindo um total de 1,5 milhão de matriculados. Mesmo com a crise política e econômica dos últimos anos, dados da Abed mostram que a modalidade a distância foi a única que apresentou crescimento de matrículas no Brasil e, hoje, são  1,8 milhão de alunos. O número de polos cresceu ainda mais: do final de 2017 para cá, passou de 6 mil para mais de 15 mil em todo o Brasil.

A expansão não só possibilita uma modernização e flexibilização do ensino, como levar a educação a um maior número de pessoas em diversas regiões do país. Esse crescimento no número de alunos de EAD no Ensino Superior tem forte poder de transformação social, pois envolve pessoas que dificilmente poderiam cursar o Ensino Superior presencial. Além disso, por alcançar com mais facilidade diferentes regiões do país, oferece a oportunidade de qualificação para uma população que vive em cidades menores, o que por si só é muito importante, pois favorece um desenvolvimento mais homogêneo do país.

Porém, analisar apenas o crescimento dos números do EAD não é suficiente. Inúmeros estudos mostram que a Educação Superior a distância, apesar de ter grande potencial de oferta, só é benéfica se tiver qualidade. A maioria dos países do mundo tem procedimentos de acreditação acoplados a indicadores de qualidade, de maneira geral controlados pelos ministérios da Educação ou agências ligadas ao poder público, tais como o Chea dos Estados Unidos, o Acode da Austrália, o esforço do Instituto Latinoamericano y del Caribe de Calidad en Educación Superior a Distancia (Caled), e a European Association of Distance Teaching Universities (EATU). Porém, enquanto as inovações educacionais viajam a jato, os procedimentos regulatórios do EAD andam à pé.

Direito, enfermagem, odontologia e psicologia a distância, inclusive em instituições credenciadas, dependem da manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) ou do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e eles são contrários. Ora, não é possível ser habilitado a exercer profissões tão complexas sem a prática e a troca de experiências em sala de aula.

Para isso existe o ensino híbrido,  que reúne o melhor dos dois mundos: a praticidade, capilaridade e economia de tempo e dinheiro do EAD, com a interatividade, convivência e experiência do presencial. Assim, ações de aprendizagem mais básicas, realizadas por meio transmissão de conhecimento pelo professor, como lembrar e entender, podem ser realizadas individualmente pelos alunos, por meio dos conteúdos didáticos disponibilizados no Ambiente Virtual de Aprendizagem. Já as ações de aprendizagem tidas como intermediárias, como aplicar e analisar, podem ocorrer em situações práticas, com atividades ativas, análise de cenários e situações, fóruns de discussões e interação - que podem ser presencial ou virtual.

Por outro lado, ações de aprendizagem mais complexas e elaboradas, como avaliar e criar, devem ser desenvolvidas em aulas presenciais, em que professores propõem atividades que demandam níveis mais elevados de ações cognitivas. Essas aulas são fundamentais para que os alunos desenvolvam a capacidade de analisar, criticar, planejar e produzir.

Em suma, a Educação Híbrida - ou semipresencial, como chamamos no Brasil - precisa não apenas de tecnologia, mas de recursos pedagógicos eficazes e projetos de aula bem estruturados para que o estudante aproveite 100% do aprendizado. No Brasil, o Híbrido já é realidade - e o crescimento não deve parar nos próximos anos. Por isso, a fiscalização da qualidade desses cursos deve ser feita não apenas pelos órgãos de classe, mas por todos nós, se quisermos evoluir.

* Carlos Longo é diretor da Associação Brasileira de Ensino a Distância e pró-reitor acadêmico da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



4 tendências para se adaptar e ensinar melhor online

Especialista esclarece estratégias para melhorar a experiência de lecionar no ambiente virtual.

4 tendências para se adaptar e ensinar melhor online

Preparatório oferece cursos gratuitos para pessoas em vulnerabilidade social

Escola de preparação para concursos públicos disponibiliza mais de 19.000 cursos online.


Curso gratuito prepara estudantes de todo o país para o Enem

Uninter oferece 345 aulas gravadas e 55 aulas inéditas.

Curso gratuito prepara estudantes de todo o país para o Enem

Sisu abre inscrições para mais de 51 mil vagas em instituições do país

Segundo cronograma divulgado pelo Mec, o resultado do Sisu será divulgado no dia 14 de julho.

Sisu abre inscrições para mais de 51 mil vagas em instituições do país

Educação no isolamento social se torna oportunidade de aprendizado para qualquer idade

As aulas on-line das crianças têm requisitado uma maior participação dos familiares.

Educação no isolamento social se torna oportunidade de aprendizado para qualquer idade

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

Orientar de modo equivocado pode causar estragos na aprendizagem.

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

Cronograma das atividades deve ser orientado pelo governo local.

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

A vida depois da graduação

O resultado esperado é um aprofundamento de carreira dentro de uma profissão.

A vida depois da graduação

Educação, pandemia e juventude

Hoje proponho uma reflexão acerca dos rumos que estamos dando à educação no Brasil e o que, de fato, desejamos de nossa atual juventude em sua maturidade.


Ensino remoto: a nova via da educação superior

É bastante improvável que a educação tradicional e presencial retorne antes de 2021.


A herança da pandemia na educação

A esta altura da pandemia, já se sabe que ela vai deixar, além da crise econômica que todos estamos vivendo, uma herança baseada em mudanças de hábitos e no uso mais intenso da tecnologia.


A pedra no sapato do Ensino Superior brasileiro

Mais da metade dos que ingressam nas universidades trocam de turma, curso ou instituição, ou abandonam os estudos.

A pedra no sapato do Ensino Superior brasileiro