Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A angústia da inovação

A angústia da inovação

26/09/2020 Paulo Bettio

Inovação é a bola da vez.

Não importa em qual setor da economia, o tamanho da empresa, o modelo de negócio, se público ou privada, todos estão sujeitos a se deparar, a qualquer momento, com uma disrupção - inovação que rompe com modelos e negócios tradicionais - que pode transformar o negócio para sempre ou, até mesmo, acabar com ele ou com todo um segmento da economia. Ninguém tem um porto realmente seguro neste momento de incríveis transformações.

A evolução tecnológica, somada a uma velocidade de transformação nunca vista, geram uma pressão enorme nas pessoas e a maioria delas não sabe como lidar com esse volume gigantesco de informação e de incertezas.

Isso é o que eu chamo de “Angústia da inovação”! Mas como se preparar para esse ambiente de transformação acelerada e aliviar essa angústia?

Uma forma de se fazer isso é desenvolver uma habilidade de “desaprendizado” acelerado para abrir espaço e criar oportunidades para novos e continuados aprendizados.

Até pouco tempo aprendíamos para trabalhar, mas, hoje, isso já não é mais suficiente e trabalhamos para aprender, continuadamente. É o que chamamos de “LLL – LifeLong Learning”, ou, em português, “aprendizado ao longo da vida”. Desaprender e reaprender. Adquirir novos “mindsets” orientados à inovação.

A nova economia - a economia criativa, é ainda mais desafiadora pois toda a força de trabalho ativa atual foi educada com modelos orientados a nivelar todo mundo, às vezes com réguas muito baixas, que hoje não servem mais.

Os criativos, os “fora-da-caixa” eram rapidamente forçados a se igualar à média. Com isso, nossas escolas formaram gerações “de iguais”, de medianos, que hoje sofrem a angústia por serem cobrados a pensar diferente.

Habilidades até então desprezadas pelo mercado de trabalho são hoje desejadas e já figuram nas descrições de competências de anúncios de emprego das melhores empresas: criatividade, colaboração, iniciativa, inteligência coletiva, a capacidade de assumir riscos, entre outras.

O LinkedIn divulgou, em janeiro, uma pesquisa sobre as habilidades mais desejadas pelo mercado de trabalho em 2018 e no topo da lista está “criatividade”. Sim, aquela mesma criatividade que lhe foi tolhida lá atrás, nos bancos escolares.

Inovação, na minha opinião, tem muito menos a ver com tecnologia do que a maioria das pessoas imaginam. Para mim, inovação é essencialmente um “mindset”, um modelo mental, um estilo de vida.

A tecnologia está disponível, é abundante, todo mundo tem acesso. O difícil, de verdade, é mudar a cabeça das pessoas e tirá-las de suas zonas de conforto, pois não há zonas de conforto em ambientes de inovação.

Por isso, para não sofrer de angústia da inovação, só há um caminho: fazer uma disrupção de você mesmo. Transforme-se completamente! Seja um novo você! Talvez, até mesmo, aquele você que você deixou para trás na sua infância.

Procure cursos orientados à inovação, à nova economia, à economia criativa. Estude “Design Thinking”, processos criativos, “storytelling”, design de negócios etc. Muitas universidades já entenderam que precisam ofertar cursos com este perfil e já há boas opções no mercado.

Enfim, o remédio para a angústia da inovação reside em você. Você é quem decide se vai sofrer ou se vai usufruir de todas as coisas boas que a inovação vai proporcionar.

* Paulo Bettio é publicitário, empreendedor serial, especialista em Design Thinking, consultor de inovação e professor da disciplina de Saúde e Tecnologia da Pós-Graduação em Economia Criativa e Disruptiva da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



O Judiciário e o muro cinzento

O Poder Judiciário, para mim, sempre foi uma instituição solene, respeitável e guardiã intransigente da Constituição e das leis.


Apagaram-se as luzes, perdi o show

Meu pai só gostava de músicas sertanejas, mas quando o cantor Roberto Leal aparecia na TV, ele me chamava para assisti-lo e ficava ouvindo junto.


O mundo mudou, e o Secretariado também

Sou do tempo em que se fazia curso de datilografia.


O “descanso” no treinamento esportivo de alto rendimento

A notícia da necessidade de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus caiu como uma bomba no universo do esporte de alto rendimento.


A indústria do plástico e as cooperativas de reciclagem

Fechando o ciclo da economia circular.


O impacto da IoT na Engenharia de Produção

Desde a apresentação do conceito da Indústria 4.0 em 2011 na feira de Hannover, houve grande aceleração tecnológica em diversas áreas do conhecimento.


O novo normal da saúde é entender o poder das pessoas

Coletividade. Talvez essa seja a principal arma para lidarmos com a pandemia.


Nossos direitos vêm

Mais recentemente, quando atuei num júri onde os fatos apurados aconteceram na comunidade Fábio Alves, sediada no Barreiro, em Belo Horizonte, veio-me forte a memória do amigo e mestre professor Fábio Alves dos Santos.


A fome tem pressa

Dezesseis de outubro, Dia Mundial contra a Fome.


Como sair do isolamento sem colocar a vida dos condôminos em risco?

A pandemia do novo coronavírus tem nos obrigado a adotar novos parâmetros e limites para a vida em sociedade, para que assim possamos frear a velocidade de contágio pelo vírus.


Mudança cultural é o fator mais importante para a transformação digital nas empresas

A pandemia do coronavírus obrigou as empresas a lidarem com profundas mudanças e trouxe a necessidade de colocar em prática a digitalização dos negócios.


Síndrome do medo

Medo e insegurança são duas realidades que caminham juntas e se tornaram amigas do povo brasileiro.