Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O preço da desigualdade

O preço da desigualdade

25/12/2023 Daniel Medeiros

Saiu mais um resultado do Pisa, o exame que avalia o desempenho de jovens de 15 anos em 80 países.

O preço da desigualdade

Desde a primeira edição em que participamos, em 2000, ele tem ido como um tapa na cara periódico na nossa incapacidade de elevar o nível de escolarização dos nossos jovens. Ficamos entre os 20 piores países em Matemática e Ciências, e entre os 30 piores em Leitura. Ou seja, a maioria dos jovens brasileiros não sabe calcular o percentual de probabilidade de um fato ocorrer; não sabe como as vacinas funcionam (e se funcionam), e não saberão identificar as ideias principais deste texto. É um desastre que só não foi pior no último período de avaliação (2018 a 2022) graças à ação de alguns prefeitos e governadores que compreenderam a necessidade urgente e permanente de compensar, na escola, a desigualdade que a História provocou e que a pandemia agravou ainda mais.

A publicação dos resultados do Pisa funciona também como um gatilho para as acusações ideológicas de sempre, envolvendo a educação “Paulo Freire”, o “agora faz o L”, e as “estultices” do gênero. Tudo isso ocorre sem saber - porque não são só os jovens que não têm noção de Matemática - que o único período em que tivemos uma melhora nos resultados do Pisa em Matemática foi entre 2003 e 2012. Mas, mesmo assim, tudo ficou bem longe de ser o bastante. Como disse, a questão não é ideológica, como se a eficácia no aprendizado dependesse de um método “de direita” ou “de esquerda”; também não é um problema de competência dos professores, embora a precariedade da formação docente é uma bomba-relógio de efeito catastrófico no médio prazo. A questão principal reside em como superar a desigualdade estrutural que afasta crianças dos livros, da tecnologia, da cultura global, da alimentação de qualidade, do tempo de estudo de oito horas diárias, das aulas de reforço, do aprendizado da língua inglesa, do estudo paciente, persistente e profundo da Matemática e das Ciências, da leitura de jornais, revistas científicas e da literatura, incluindo muita literatura. Como afastar as crianças dos afazeres domésticos extenuantes e do trabalho precoce, e como aproximá-las da arte, da música, do cinema, do teatro e da filosofia. Essas são condições sem as quais as exigências de conhecimento situado exigidas nas avaliações do Pisa produzirão sempre resultados pífios, demonstrativo de como conseguimos, geração após geração, contaminar de maneira indelével o solo tão fértil da Nação, produzindo desertos sem fim.

A solução para o governo federal é buscar seguir os bons exemplos. O atual governo pareceu entender essa lógica ao trazer o governador do Ceará para o Ministério da Educação. Esses bons exemplos precisam ser estudados e replicados, com alocação de recursos e investimento na formação de pessoal qualificado. Além disso, é fundamental direcionar o foco para o efetivo aprendizado dos jovens, dando a eles ferramentas, tempo, alimentação, afeto e espaço adequados para que possam prosperar em suas potencialidades.

Quando o Pisa revela que apenas 1% dos jovens brasileiros está no topo da pirâmide do aprendizado em Matemática, enquanto 43% dos jovens de Singapura ocupam essa posição, entendemos o tamanho da estrada a ser percorrida. Países sem uma grande tradição e com recursos limitados, como a Irlanda ou a pequenina Estônia, têm conseguido resultados extraordinários com mudanças nas posturas governamentais. Eles transformaram os esforços para educar os jovens em políticas de Estado, para além das acusações patéticas e infrutíferas (além de mentirosas) sobre nossas universidades públicas, pesquisadores e docentes. O foco desses países está na criação de um legado do qual, um dia, enfim, possamos nos orgulhar. 0

Como já disse o poeta, “a lição, nós sabemos decor. Agora só falta aprender.”

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Para mais informações sobre desigualdade clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Central Press



Robótica nas escolas transforma o aprendizado

No contexto educacional, a robótica tem a capacidade de revolucionar a maneira como os estudantes aprendem e interagem com a tecnologia.

Autor: Divulgação

Robótica nas escolas transforma o aprendizado

CEFET-MG oferece mais de 600 vagas de graduação para cinco cidades

Podem participar os candidatos que concluíram o Ensino Médio ou equivalente, que realizaram uma das três últimas edições do Enem.

Autor: Divulgação


Ecofuturo lança e-book de Educação e Natureza

A publicação marca a conclusão do ciclo de 2023 do programa Meu Ambiente.

Autor: Divulgação

Ecofuturo lança e-book de Educação e Natureza

Estratégias práticas para o desenvolvimento infantil

O desenvolvimento infantil é um processo repleto de marcos importantes que influenciam a aprendizagem e o futuro das crianças.

Autor: Luciana Brites

Estratégias práticas para o desenvolvimento infantil

Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar