Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Economia de Energia Elétrica em Fazendas Leiteiras (1/4)

Economia de Energia Elétrica em Fazendas Leiteiras (1/4)

01/05/2010 Eduardo Carvalhaes Nobre

Durante vários anos tive oportunidade de ministrar treinamentos a centenas de profissionais de diversos ramos de atividade. Em todos estes eventos percebia que as pessoas tinham uma imensa boa vontade em aprender a economizar energia elétrica.

Entretanto, nunca faziam o "dever de casa" com resultados razoáveis. Muitas vezes por desconhecimento técnico outras, por acharem que em casa, no trabalho ou na propriedade rural não existia possibilidade de reduzir as despesas com a fatura de energia.

No decorrer do treinamento ensinava as estas pessoas que economizar energia não era um "bicho de sete cabeças" e sim um método de identificação, avaliação e ação, contínuo e persistente, que deve fazer parte do dia-a-dia de todos nós.

Em certa ocasião, realizando uma consultoria em uma fazenda produtora de leite, o gerente informou que ali não havia desperdício e que “ele mesmo tinha controle de tudo e de todos". Era mais uma pessoa relutante a novos métodos de gestão e que não admitia que em qualquer setor da atividade produtiva existe desperdício.

Na hora, sem ter argumentos mais convincentes tracei a seguinte estratégia: propus ao gerente que toda economia que nós obtivéssemos a partir daquela data, até o fim do ano fosse revertida na compra de um carro zero quilometro, que seria sorteado entre seus empregados na festa de Natal.

Ele, obviamente espantado, começou a perceber com o desenrolar da conversa que o desperdício existe em qualquer lugar e que precisa ser identificado e os resultados podem ser significativos podendo representar um ganho para todos.

Este fato mostra as seguintes verdades: as pessoas não sabem mensurar (e não é por culpa delas!) o quanto de energia que se pode economizar e acreditam que em suas propriedades não existe desperdício de energia elétrica, ou de outro insumo qualquer.

Todos nós somos muito imediatistas, porque pensamos sempre nos ganhos e despesas do mês e não fazemos o cálculo anual.

Estas dificuldades, técnicas ou gerenciais, podem ser contornadas. É só entender que energia elétrica é um insumo caro, finito e perfeitamente gerenciável. Basta que todos abram suas mentes e descubram um novo mundo: a geração de recursos a partir do desperdício.

Para ajudá-lo neste descobrimento este artigo vai orientá-lo como obter resultados expressivos de redução de despesas com energia elétrica.

Ler o medidor é fundamental

Existe uma máxima na gestão energética que diz: quem não mede não gerencia. Isto é um fato. Para gerenciar qualquer negócio temos que ter números, saber lidar com eles. É importante transformar números em informações úteis para que possamos avaliar se nossas ações estão sendo eficazes.

Em linhas gerais temos que aprender a obter estes números da maneira mais fácil possível. Não adianta termos sistemas de monitoramento de energia de última geração, se não sabemos interpretar as informações obtidas. É melhor fazer leituras corretas do seu medidor de energia, anotá-las a lápis, em papel de pão, do que ter a mais alta tecnologia de medição sem saber como usá-la.

Isto porque para avaliar o desperdício não é necessário ser um grande matemático e sim um bom observador.

Vamos começar pelo medidor de energia elétrica, mais conhecido como “relógio de luz”. O modelo mais comum de se encontrar é o que possui quatro ou cinco mostradores de ponteiros, que giram uns no sentido horário, e outros no sentido anti-horário, conforme as setas indicativas.

 As leituras devem ser feitas sempre no sentido do menor para o maior algarismo e do mostrador da esquerda para o mostrador da direita, considerando-se que você está de frente para o medidor.

Na Figura 1, a leitura do medidor em 10/06/2001 é 3366. Veja que no 1° número o ponteiro está entre os números 3 e 4. Considere sempre o menor valor, ou seja, o número 3. O mesmo raciocínio deve ser feito para os demais ponteiros: quando o ponteiro estiver entre 2 números considere sempre o menor número.

Agora leia as informações de consumo da segunda leitura.

Para calcular o consumo de energia entre as duas datas faça a seguinte conta:

Consumo de energia medido = Consumo do dia 10/06/2001 – Consumo do dia 10/05/2001

O resultado é:

Consumo = 3860 kWh – 3366 kWh = 494 kWh

Este valor pode ser influenciado pela quantidade e potência dos equipamentos que você tem em sua propriedade, o tempo de uso por dia, a época do ano, sua produção, etc.

