Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Frutose, álcool e café: qual relação com a gordura no fígado?

Frutose, álcool e café: qual relação com a gordura no fígado?

27/03/2024 Dra. Marília Bortolotto

Endocrinologista responde a dez dúvidas sobre a esteatose hepática.

Frutose, álcool e café: qual relação com a gordura no fígado?

A doença hepática esteatótica associada à disfunção metabólica, conhecida popularmente como gordura no fígado, ou simplesmente esteatose hepática, acomete cerca de 20% a 30% da população, sendo que parte dessas pessoas podem desenvolver cirrose ao longo de muitos anos, com risco aumentado de câncer de fígado.

A Dra. Marília Bortolotto, endocrinologista da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP) responde a dez perguntas sobre a esteatose hepática.

O que diferencia a esteatose, esteatohepatite e fibrose, e como esses espectros podem evoluir?

A esteatose hepática, que é o acúmulo de gordura no fígado, pode ser benigna ou ter maior gravidade. A esteatohepatite é quando há inflamação associada, podendo evoluir aos longos dos anos para fibrose, com cirrose e até câncer de fígado, sendo que dentre os pacientes com cirrose, o risco para câncer ao longo dos anos pode chegar há 5%.

Como fazer o diagnóstico de esteatose hepática

A esteatose hepática pode ser detectada através do ultrassom, porém sua sensibilidade é limitada para graus leves e em pacientes obesos. A ressonância magnética poderá nesses casos ser utilizada. A elastografia - procedimento que utiliza o ultrassom para medir a elasticidade do fígado – é eficaz na detecção da fibrose. Quando há dúvida no diagnóstico, a biópsia pode ser considerada.

Pessoas magras também podem ter esteatose hepática?

Sim, é menos comum, mas em pacientes magros sem fatores de risco tradicionais é crucial excluir outras causas, como uso crônico de corticoides, anabolizantes ou certas drogas usadas no tratamento do câncer de mama.

Qual é a relação entre o consumo de álcool e a esteatose hepática?

Não existe uma dose totalmente segura de álcool, e o risco está presente mesmo em pequenas quantidades. O consumo acima de um a dois drinques por dia pode estar associado à doença hepática.

Trabalhadores expostos a solventes derivados de petróleo têm maior risco de esteatose hepática?

Sim, a exposição a solventes derivados de petróleo pode ser uma causa de esteatose hepática.

Qual é o percentual de pessoas com esteatose que eventualmente evoluem para câncer de fígado?

Cerca de 20% a 30% das esteatoses podem progredir para esteatohepatite. Dentre estas, aproximadamente 20% podem desenvolver cirrose ao longo de muitos anos, aumentando o risco de câncer de fígado em 3% a 5%.

O consumo de frutose, especialmente em produtos ultraprocessados, pode causar ou piorar a esteatose hepática?

O carboidrato em excesso, especialmente em produtos ultraprocessados, pode contribuir para a esteatose hepática. É importante diferenciar a frutose natural proveniente das frutas, consumida moderadamente, da presente em produtos industrializados. O açúcar em excesso, pode se transformar em gordura e assim se depositar no fígado.

O consumo de café tem benefícios para a saúde do fígado?

Sim, estudos mostram que o café, consumido moderadamente (uma a duas xícaras por dia), ao longo do tempo, pode oferecer proteção contra fibrose e câncer de fígado

Como tratar a esteatose hepática? Existem medicamentos eficazes?

A mudança de estilo de vida é a principal abordagem de tratamento. Estudos mostram que a perda de peso, atividade física e mudança na alimentação são eficazes. A redução de pelo menos 7% do excesso de peso já traz benefícios. Não há um medicamento específico, e a prioridade é a modificação do estilo de vida.

Existem dietas preferenciais para tratar a esteatose hepática? O jejum intermitente tem algum valor?

A perda de peso é o benefício mais comprovado, independentemente da dieta escolhida. Dietas mediterrâneas são estudadas e trazem resultados positivos. O jejum intermitente pode oferecer benefícios indiretos, pela perda de peso.

É possível reduzir a fibrose hepática e quanto tempo isso pode levar?

A redução de fibrose é possível, especialmente quando a inflamação e a agressão não estão em estágios mais avançados, nos casos de fibrose avançada não é possível retornar para o fígado normal. A melhora é observada ao longo do tempo, podendo levar mais de um ano.

É importante frisar que, apesar da preocupação com a saúde do fígado, a esteatose hepática está associada a um maior risco cardiovascular. Nós endocrinologistas devemos estar atentos à esteatose hepática em pacientes com diabetes e pré-diabetes, realizar rastreamento regular e encaminhar para hepatologistas quando necessário.

* Dra. Marília Bortolotto, endocrinologista da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

Para mais informações sobre câncer clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Gengibre Comunicação



O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Dr. Ricardo Kores, médico infectologista do HC-UFU responde às principais dúvidas.

Autor: Divulgação

O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

Neuropediatra e membro do Conselho Científico da ONG Prematuridade.com explica a questão.

Autor: Divulgação

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica

49,5% dos profissionais processados por erros médicos não tinham certificados em cirurgia plástica.

Autor: Divulgação

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica

As causas da má saúde causa pressão sobre o setor

A incapacidade de tornar a saúde da população uma prioridade leva a pressões crescentes sobre o sistema de saúde.

Autor: Mara Machado

As causas da má saúde causa pressão sobre o setor

Longevidade: dicas práticas do dia a dia para prevenir osteoporose

Refeições pobres em proteína levam à redução da massa óssea.

Autor: Divulgação

Longevidade: dicas práticas do dia a dia para prevenir osteoporose

Dengue, covid-19 e o saneamento básico à população

O Brasil vive - mais uma vez - um dos seus maiores desafios na área da saúde pública com o aumento da dengue e da COVID-19.

Autor: Francisco Carlo Oliver

Dengue, covid-19 e o saneamento básico à população

Planos de saúde são obrigados a pagar exames de dengue

Os números da dengue continuam disparando no Brasil.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Prótese de silicone: conheça complicações mais recorrentes

Contratura capsular e rompimento da prótese estão entre elas.

Autor: Divulgação

Prótese de silicone: conheça complicações mais recorrentes

Perda da audição na infância, quais seus efeitos?

Como o diagnóstico rápido da perda auditiva pode ajudar no desenvolvimento infantil.

Autor: Divulgação

Perda da audição na infância, quais seus efeitos?

Dores nas costas lideram causas de afastamento do trabalho no Brasil

Para ter o benefício por incapacidade temporária, o primeiro passo é procurar um médico especialista.

Autor: Adriana Belintani

Dores nas costas lideram causas de afastamento do trabalho no Brasil

Projeto de Lei quer disponibilizar adrenalina autoinjetável pelo SUS

A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Saúde; de Finanças e Tributação, de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Autor: Divulgação

Projeto de Lei quer disponibilizar adrenalina autoinjetável pelo SUS

Gastrite: dicas para prevenir e tratar a doença

O Google Trends, um dos sites mais famosos de busca na internet, vem apontando “gastrite” como um dos temas mais pesquisados pelos usuários.

Autor: Divulgação

Gastrite: dicas para prevenir e tratar a doença