Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As dores musculares não podem ser ignoradas

As dores musculares não podem ser ignoradas

11/05/2020 Divulgação

Sofrer com dores não é normal e elas não devem ser ignoradas, ainda mais em tempo de pandemia.

As dores musculares não podem ser ignoradas

Quem nunca sofreu com dores musculares pelo menos uma vez na vida? Chamada de mialgia, acomete qualquer parte do corpo devido à tensão nos músculos. As causas mais comuns são: o esforço excessivo (sobrecarga além da capacidade usual do indivíduo), alterações posturais, microtraumas de repetição ou até mesmo o estresse.

O Ortopedista Daniel Carvalho ensina “A dor é um mecanismo de autoproteção que alerta o corpo para a possibilidade de surgirem lesões”. Diante de estímulos químicos, térmicos ou mecânicos, as terminações nervosas “avisam” ao organismo que há o risco de o músculo ser danificado.

Vários fatores influenciam no aparecimento das dores: o índice de massa corporal acima do indicado, má postura e outros. Um fator sempre questionado é a alimentação. Dietas restritivas em carboidratos e níveis de proteína abaixo do recomendado, podem predispor à dor e a lesões.

Fora isso, em momentos de pandemia e isolamento social, a dor pode ser um sinal para várias doenças, esteja atento a:

– Distúrbios hormonais, como hiper e hipotireoidismo, que promovem dores musculares e estão geralmente ligados a sinais como aumento ou diminuição da sensação de calor ou frio;

– Disfunções hidroeletrolíticas, como hiper ou hipocalemia (alteração de controle de potássio no sangue), apresentando aumento de incidência de dores musculares e câimbras;

– Fadiga crônica, fibromialgia, infecções virais e bacterianas, gripes e lúpus

– Estatinas, medicamentos prescritos para tratamento de colesterol alto, igualmente provocadores do problema.

Dores musculares também surgem por movimentos repetitivos. Basta lembrar dos digitadores que, comumente, sofrem com desconforto nos músculos dos antebraços. “O descanso também é essencial para aqueles que levam uma vida muito agitada”, finaliza.

Fonte: Toda Comunicação



Autismo, comorbidades e Covid-19

Muitos pais ficam com dúvidas sobre como o novo coronavírus (COVID-19) pode ser perigoso ou não para quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).


Pais, acolham seus filhos adolescentes

Eles podem estar sofrendo…


STF reconhece profissão de optometrista

A exemplo do que acontece no exterior, prescrição de lentes de grau não é mais exclusividade de médicos no Brasil.

STF reconhece profissão de optometrista

O home office e a dor nas costas

Muitos não possuem os devidos materiais para evitar dores na hora de fazer o home office.

O home office e a dor nas costas

Psicólogo mineiro lança canal educativo sobre saúde mental

O espaço é dedicado à divulgação de conteúdo de utilidade pública, bem-estar e qualidade de vida.


Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Prática traz sérios problemas para a saúde e não trata adequadamente as doenças.

Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Pessoas com visão monocular lutam para serem reconhecidas como pessoas com deficiência

Cegueira de um dos olhos chega a reduzir o campo visual em 25%.


Plano de saúde não pode negar tratamento prescrito por médico e deve cobrir teste de Covid

Os planos de saúde limitam, de forma significativa, o tratamento a ser aplicado ao paciente.


Pico de bronquiolite deve ocorrer no segundo semestre

A pandemia mudou radicalmente o perfil das internações infantis neste ano.


Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

O diagnóstico e o início precoces do tratamento da hipertensão arterial são fatores essenciais para o controle da doença.

Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

A telemedicina é um modo de exercer a medicina em que o contato acontece por meios digitais, via voz e vídeo.

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

Diferencie fome emocional da fome física

Durante a pandemia do novo coronavírus, muitos de nós ficamos mais ansiosos com medo do futuro e com a sensação de que todos os dias parecem iguais.