O medidor de energia registra o consumo em determinado período de leitura que é a quantidade de dias que uma concessionária faz uma leitura e pode variar de acordo com o planejamento de cada empresa. Em média este período de leitura varia entre 28 a 32 dias.

Na Figura 1 o período de leitura é de 30 dias por isto falamos que este medidor registrou o consumo de 494 kWh por mês. O certo seria considerar 494 kWh pelo período de leitura. Se o período de leitura de uma fatura for de 28 dias então o consumo de energia é igual a 494 kWh por 28 dias e deve ser escrito assim: 494 kWh/28 dias. Este período de leitura vem escrito na fatura e pode ser visto no box “Datas de Leitura”, campos Anterior e Atual.

Outro importante conceito é o índice de controle que chamamos de “Consumo Específico” que pode ser definido como a relação entre o consumo de um determinado equipamento ou de uma instalação por determinados parâmetros que podem ser: produção de leite no período, quantidade de pessoas que trabalham na propriedade, quantidade de dias de produção, etc.

A utilização deste índice de controle determina se você esta economizando energia elétrica ou não. Se de um mês para outro este valor diminui você está economizando energia, se aumenta está havendo aumento de consumo ou desperdício.

Veja este exemplo:

•  A leitura realizada no mês passado foi de 494 kWh/28 dias. O cálculo do consumo específico é 17,6 kWh/dia (é só dividir 494 por 28);

•  A leitura realizada neste mês foi de 463 kWh/28 dias. O cálculo do consumo específico é 16,5 kWh/dia;

•  Logo houve economia de energia neste mês porque o consumo específico foi menor porque houve uma diminuição do consumo no mesmo período de tempo.

Não considere o valor do consumo mensal (kWh/mês) ou o valor pago (R$) no mês para verificar se você está economizando. Se houver aumento da produção ou a tarifa de energia elétrica tiver um reajuste vai mascarar todo o seu controle. Faça os cálculos considerando o consumo específico para avaliar os resultados. 

Aprenda a calcular o consumo de cada equipamento

Todo equipamento elétrico possui uma potência que normalmente está apresentada em Watts cujo símbolo é W. Esta informação vem estampada no produto ou na embalagem.

Para calcular o consumo de um equipamento elétrico você necessita desta potência e do tempo de funcionamento do equipamento.

Depois é só fazer este cálculo: Consumo = Potência x Tempo

Veja este exemplo: um determinado equipamento tem a potência de 200 W e trabalha 15 horas por dia, durante o período de 32 dias.

Consumo = 200 W x 15 h/dia x 32 dias = 90.000 Wh/32 dias.

Aqui temos que fazer uma pequena conta que é transformar Wh (Watts hora) em kWh (quilo Watts hora). É só dividir o resultado por 1000, similar ao cálculo que fazemos quando queremos transformar 1 km que é igual a 1000 metros ou 1 kg que é igual a 1000 gramas.

No nosso exemplo, a geladeira consome 90.000 Wh/32 dias que é equivalente a 90 kWh/32 dias.

Este é o consumo de um equipamento elétrico em um determinado período de tempo.

A aritmética do desperdício de energia

Para economizar energia você tem que reduzir o consumo dos equipamentos elétricos porque o medidor de energia registra esta grandeza. Lembra-se do cálculo Consumo = Potência x Tempo?

Desta forma, você têm dois caminhos: ou reduz a Potência do equipamento ou o seu Tempo de funcionamento.

Para reduzir a potência você tem que verificar se os seus equipamentos estão corretamente dimensionados. Se estiverem superdimensionados, com valores acima do necessário, você estará desperdiçando energia. Neste caso você necessita de um especialista para determinar o equipamento correto.

Se o equipamento está correto, porém, você o deixa ligado desnecessariamente ocorrerá também o desperdício de energia.

Desta forma, a correta especificação de uma máquina, aliada ao seu tempo de funcionamento é que vai determinar a quantidade de energia gasta em sua propriedade.

Imagine uma picadeira, que precisa de um motor de 3 CV, trabalhando com um de 5 CV?

Avaliando sobre outra ótica, reduzir a potência de um equipamento é uma ação tecnológica. Reduzir o seu tempo de funcionamento é uma ação de gestão.

Ações tecnológicas muitas vezes requerem investimentos. Para trocar um motor, por outro mais moderno, ou para trocar lâmpadas de alta potência por de menor potência com alta luminosidade, é necessário investir.

