Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Economia de Energia Elétrica em Fazendas Leiteiras (1/4)

Economia de Energia Elétrica em Fazendas Leiteiras (1/4)

01/05/2010 Eduardo Carvalhaes Nobre

Durante vários anos tive oportunidade de ministrar treinamentos a centenas de profissionais de diversos ramos de atividade. Em todos estes eventos percebia que as pessoas tinham uma imensa boa vontade em aprender a economizar energia elétrica.

Entretanto, nunca faziam o "dever de casa" com resultados razoáveis. Muitas vezes por desconhecimento técnico outras, por acharem que em casa, no trabalho ou na propriedade rural não existia possibilidade de reduzir as despesas com a fatura de energia.

No decorrer do treinamento ensinava as estas pessoas que economizar energia não era um "bicho de sete cabeças" e sim um método de identificação, avaliação e ação, contínuo e persistente, que deve fazer parte do dia-a-dia de todos nós.

Em certa ocasião, realizando uma consultoria em uma fazenda produtora de leite, o gerente informou que ali não havia desperdício e que “ele mesmo tinha controle de tudo e de todos". Era mais uma pessoa relutante a novos métodos de gestão e que não admitia que em qualquer setor da atividade produtiva existe desperdício.

Na hora, sem ter argumentos mais convincentes tracei a seguinte estratégia: propus ao gerente que toda economia que nós obtivéssemos a partir daquela data, até o fim do ano fosse revertida na compra de um carro zero quilometro, que seria sorteado entre seus empregados na festa de Natal.

Ele, obviamente espantado, começou a perceber com o desenrolar da conversa que o desperdício existe em qualquer lugar e que precisa ser identificado e os resultados podem ser significativos podendo representar um ganho para todos.

Este fato mostra as seguintes verdades: as pessoas não sabem mensurar (e não é por culpa delas!) o quanto de energia que se pode economizar e acreditam que em suas propriedades não existe desperdício de energia elétrica, ou de outro insumo qualquer.

Todos nós somos muito imediatistas, porque pensamos sempre nos ganhos e despesas do mês e não fazemos o cálculo anual.

Estas dificuldades, técnicas ou gerenciais, podem ser contornadas. É só entender que energia elétrica é um insumo caro, finito e perfeitamente gerenciável. Basta que todos abram suas mentes e descubram um novo mundo: a geração de recursos a partir do desperdício.

Para ajudá-lo neste descobrimento este artigo vai orientá-lo como obter resultados expressivos de redução de despesas com energia elétrica.

Ler o medidor é fundamental

Existe uma máxima na gestão energética que diz: quem não mede não gerencia. Isto é um fato. Para gerenciar qualquer negócio temos que ter números, saber lidar com eles. É importante transformar números em informações úteis para que possamos avaliar se nossas ações estão sendo eficazes.

Em linhas gerais temos que aprender a obter estes números da maneira mais fácil possível. Não adianta termos sistemas de monitoramento de energia de última geração, se não sabemos interpretar as informações obtidas. É melhor fazer leituras corretas do seu medidor de energia, anotá-las a lápis, em papel de pão, do que ter a mais alta tecnologia de medição sem saber como usá-la.

Isto porque para avaliar o desperdício não é necessário ser um grande matemático e sim um bom observador.

Vamos começar pelo medidor de energia elétrica, mais conhecido como “relógio de luz”. O modelo mais comum de se encontrar é o que possui quatro ou cinco mostradores de ponteiros, que giram uns no sentido horário, e outros no sentido anti-horário, conforme as setas indicativas.

 As leituras devem ser feitas sempre no sentido do menor para o maior algarismo e do mostrador da esquerda para o mostrador da direita, considerando-se que você está de frente para o medidor.

Na Figura 1, a leitura do medidor em 10/06/2001 é 3366. Veja que no 1° número o ponteiro está entre os números 3 e 4. Considere sempre o menor valor, ou seja, o número 3. O mesmo raciocínio deve ser feito para os demais ponteiros: quando o ponteiro estiver entre 2 números considere sempre o menor número.

Agora leia as informações de consumo da segunda leitura.

Para calcular o consumo de energia entre as duas datas faça a seguinte conta:

Consumo de energia medido = Consumo do dia 10/06/2001 – Consumo do dia 10/05/2001

O resultado é:

Consumo = 3860 kWh – 3366 kWh = 494 kWh

Este valor pode ser influenciado pela quantidade e potência dos equipamentos que você tem em sua propriedade, o tempo de uso por dia, a época do ano, sua produção, etc.

