Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dor nas costas: Problema afeta 80 % da população mundial

Dor nas costas: Problema afeta 80 % da população mundial

02/09/2023 Maurício Martelletto

Ortopedista destaca que a coluna vertebral tem papel significativo na qualidade de vida das pessoas e traz alguns conselhos importantes para atividades do nosso dia a dia.

Dor nas costas: Problema afeta 80 % da população mundial

Oito em cada dez pessoas no mundo vão sofrer, pelo menos uma vez na vida, com algum tipo de dor nas costas, segundo a Organização Mundial da Saúde. O incômodo que acomete tantas pessoas pode ser tratado com repouso, fisioterapia chegando até a necessidade de uma cirurgia. Segundo dados do Ministério do Trabalho o problema já é o segundo maior motivo de afastamento dos empregos e tem atingido pessoas de todas as idades, inclusive os mais jovens.

O ortopedista Maurício Martelletto, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e há mais de 15 anos na área de cirurgia da coluna vertebral, sendo membro efetivo da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) explica que é realmente relevante o volume de casos e destaca que problemas na coluna podem ter um impacto significativo na qualidade de vida das pessoas.

“A coluna vertebral é uma estrutura fundamental do corpo humano, responsável por oferecer suporte e proteção ao sistema nervoso central. Além disso, a coluna vertebral desempenha um papel crucial na postura, equilíbrio e mobilidade”, destaca o especialista.

Dores na coluna podem surgir por diversas razões, entre elas, má postura, lesões, esforço excessivo, menopausa, envelhecimento, obesidade além das condições médicas, como a hérnia de disco, escoliose, artrose, osteoporose, fibromialgia, dor lombar crônica, traumas.

“Sentir dor não é normal, porém nem todo mundo precisa de uma intervenção cirúrgica. Em alguns casos repouso, fisioterapia podem resolver, sugerindo apenas dores musculares. Geralmente após quatro semanas de dor, que podem se manifestar de diferentes formas, desde um desconforto persistente até dores intensas uma investigação mais profunda pelo médico é indicada para que se verifique a causa, havendo a necessidade de exames físicos e complementares”, alerta Martelletto.

O cirurgião dá alguns conselhos importantes em atividades do nosso dia a dia para não causar problemas na coluna:

Uso do celular: Nos dias de hoje é normal notar que boa parte das pessoas vive de cabeça baixa com o celular na mão. Fazemos quase tudo pelo celular: compras, notícias, lazer, conversar com amigos. É importante lembrar que isso é totalmente prejudicial à saúde, uma vez que a pessoa ao ficar com o pescoço curvado para baixo causa enorme sobrecarga mecânica na coluna cervical. Quando for utilizar seu celular, procure manter o pescoço reto e levar o celular até a altura dos olhos, para evitar uma sobrecarga na coluna cervical.

Home-office: Quando estamos em nosso local de trabalho, muitas vezes já estamos condicionados a fazer pausas durante o dia, seja para ir ao banheiro, tomar um café ou só para "dar uma esticada nas pernas". Mas, quando em casa, nossa percepção do ambiente pode ser diferente, e para quem ainda está trabalhando em home office, acaba se esquecendo de fazer essas pausas. Quanto mais tempo sentado, mais sobrecarga mecânica na coluna, ou seja, mais dores nas costas. Mas há uma dica bem simples para evitar isso: durante a sua jornada de trabalho em casa, coloque um lembrete no celular para acionar a cada 45 minutos ou 1 hora, para não se esquecer de fazer suas pausas e se levantar pouco.

A escolha adequada da cadeira/assento é outro fator muito importante. Prestar atenção nos detalhes, na qualidade dos materiais e mecanismos internos. O produto precisa, por exemplo, ter regulagem de profundidade do apoio lombar, apoio regulável para cervical e para os antebraços, tanto na largura quanto no direcionamento, e ajuste para a altura. Além disso, estar dentro das normas NR17, que regulamentam a ergonomia no trabalho, pode ser um ponto guia para encontrar cadeiras certificadas.

Exercícios Físicos: A prática regular de exercícios físicos é importante não só para a coluna, mas para a saúde em geral, porém, assim como o exercício faz bem para a saúde, exagerar faz com que tenha efeito oposto. Antes de iniciar qualquer atividade física realize uma avaliação médica e pratique os exercícios sob a supervisão de um profissional. Alguns movimentos exercem enorme carga na coluna e, se realizados sem atenção, podem ter efeito totalmente reverso.

O calçado adequado para cada tipo de esporte também é muito importante. O ideal é comprar um bom tênis que reduza o impacto. Além disso, devemos lembrar que todos os calçados têm vida útil. No caso de atletas que treinam todos os dias esse período de dois ou três meses. Não é mais que isso, pois o tênis é capaz de absorver o impacto e pode causar lesões.

 O ortopedista explica que quando estiver realizando atividade física se sentir alguma dor, pare e repouse. Dores são um sinal de que algo está errado, e é necessário descobrir a causa delas e tratar da forma adequada.