Aqui vai uma orientação: equipamentos elétricos não devem ser adquiridos pelo seu custo inicial e sim por este valor, acrescido da quantidade de energia elétrica que ele vai consumir durante sua vida útil.

Veja neste exemplo: uma geladeira com Selo Procel Classe “A” custa R$1.500,00 e consume 26,9 kWh por mês e outra, modelo Classe “E” custa R$1.300,00 porém consome 63,7 kWh por mês. Veja que a geladeira Classe “A” consome menos da metade da energia consumida pela geladeira Classe “E”. 

Quando for adquirir eletrodomésticos ou outros equipamentos escolha os que têm o Selo Procel (Figura 2). Este Selo é concedido anualmente aos produtos que apresentam os melhores índices de eficiência energética dentro das suas categorias.  Conheça a relação completa dos equipamentos que tem esta garantia no site da Eletrobras no endereço do Procel.

Lembre-se, que se você não levar em consideração a quantidade de energia que um aparelho consome em determinado período de tempo, você pode economizar na hora da compra porém, com certeza, vai gastar muito mais em energia elétrica durante anos e anos.

Por isto, dizemos que na aritmética do desperdício temos que pensar em dimensionar os equipamentos elétricos corretamente e usá-los no tempo estritamente necessário.

E se pudermos reduzir a potência do equipamento, ao mesmo tempo reduzir o seu tempo de uso?

Neste caso estaremos reduzindo ainda mais o seu consumo e, conseqüentemente o gasto com energia elétrica. Vire a chave do chuveiro elétrico da posição inverno para verão e você vai reduzir sua potência em 30%. Se você reduzir o tempo de banho você vai economizar ainda mais. 

Continua...

 * Eduardo Carvalhaes Nobre é Engº Eletricista e diretor de O Debate



A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Já são 1016 parques eólicos existentes com mais de 10.941 turbinas eólicas instaladas.

Autor: Divulgação

A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Hidrogênio verde, biodiesel de macaúba e biogás de resíduos são alguns dos projetos em curso que podem colocar o estado na liderança mundial em tecnologia de produção de energias limpas e renováveis.

Autor: Divulgação

Minas atrai R$4 bilhões em investimentos em fontes alternativas

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

De cada 50 mortes por raios no mundo, uma ocorre em solo brasileiro.

Autor: Divulgação

Saiba se proteger de um perigo que vem do céu

UFMG recebe inscrições para Especialização em Energias Renováveis – EAD

As aulas remotas acontecerão às terças, quartas e quintas; inscrições estão abertas até 3 de março.

Autor: Divulgação


Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Iniciativa deve beneficiar cerca de 80 salões do interior de São Paulo; economia nas contas de luz ultrapassará R$ 600 mil.

Autor: Luiz Pacheco e Joana Fleury

Parceria vai fornecer energia renovável para salões de beleza

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Para poder crescer no Brasil e ser ambientalmente vantajosa, a energia solar precisa deixar de depender de usinas termelétricas fósseis para à noite compensar a falta de novas hidrelétricas.

Autor: Ivo Pugnaloni

Hidrelétricas de pequeno porte permitem o crescimento da energia solar

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Sistemas de armazenamento são capazes de permitir o uso combinado de várias fontes de energia limpa, garantindo mais eficácia e segurança.

Autor: Carlos Eduardo Ribas

Armazenamento de energia é fundamental para transição energética

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

Grandes empresas gastam diretamente muito dinheiro em energia a cada ano – e milhões indiretamente, na cadeia de suprimentos, terceirização e logística.

Autor: Pedro Okuhara

Como as empresas podem reduzir custos de energia e emissões de carbono

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Na última quarta-feira (17), o governador Tarcísio de Freitas entregou a primeira etapa de implantação da Usina Fotovoltaica Flutuante de Araucária, na Represa Billings.

Autor: Divulgação

São Paulo está instalando a maior usina solar flutuante do país

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Especialista explica como empresas podem se preparar para prevenir prejuízos causados pela oscilação de energia e temperatura.

Autor: Davi Lopes

Tecnologia ajuda a reduzir riscos por quedas de energia durante ondas de calor

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Medidas simples podem evitar o aumento da fatura durante o mês de janeiro.

Autor: Divulgação

Cemig dá dicas de economia de energia no período de férias escolares

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos

Segundo avaliação da ABSOLAR, medida é fruto de pressão de fabricantes nacionais que querem políticas protecionistas.

Autor: Rodrigo Sauaia

Governo pretende abrir mão de R$ 69 bilhões em investimentos e 540 mil novos empregos