Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Empreender pede prática, habilidade e planejamento

Empreender pede prática, habilidade e planejamento

20/08/2013 Claudio Gandelman

A capacidade de empreender é para aqueles que desejam transformar seu conhecimento em uma ideia real.

São diversos os motivos que levam um empreendedor a optar por esse caminho e a idade tem se tornado um fator bastante comum nesta escolha. Segundo levantamento realizado no início do ano pela empresa Data Popular, existem aproximadamente 1,5 milhão de jovens empreendedores no Brasil com faixa etária entre 16 e 24 anos, sendo que cerca de 22 milhões de jovens planejam ter no futuro o seu próprio negócio.

Mas será que esses jovens empreendedores estão preparados profissionalmente e psicologicamente para dar um passo tão grande? É preciso muito mais do que a coragem para arriscar. A falta de planejamento antes de abrir o próprio negócio é uma das maiores falhas dos novatos que estão entrando no mercado e pode levar à falência. De acordo com pesquisa realizada por Shikhar Ghosh, professor da Harvard Business School, três em cada quatro startups que tiveram investimento de capital de risco não sobrevivem ao mercado nem dão retorno aos seus investidores.

A pesquisa portanto contesta os dados sempre positivos divulgados pelos investidores-anjo, afinal o levantamento foi realizado com mais de duas mil empresas, durante seis anos, com aportes abaixo de 1 milhão de dólares. Motivados por essa realidade distorcida que muitos dos jovens criam startups e tendem a fracassar a longo prazo. O que podemos observar é que a falta de experiência no mercado profissional leva a geração Y, como são conhecidos os nascidos da década de 80 para cá, a pensar somente a curto prazo.

Eles já ingressam neste setor desejando conquistar a independência financeira e, consequentemente, aumentar a sua renda, quando na verdade, primeiro é necessário prever e identificar quais serão os pontos fortes e fracos de um possível negócio. Uma gestão empresarial bem pensada foca-se em pontos-chave para atingir o sucesso. E a pesquisa de campo é primordial para fundamentar qualquer ideia que possa surgir no universo do empreendedorismo.

Quais serão os custos e investimentos da empresa? Quais são as tendências do mercado e os possíveis concorrentes? Existe demanda de consumo para o que se deseja propor? Enfim, esses são apenas alguns fatores que precisam ser organizados. Se pensarmos mais a fundo, ainda terão questões como o regime tributário para abertura de um negócio e se os profissionais da equipe têm o know how suficiente. Será que diante desse cenário quem tem mais idade prepara-se melhor antes de empreender?

Bom, o que podemos afirmar é que o acúmulo de bagagem profissional será um grande diferencial para os futuros empreendedores. É preciso estar preparado caso o negócio não saia como o planejado. E ter idade mais avançada também acarreta em mais responsabilidades, tanto pelo lado pessoal, como o sustento de uma família, quanto o profissional, o que levará o empreendedor a analisar muito mais os prós e contras antes de arriscar-se a fundo em um novo negócio. Esses empreendedores mais velhos e com uma carreira profissional maior serão mais criteriosos e cuidadosos antes ingressar em algo que não lhe traga tanta estabilidade e confiança.

Já os jovens, que não têm tanto a perder por possuírem o benefício do tempo, ousam mais nesse quesito e assumem os riscos do ato impensado. O empreendedorismo consiste muito mais na preparação do negócio e conhecimento do mercado, do que no simples fato de abrir o negócio próprio. É preciso agregar valor, planejar e desenvolver habilidades. Além de colocar tudo em prática, fator crucial para o tão sonhado sucesso.

*Claudio Gandelman é fundador e CEO do Teckler, rede social que remunera os internautas pelo conteúdo produzido.



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.