Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como é trabalhar em uma startup

Como é trabalhar em uma startup

14/11/2017 Herbert Marcondes

O termo "startup" é cada vez mais comum no mercado.

A palavra diz respeito a empresas que estão iniciando suas atividades, geralmente com ideias inovadoras ou reinventando algo que há muito já existe. São ideias que, quando entendemos, nos fazem questionar como ninguém havia pensado nisso antes.

São empresas jovens, que têm o empreendedorismo em seu DNA, fomentam um perfil flexível e apostam em profissionais de fácil adaptação. Tudo isso, no entanto, gera uma dúvida: como é trabalhar em uma startup?

O dia a dia de quem trabalha em uma empresa jovem, que nasceu para desbancar modelos tradicionais de negócio, pode ser considerado uma montanha russa. Em um dia tudo vai bem e, no outro, você enfrenta turbulências. Se você não lida bem com riscos, talvez você precise repensar.

Outra característica que deve ser considerada está presente em todo guia de sucesso: pró-atividade. Pessoas que não são pró-ativas tendem a ter dificuldade com uma estrutura de gestão horizontal, como em uma startup, onde muitas vezes você é seu próprio chefe.

Com isso, é correto afirmar que o profissional deve ter sede de conhecimento e possuir um perfil hands on. Em contrapartida, trabalhar em uma startup faz com que o profissional desenvolva múltiplas habilidades. Isso acontece porque a estrutura é muito flexível e geralmente o quadro é enxuto, o que pode te levar a aprender tarefas diferentes e tomar decisões que, em empresas tradicionais, não estariam em seu escopo.

Além disso, a equipe reduzida e o perfil colaborativo levam a uma proximidade diferenciada com os colegas de trabalho. Todos se ajudam e procuram trabalhar em sintonia, o que cria um grande sentimento de família. Isso junto, é claro, a um ambiente descontraído, com muitos jovens, onde todos podem ficar à vontade.

Afinal de contas, é bem melhor trabalhar de jeans do que de terno, não é mesmo? Se você busca um ambiente desafiador, flexível, onde pode encontrar estímulo diário para se superar e aprender muito, mas saindo da zona de conforto, você precisa de uma startup na sua carreira.

* Herbert Marcondes é Formado em Tecnologia em Marketing e com MBA em Gestão de Pessoas.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.