O medidor de energia registra o consumo em determinado período de leitura que é a quantidade de dias que uma concessionária faz uma leitura e pode variar de acordo com o planejamento de cada empresa. Em média este período de leitura varia entre 28 a 32 dias.

Na Figura 1 o período de leitura é de 30 dias por isto falamos que este medidor registrou o consumo de 494 kWh por mês. O certo seria considerar 494 kWh pelo período de leitura. Se o período de leitura de uma fatura for de 28 dias então o consumo de energia é igual a 494 kWh por 28 dias e deve ser escrito assim: 494 kWh/28 dias. Este período de leitura vem escrito na fatura e pode ser visto no box “Datas de Leitura”, campos Anterior e Atual.

Outro importante conceito é o índice de controle que chamamos de “Consumo Específico” que pode ser definido como a relação entre o consumo de um determinado equipamento ou de uma instalação por determinados parâmetros que podem ser: produção de leite no período, quantidade de pessoas que trabalham na propriedade, quantidade de dias de produção, etc.

A utilização deste índice de controle determina se você esta economizando energia elétrica ou não. Se de um mês para outro este valor diminui você está economizando energia, se aumenta está havendo aumento de consumo ou desperdício.

Veja este exemplo:

•  A leitura realizada no mês passado foi de 494 kWh/28 dias. O cálculo do consumo específico é 17,6 kWh/dia (é só dividir 494 por 28);

•  A leitura realizada neste mês foi de 463 kWh/28 dias. O cálculo do consumo específico é 16,5 kWh/dia;

•  Logo houve economia de energia neste mês porque o consumo específico foi menor porque houve uma diminuição do consumo no mesmo período de tempo.

Não considere o valor do consumo mensal (kWh/mês) ou o valor pago (R$) no mês para verificar se você está economizando. Se houver aumento da produção ou a tarifa de energia elétrica tiver um reajuste vai mascarar todo o seu controle. Faça os cálculos considerando o consumo específico para avaliar os resultados. 

Aprenda a calcular o consumo de cada equipamento

Todo equipamento elétrico possui uma potência que normalmente está apresentada em Watts cujo símbolo é W. Esta informação vem estampada no produto ou na embalagem.

Para calcular o consumo de um equipamento elétrico você necessita desta potência e do tempo de funcionamento do equipamento.

Depois é só fazer este cálculo: Consumo = Potência x Tempo

Veja este exemplo: um determinado equipamento tem a potência de 200 W e trabalha 15 horas por dia, durante o período de 32 dias.

Consumo = 200 W x 15 h/dia x 32 dias = 90.000 Wh/32 dias.

Aqui temos que fazer uma pequena conta que é transformar Wh (Watts hora) em kWh (quilo Watts hora). É só dividir o resultado por 1000, similar ao cálculo que fazemos quando queremos transformar 1 km que é igual a 1000 metros ou 1 kg que é igual a 1000 gramas.

No nosso exemplo, a geladeira consome 90.000 Wh/32 dias que é equivalente a 90 kWh/32 dias.

Este é o consumo de um equipamento elétrico em um determinado período de tempo.

A aritmética do desperdício de energia

Para economizar energia você tem que reduzir o consumo dos equipamentos elétricos porque o medidor de energia registra esta grandeza. Lembra-se do cálculo Consumo = Potência x Tempo?

Desta forma, você têm dois caminhos: ou reduz a Potência do equipamento ou o seu Tempo de funcionamento.

Para reduzir a potência você tem que verificar se os seus equipamentos estão corretamente dimensionados. Se estiverem superdimensionados, com valores acima do necessário, você estará desperdiçando energia. Neste caso você necessita de um especialista para determinar o equipamento correto.

Se o equipamento está correto, porém, você o deixa ligado desnecessariamente ocorrerá também o desperdício de energia.

Desta forma, a correta especificação de uma máquina, aliada ao seu tempo de funcionamento é que vai determinar a quantidade de energia gasta em sua propriedade.

Imagine uma picadeira, que precisa de um motor de 3 CV, trabalhando com um de 5 CV?

Avaliando sobre outra ótica, reduzir a potência de um equipamento é uma ação tecnológica. Reduzir o seu tempo de funcionamento é uma ação de gestão.

Ações tecnológicas muitas vezes requerem investimentos. Para trocar um motor, por outro mais moderno, ou para trocar lâmpadas de alta potência por de menor potência com alta luminosidade, é necessário investir.

Aqui vai uma orientação: equipamentos elétricos não devem ser adquiridos pelo seu custo inicial e sim por este valor, acrescido da quantidade de energia elétrica que ele vai consumir durante sua vida útil.