Mochilas: A mochila não deve pesar mais do que 10% do peso de quem está a carregando, além de poder causar escoliose, cifose e lordose. O excesso de peso desse item também pode interferir no crescimento dos jovens. Se precisar carregar mais do que isso, procure utilizar mochilas com puxadores e rodinhas. 

Pernas cruzadas por muito tempo: O movimento de cruzar as pernas por muito tempo desalinha a coluna vertebral, em função da rotação do osso pélvico; ou seja, quanto mais tempo você permanecer nesta posição, mais pressão ocorrerá na coluna vertebral. Além do problema de desvio no quadril, sentar-se com as pernas cruzadas pode causar outro problema: quando um joelho está por cima do outro, o nervo ciático pode sofrer uma compressão.

Cuidar dos bebês: Uma reclamação muito comum das mamães e papais é a dor nas costas ao cuidar dos bebês, porque muitas vezes, eles adotam uma postura inadequada nesses momentos. Ao trocar as fraldas do bebê, utilize um trocador ou um local que tenha altura suficiente para que você não precise ficar com as costas curvadas. Se for trocar na cama, sente-se na cama e procure ficar com as costas retas durante o processo. Quando estiver com o bebê no colo, procure apoiar o peso do corpo em ambas as pernas e ficar com as costas retas. Evite, também, ficar com o quadril para frente. Na hora da amamentação, utilize almofadas ou travesseiros para apoiar a região lombar. Na hora do banho no bebê, a dica é a mesma que a da troca de fraldas: procure se sentar próximo à banheira e mantenha as costas retas, evitando sempre posições em que você precise ficar com a coluna curvada.

“É extremamente importante estarmos atentos sobre a necessidade de prevenir o desgaste e o envelhecimento da coluna. Avaliações preventivas e ações terapêuticas são atitudes que devem fazer parte da rotina das pessoas, independentemente da idade delas. Afinal, a coluna é igual a pele, se não cuidarmos dela, ela acaba envelhecendo antes do tempo” finaliza Martelletto.

* Maurício Martelletto, ortopedista e membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)

Para mais informações sobre coluna clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Máxima Assessoria de Imprensa



Saiba quais são as alergias e doenças respiratórias mais comuns no inverno

A incidência de doenças respiratórias aumenta no inverno devido às baixas temperaturas, ambientes úmidos e poluição.

Autor: Divulgação

Saiba quais são as alergias e doenças respiratórias mais comuns no inverno

Por que o frio é um dos vilões para o cabelo?

A queda de cabelo costuma ser o terror de muita gente. E a chegada do frio torna esse pesadelo ainda mais intenso.

Autor: ‌Melina Oliveira

Por que o frio é um dos vilões para o cabelo?

A era da saúde digital chegou: seus conflitos éticos também

A chamada era digital já transformou toda a área da saúde. Saúde Digital

Autor: Thiago Rocha da Cunha 

A era da saúde digital chegou: seus conflitos éticos também

Queimadas, poluição e tempo seco: como fica a saúde respiratória e ocular?

Cerca de 25% apresentam a síndrome do olho seco nesta época do ano.

Autor: Divulgação

Queimadas, poluição e tempo seco: como fica a saúde respiratória e ocular?

Veranico com calor e poluição é risco para quem faz atividades ao ar livre

Professor de Medicina do Esporte dá dicas de como evitar problemas causados por essa combinação.

Autor: Divulgação

Veranico com calor e poluição é risco para quem faz atividades ao ar livre

O que comer para evitar resfriados e fortalecer o sistema imunológico?

Com a chegada do inverno no próximo dia 21, as temperaturas caem, a umidade aumenta e os vírus e bactérias se propagam com mais facilidade.

Autor: Divulgação

O que comer para evitar resfriados e fortalecer o sistema imunológico?

O tempo seco e as alergias

Com uma nova onda de calor chegando aliada ao tempo seco, comum nesta época do ano, as alergias respiratórias ganham força.

Autor: Divulgação

O tempo seco e as alergias

Nutrição e atividade física: saúde do corpo e da mente

A nutrição adequada fornece ao corpo os nutrientes necessários para funcionar corretamente.

Autor: Divulgação

Nutrição e atividade física: saúde do corpo e da mente

Inverno: frio, vento e tempo seco são alerta para doenças respiratórias

Estação começou; cuidados com a hidratação e alimentação podem ajudar na prevenção de gripes e resfriados.

Autor: Divulgação

Inverno: frio, vento e tempo seco são alerta para doenças respiratórias

Cigarro: eletrônico ou “analógico”, é preciso se livrar dele!

Médicos do Hospital Paulista alertam para as diferentes formas de consumo da nicotina, todas prejudiciais à saúde.

Autor: Divulgação

Cigarro: eletrônico ou “analógico”, é preciso se livrar dele!

Quer envelhecer vivendo mais e melhor?

Então cuide agora da sua pressão arterial.

Autor: Felipe Vecchi

Quer envelhecer vivendo mais e melhor?

Glaucoma atinge milhões de pessoas no país e pode causar a perda de visão

Campanha Maio Verde visa estimular a conscientização sobre o diagnóstico precoce da doença, que tem progressão lenta e assintomática.

Autor: Divulgação

Glaucoma atinge milhões de pessoas no país e pode causar a perda de visão