Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Seis músicas que mudaram o mundo em períodos de dificuldades

Seis músicas que mudaram o mundo em períodos de dificuldades

10/06/2020 Divulgação

Momentos difíceis podem ser vistos como inspiração para as produções artísticas mais marcantes da história.

Seis músicas que mudaram o mundo em períodos de dificuldades

A música esteve presente desde os primórdios da sociedade e foi responsável por registrar - e até alterar - acontecimentos durante a história. Guerras, manifestações e a união de pessoas com diferentes propósitos foram influenciadas diretamente pela música. "A pandemia do novo coronavírus impossibilita shows, como o Woodstock, que entraram para a história, porém, a produção musical continua, e os músicos tiveram de se adaptar ao isolamento", afirma o produtor musical e professor de Música do Colégio Positivo - Internacional, Leandro Ramos. 

Artistas como Marília Mendonça e Alok fizeram lives com mais de 1,5 milhão de participantes, servindo como uma alternativa para a renda, que substituiu a cobrança de ingressos pelas cotas de patrocínio. “Como em nenhum outro momento da história, artistas do mundo todo tiveram que cancelar ou postergar shows e outros eventos que garantiam suas rendas, então tiveram que se reinventar e acabam tendo que substituir com lives e outras plataformas para seguir produzindo”, comenta o professor. 

Segundo o especialista, a quarentena também  pode servir como inspiração para composições que ficarão para a história, marcando o momento ímpar pelo qual a humanidade está passando. “Várias canções que mudaram o mundo foram escritas em momentos de dificuldade extrema, e realmente mudaram a maneira que a gente vê a música e o mundo. Acho que no final dessa quarentena podemos ter composições muito mais profundas e que representam o momento” explica o professor. 

Leandro Ramos organizou para seus alunos uma lista de seis músicas que, segundo ele, mudaram o mundo após períodos de sofrimento ou dificuldades.  

- Harold Arlen - Over the rainbow

Composta em 1939, a música ganhou maior dimensão quando foi cantada pela atriz que interpretava Judy, no filme “O mágico de Oz”, para tropas americanas, durante a Segunda Guerra. O show foi gravado e enviado para soldados posteriormente para que tivessem a esperança de dias melhores. A música foi uma marca na história por retratar “um lugar onde pássaros voam, acima do arco íris” durante um momento de muita dificuldade. 

- John Lennon - Imagine

A canção de John Lennon foi criada em 1971, em meio a um crescente desenvolvimento militar dos EUA e da URSS, por conta da Guerra Fria. Ela retrata um mundo onde não existem raças, povos ou nações diferentes, no qual todos podem viver em paz. Além de representar o momento, Imagine se tornou um hino de protestos e clamor pela paz, tornando-se atemporal. 

- Geraldo Vandré - Pra não dizer que não falei das flores 

A letra icônica de Geraldo Vandré, escrita em 1968, foi um grito de resistência durante a ditadura militar brasileira. A música ganhou maior expressão durante o Festival Internacional da Canção, ficando em segundo lugar no mesmo ano de sua apresentação. Por conta da importância da canção em protestos e pelo impacto de reunir forças populares contra a ditadura militar, Geraldo Vandré foi exilado do país. Até hoje, a música é usada em movimentos populares em luta contra a repressão e a violência.

- Bob Dylan - The times they are a-changin' 

Lançada em 1964, a música de Bob Dylan foi um retrato direto da mudança de tempos e avanços tecnológicos, políticos e sociais do período. A canção foi considerada um hino dos direitos humanos pelo mundo e virou uma forma de resistência e apelo à paz pelas guerras que ocorreram no período. 

- Pink Floyd - Another Brick In the Wall 

Lançada em 1979, o clássico que pede aos professores deixarem as crianças em paz marcou época no Reino Unido. A canção composta por Roger Waters era um apelo pela mudança do sistema de ensino do país, que na época era extremamente opressor e não desenvolvia nenhum tipo de pensamento crítico ou valores éticos nas crianças. A música é usada até hoje como forma de protesto em luta à opressão por diversas partes do mundo.  

- Tupac - Changes 

A canção Changes, de um dos nomes mais importantes da história do rap, foi gravada em 1992, porém só foi lançada em 1998. Em conjunto ao músico Talent, Tupac criou a música como forma de protesto contra a violência policial, racismo e as dificuldades de ser um negro da periferia norte-americana. A canção, mesmo escrita cerca de duas décadas atrás, segue atual e representa movimentos anti-racistas e contra a violência policial que ocorrem pelo mundo, ainda em 2020. 

Fonte: Colégio Positivo



Band lança “Hora Max” em parceria com a Discovery

Atração exibirá séries de sucesso da plataforma de streaming Max a partir de 31 de maio.

Autor: Divulgação

Band lança “Hora Max” em parceria com a Discovery

Suporte ideal para a leitura: papel ou tela?

Para a expressão humana, oral ou escrita, é essencial haver conhecimento prévio.

Autor: Mara Campos

Suporte ideal para a leitura: papel ou tela?

Orquestra Ouro Preto celebra legado musical de Duke Ellington

Concerto dedicado à lenda do jazz terá única apresentação no dia 12 de maio, às 11h, no Sesc Palladium.

Autor: Divulgação

Orquestra Ouro Preto celebra legado musical de Duke Ellington

Um reencontro com os sentidos no mundo automatizado

Em "A ferrugem do sorriso", livro com poemas e ilustrações surrealistas, Patricïa Ytap convida os leitores a se distanciarem da velocidade e da lógica comuns na realidade.

Autor: Divulgação

Um reencontro com os sentidos no mundo automatizado

Com a IA, o que sobrará da literatura?

Quem publicou na Amazon recentemente deve ter notado o campo para marcar se usou Inteligência Artificial.

Autor: Víktor Waewell

Com a IA, o que sobrará da literatura?

Seus pensamentos não te deixam dormir?

Analista de Perfil Comportamental traça o mapa de uma jornada introspectiva para quem deseja superar o comodismo, adaptar-se às mudanças e moldar afirmações em ações.

Autor: Divulgação


Neuroescravização: seu celular está te deixando doente

“Ninguém é produtivo o tempo inteiro, ninguém é feliz o tempo inteiro, mas é possível ser mais feliz e produtivo. E isso sem acabar com a saúde mental.”

Autor: Divulgação


Brasil tem 25 milhões de consumidores de livros

"Projeto Escritor 2024" mostra como conquistá-los.

Autor: Divulgação

Brasil tem 25 milhões de consumidores de livros

Como (re)começar quando um grande amor vai embora?

É isso que o leitor vai descobrir em "Doce como você", novo livro da best-seller Kate Canterbary, cuja protagonista é abandonada pelo noivo horas antes do casamento.

Autor: Divulgação


Mitos e símbolos traduzem a experiência humana

João Paulo Martins interpreta e detalha mandalas, yantras e o simbolismo dos animais em civilizações diversas a partir do Oriente.

Autor: Divulgação


Por que algumas pessoas são mais criativas do que outras?

Em "Pensamento Criativo" Michael Michalko, especialista no tema e oficial do exército norte-americano, explica como desenvolver ideias inovadoras e evitar padrões de pensamento lineares.

Autor: Divulgação


Ressurreição na prática: como atingir a maturidade espiritual?

Em obra inédita, o teólogo Eugene H. Peterson convida fiéis a reavivar o chamado à formação cristã.

Autor: Divulgação