Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A saúde em tempos de predadores

A saúde em tempos de predadores

11/05/2019 Antonio Carlos Lopes

O amianto é proibido em 60 países, em virtude dos riscos à saúde e à vida.

Dias atrás, fui surpreendido com a notícia de que foi ressuscitado no mundo político um lobby pela liberação do amianto, fibra que mata 100 mil pessoas ao ano por causar câncer e outros tumores.

Fazem parte do grupo os senadores Vanderlan Cardoso (PP-GO), Luiz do Carmo (MDB-GO), Chico Rodrigues (DEM-RR), além do próprio presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre.

Vale lembrar que o amianto é proibido em 60 países, em virtude dos riscos à saúde e à vida. No Brasil, o impedimento só se deu há dois anos, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) tornou ilegal a comercialização e a distribuição da variedade crisotila.

Por incrível que pareça, o retrocesso para a saúde pública tem também à frente um médico: o governador de Goiás, Ronaldo Caiado. Ele e seus demais colegas tentam liberar a produção da Sama Minerações, com o discurso de que há gente perdendo emprego, que o Estado ganhará em geração de riquezas e por aí vai.

Ora, é obrigação de qualquer médico ter a vida do ser humano em primeiro lugar, sempre. Se o fim da produção acaba com postos de trabalho, cabe à classe política de Goiás e do Brasil, criar alternativas para a absorção dessa mão de obra em funções que não tragam perigo à saúde.

O amianto do tipo crisotila é base para a fabricação de diversos produtos, principalmente de telhas e caixas d´água. Trata-se de mineral que podem durar até 70 anos.

Em caso de inalação, provoca mutações celulares, muitas vezes originando tumores, câncer de pulmão e a asbestose, doença incurável resultante do depósito de amianto nos alvéolos pulmonares. A contaminação é lenta e seus danos são conhecidos desde a década de 30.

Essa é mais uma demonstração de que a saúde, no Brasil, não é minimamente levada a sério. Ao contrário, vivemos tempos de predadores, como já estamos cansados de ver na rede suplementar.

Hoje, os planos e seguros saúde representam um setor biliardário em nosso País. São cerca de 50 milhões de pacientes que pagam, desde bebês, sendo que jamais ficaram doentes todos de uma vez.

Os empresários do setor ganham dessa forma rios do dinheiro, sem falar que, quando enviam algum enfermo para a alta complexidade do Sistema de Saúde (ou seja, os procedimentos mais custosos), não ressarcem o Estado, ampliando a crise da rede pública de assistência.

Esses mesmos planos de saúde também buscam sempre formas de ignorar a lei. Desde que, em 1998, a Lei 9656, passou a dar guarida maior aos pacientes, dificultando negativas de cobertura, eles começaram a atacar os prestadores, entre os quais os médicos.

Além de praticar remuneração vil, muitos pressionam para que sejam reduzidos exames, uma série de procedimentos e até internações.

Pior é que todo mundo sabe, mas ninguém faz absolutamente nada para moralizar a saúde suplementar, para defender os pacientes e resguardar os profissionais.

Enquanto situações desse gênero forem recorrentes no Brasil, a população permanecerá em grave risco. Como quem deveria nos representar dá a impressão de não ter interesse, vamos nós abrir os olhos e manter, via conscientização, a esperança de mudanças positivas.

* Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias



Novos hábitos ampliam consumo de água mineral no Brasil

Qualidade varia conforme sua origem. Água mineral natural possui ação medicamentosa.

Novos hábitos ampliam consumo de água mineral no Brasil

Minas Gerais lança campanha de saúde da mulher

“Seu corpo, suas regras. A primeira delas é a prevenção” é o slogan deste ano, que também estimula o autocuidado.

Minas Gerais lança campanha de saúde da mulher

Cinco dicas rápidas para cuidar da saúde mental

A mente e o corpo estão ligados. Além dos exercícios físicos, fazer terapia ajuda a confortar a mente.

Cinco dicas rápidas para cuidar da saúde mental

Obesidade pode ser combatida por meio da adoção de hábitos saudáveis

Em 11 de outubro é celebrado o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade.

Obesidade pode ser combatida por meio da adoção de hábitos saudáveis

Obesidade e a saúde da mulher no climatério

O avanço da idade e a menopausa estão associadas a um aumento da massa gorda e uma redistribuição da gordura para área abdominal.


Obesidade pode ser combatida com hábitos saudáveis

Em 11 de outubro é celebrado o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade.


Tecnologia muda parâmetros da medicina diagnóstica

Apenas 30% das análises ainda necessitam de jejum; há dez anos, este índice era inverso.

Tecnologia muda parâmetros da medicina diagnóstica

Canabidiol: Mitos e Verdades

Em todas as discussões que ocorrem junto à opinião pública sempre nos defrontamos com mitos e verdades e alguns desses temas merecem nossa atenção pela relevância.


Rosa App estimula prevenção ao câncer de mama

aplicativo atua na prevenção, no controle e no apoio ao tratamento do câncer de mama.

Rosa App estimula prevenção ao câncer de mama

Primavera desencadeia conjuntivite alérgica

A primavera é a estação das flores e dos dias mais longos e quentes, tendo a fama de época mais bonita do ano.

Primavera desencadeia conjuntivite alérgica

Vasectomia e Reversão no Planejamento Familiar: o que é preciso saber

A vasectomia é um procedimento cirúrgico simples que promove a esterilidade masculina, visando o planejamento familiar definitivo.


Campanha nacional contra o sarampo tem início no país

A meta do Ministério da Saúde é vacinar 2,6 milhões de crianças.

Campanha nacional contra o sarampo tem início no país