Veja neste exemplo: uma geladeira com Selo Procel Classe “A” custa R$1.500,00 e consume 26,9 kWh por mês e outra, modelo Classe “E” custa R$1.300,00 porém consome 63,7 kWh por mês. Veja que a geladeira Classe “A” consome menos da metade da energia consumida pela geladeira Classe “E”. 

Quando for adquirir eletrodomésticos ou outros equipamentos escolha os que têm o Selo Procel (Figura 2). Este Selo é concedido anualmente aos produtos que apresentam os melhores índices de eficiência energética dentro das suas categorias.  Conheça a relação completa dos equipamentos que tem esta garantia no site da Eletrobras no endereço do Procel.

Lembre-se, que se você não levar em consideração a quantidade de energia que um aparelho consome em determinado período de tempo, você pode economizar na hora da compra porém, com certeza, vai gastar muito mais em energia elétrica durante anos e anos.

Por isto, dizemos que na aritmética do desperdício temos que pensar em dimensionar os equipamentos elétricos corretamente e usá-los no tempo estritamente necessário.

E se pudermos reduzir a potência do equipamento, ao mesmo tempo reduzir o seu tempo de uso?

Neste caso estaremos reduzindo ainda mais o seu consumo e, conseqüentemente o gasto com energia elétrica. Vire a chave do chuveiro elétrico da posição inverno para verão e você vai reduzir sua potência em 30%. Se você reduzir o tempo de banho você vai economizar ainda mais. 

Continua...

 * Eduardo Carvalhaes Nobre é Engº Eletricista e diretor da Eficiência Máxima Consultoria – Soluções para Redução de Custos



Cemig abre chamada pública de “Eficiência Energética 2021”

Serão disponibilizados R$ 140 milhões para substituição de equipamentos e instalação de fontes incentivadas.

Cemig abre chamada pública de “Eficiência Energética 2021”

Minas isenta tributos para importação de equipamentos de energia solar e eólica

A medida garante aos projetos instalados em território mineiro acesso a bons fornecedores de componentes.

Minas isenta tributos para importação de equipamentos de energia solar e eólica

Usinas solares de grande porte atingem 4 GW e R$ 21,3 bilhões de investimentos no Brasil

Desde 2012, os empreendimentos fotovoltaicos geraram mais de 120 mil empregos acumulados e equivalem hoje a 2,2% da matriz elétrica no País,

Usinas solares de grande porte atingem 4 GW e R$ 21,3 bilhões de investimentos no Brasil

Inteligência Artificial: um novo patamar para o gerenciamento de energia

Gerenciamento de energia, eficiência energética, redução de custos, maior produtividade....

Inteligência Artificial: um novo patamar para o gerenciamento de energia

Risco de apagão. Mais um desafio

O Brasil vive, no ano de 2021, a maior seca em mais de 100 anos.

Risco de apagão. Mais um desafio

O futuro da independência energética

A possibilidade de gerar energia própria em nossas casas, escritórios, hotéis e hospitais é algo bastante atraente do ponto de vista econômico e ambiental.

O futuro da independência energética

Horário de verão não resulta em economia de energia, aponta estudo do MME

Medidas adotadas são suficientes para os períodos seco e úmido

Horário de verão não resulta em economia de energia, aponta estudo do MME

Eficiência Energética em Ferrovias

O setor ferroviário brasileiro, representado por sua indústria e pelas concessionárias de transporte de passageiros e de carga, encontra-se em permanente desenvolvimento tecnológico.

Eficiência Energética em Ferrovias

Fonte solar atinge marca histórica de 11 gigawatts no Brasil, celebra ABSOLAR

Desde 2012, setor já atraiu mais de R$ 57,2 bilhões em novos investimentos e gerou mais de 330 mil empregos acumulados no País.

Fonte solar atinge marca histórica de 11 gigawatts no Brasil, celebra ABSOLAR

Heineken facilita acesso à energia verde para bares e restaurantes

Meta é alcançar 50% dos pontos de venda da marca no Brasil, até 2030.

Heineken facilita acesso à energia verde para bares e restaurantes

Belo Horizonte ganha projeto de energia solar em estação de ônibus

Módulos fotovoltaicos flexíveis da L8 Energy foram instalados na estação tubo da UFMG, em Belo Horizonte, em iniciativa de sustentabilidade.

Belo Horizonte ganha projeto de energia solar em estação de ônibus

Cientistas desenvolvem tecnologia de energia eólica inédita no Brasil

Grupo da UFSC é pioneiro nesse tipo de estudo na América Latina.

Cientistas desenvolvem tecnologia de energia eólica inédita no Brasil