Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Nobel de Economia, as mulheres, o mercado de trabalho e a maternidade

O Nobel de Economia, as mulheres, o mercado de trabalho e a maternidade

19/10/2023 Márcia Mendonça Carneiro

A professora de Harvard Cláudia Goldin acaba de ganhar o prêmio Nobel de economia.

A americana, de 77 anos, foi reconhecida pela pesquisa sobre a atuação das mulheres no mercado de trabalho, embasada em dados dos últimos 200 anos, com destaque para as diferenças nos rendimentos e na participação de homens e mulheres. 

Embora o tempo dedicado à maternidade influencie a vida profissional, não havia um estudo amplo com resultados tão contundentes.

A pesquisa revelou que as mulheres casadas reduziram sua presença no mercado de trabalho após a revolução industrial, mas voltaram a aumentar à medida que a economia, fundamentada nos setores de serviços, cresceu no início do século 20.

O surgimento de métodos contraceptivos eficazes, como a pílula anticoncepcional e a busca por mais educação e qualificação favoreceram também a expansão da participação feminina no mercado de trabalho.

Porém a disparidade salarial entre os sexos permanece. E a opção feita pela maternidade pode estar relacionada à diferença salarial entre homens e mulheres.

Não há dúvida que as conquistas femininas nos últimos 100 anos foram extraordinárias e que os avanços tecnológicos na medicina, nas últimas décadas, proporcionaram às mulheres um controle maior sobre seu ciclo menstrual, além da possibilidade de planejar a maternidade.

Dados revelam que à medida que as mulheres buscam mais educação e têm acesso ao planejamento reprodutivo acabam por adiar a gestação e, quando decidem engravidar, o número de filhos é reduzido.

E essa queda de natalidade já afeta países como China e Índia resultando na desaceleração do crescimento populacional e pode ter efeitos econômicos desastrosos.

Declínio da fertilidade

Nos últimos anos, as mudanças sociais, culturais e econômicas foram intensas. Para se concentrar nos estudos e carreira, muitas mulheres adiam a maternidade, fato que se reflete no aumento de 56% no número de partos em mulheres na faixa de 35 a 39 anos e de 36% na faixa de 40 a 44 anos, em nosso país.

Entretanto, a grande maioria parece ignorar um fato biológico: há um número não renovável de óvulos em seus ovários, que se reduz rapidamente a partir dos 35 anos e não há métodos conhecidos para manter a chamada “reserva ovariana”.

O declínio da fertilidade já começa naturalmente por volta dos 25-30 anos de idade, e segue acelerado após os 35 anos, de forma que as chances de infertilidade podem chegar a 50% aos 41 anos e 90% aos 45 anos.

Além disso, as mulheres estão sujeitas a alterações hormonais ao longo do ciclo menstrual que podem comprometer sua qualidade de vida e produtividade.

Doenças como endometriose, que afetam uma em cada 10 mulheres e causa infertilidade e dores incapacitantes, recebem pouca atenção e o acesso ao diagnóstico definitivo e tratamento adequado podem levar anos. Tal atraso custa milhões de dólares em tratamentos ineficazes e absenteísmo do trabalho.

Outro fator agravante é que cerca de uma em cada seis pessoas enfrentam dificuldades para engravidar em todo o mundo - dado da Organização Mundial de Saúde.

Não há como negar o importante papel da força de trabalho feminina no crescimento econômico e evolução social, mas o caminho rumo à equidade é longo e sinuoso.

As pesquisas da professora Goldin revelam como ao longo da história as mulheres evoluíram no mercado de trabalho e como a desigualdade salarial infelizmente permanece.

A maternidade parece ser um fator importante nessa equação. Ser mãe é um momento singular na vida de muitas mulheres, com demandas físicas e psíquicas importantes.

Não podemos permitir que se torne um obstáculo para as conquistas profissionais femininas. As mulheres precisam ter a oportunidade real de conciliar a carreira e a maternidade se assim o quiserem.

Disponibilizar opções de planejamento reprodutivo como o congelamento de óvulos como já fizeram empresas como Facebook, Microsoft Apple e Wal Mart é um passo importante em direção à equidade no mercado de trabalho.

Fornecer condições adequadas para que essas mulheres possam retornar ao trabalho e que seus filhos recebam o cuidado adequado é tratar com respeito e dignidade aquelas que optaram pela maternidade.

* Márcia Mendonça Carneiro é Diretora científica Clínica Origen, professora titular - Departamento de Ginecologia e Obstetrícia – Faculdade de Medicina da UFMG.

Para mais informações sobre mulheres clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Link Comunicação



Liderança feminina na saúde e na ciência é impacto para novas gerações

Elas ocupam cargos de liderança, desafiam estereótipos e inspiram transformações profundas.

Autor: Camila Hartmann

Liderança feminina na saúde e na ciência é impacto para novas gerações

A vida vivida (de verdade) é fora do story

Pedagoga reúne vivências em sala de aula para compor romance juvenil sobre uso excessivo de redes sociais, valorização da aparência e equilíbrio entre saúde física e mental.

Autor: Divulgação


Como doar leite materno?

Médico explica a importância do aleitamento materno e o passo a passo para fazer a coleta e armazenamento corretos.

Autor: Divulgação

Como doar leite materno?

Toda mãe merece (e precisa) conciliar maternidade com bem-estar

A dedicação aos filhos é importante, mas ela precisa ser acompanhada de hábitos que auxiliem uma mãe a permanecer emocionalmente saudável.

Autor: Celso di Lascio

Toda mãe merece (e precisa) conciliar maternidade com bem-estar

Livro aborda os desafios para as mulheres na área de tecnologia

A promoção da diversidade e da inclusão ainda é um grande desafio na área de tecnologia.

Autor: Divulgação

Livro aborda os desafios para as mulheres na área de tecnologia

MRV promove qualificação para mulheres atuarem na construção civil

A iniciativa faz parte do projeto ‘Elas Transformam a Construção’ e conta com o apoio do Alicerce Educação e do Instituto da Quebrada.

Autor: Divulgação


O dom da maternidade

Maternidade é uma palavra doce que exala o perfume do amor, mas que também traz impregnado nessa doce missão outros atributos como entrega, doação e santidade.

Autor: Rogéria Moreira

O dom da maternidade

Fabet abre inscrições para curso de formação de motoristas mulheres no transporte de cargas

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para a próxima turma de Formação de Mulheres para o Transporte de Cargas.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

Fabet abre inscrições para curso de formação de motoristas mulheres no transporte de cargas

Só podia ser mulher…

Levanta a mão a mulher que nunca ouviu essa frase. Bem, não aconselho esperar muito para ver essa tal mão surgir estendida, muito menos se você estiver de pé.

Autor: Jéssica Chagas Lydes

Só podia ser mulher…

Seja mais otimista

Você sabia que ser otimista pode influenciar positivamente no seu desempenho? Algumas pesquisas já comprovaram isso.

Autor: Juliana Brito

Seja mais otimista

Silicone atrapalha a amamentação?

Médico tira dúvidas que podem surgir ao realizar uma mamoplastia de aumento.

Autor: Divulgação

Silicone atrapalha a amamentação?

A Justiça Restaurativa em defesa das mulheres

O Brasil ainda está muito longe de ser um exemplo de sociedade que respeita e protege suas mulheres.

Autor: Jéssica Gonçalves

A Justiça Restaurativa em defesa das mulheres