Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O perigo do silêncio eleva a necessidade dos check-ups

O perigo do silêncio eleva a necessidade dos check-ups

22/09/2022 Rodrigo Felipe

Para cada doença que a ciência conhece, costuma-se associar os sintomas que as caracterizam.

O perigo do silêncio eleva a necessidade dos check-ups

Esses sintomas, como sabemos, são sinais manifestados no corpo (ou por ele), e que ajudam a identificar a enfermidade e a gravidade com que afeta o organismo. O problema é que nem sempre há um sintoma claro, uma manifestação do que vem ocorrendo internamente. E é aí que mora o perigo.

As doenças silenciosas não dão sinais evidentes dos seus efeitos, e, ao mesmo tempo, podem ser extremamente graves e progressivas. São os casos do HIV, da depressão, das disfunções na tireoide, do diabetes, da hipertensão, da hepatite C e de algumas formas de câncer. Nestes casos, a maneira de identificar que há um problema sério com o paciente é fazendo um check-up médico.

Portanto, os riscos são maiores à medida que um indivíduo é menos ativo diante dos cuidados com a própria saúde. Não por acaso, muitas pessoas costumam indagar como se descobre um câncer, por exemplo, se não há nenhuma dor ou problema aparente. Esse tipo de dúvida revela um hábito ainda comum de se enxergar a consulta médica como uma forma de remediação diante de uma enfermidade, não como uma medida preventiva necessária para evitar doenças ou diagnosticá-las precocemente.

Curiosamente, e fazendo um paralelo, muitas pessoas que desconsideram os cuidados com a saúde certamente se ocupam de fazer um check-up no carro para fazer uma viagem, por exemplo, ou mesmo para uma manutenção preventiva. Da mesma forma que se deve dedicar a observar os pneus, realizar um alinhamento e balanceamento e conferir os níveis de óleo e de água, entre outros vários procedimentos, realizar exames preventivos são garantias de que o nosso motor, ou seja, o organismo, está na ordem devida.

O check-up consiste em municiar o médico com informações obtidas por exames clínicos e laboratoriais, como de sangue, urina, fezes e biopsia. Ele também pode solicitar uma ressonância magnética ou uma tomografia. Mas é muito importante que isso ocorra periodicamente, a fim de se certificar de que o corpo apresenta um quadro de saúde adequado, dentro da normalidade.

Portanto, o risco será sempre maior para quem não tem o hábito de ir ao médico. E, justamente pela natureza silenciosa de determinadas doenças, o tempo é um fator que deve ser levado em conta quando observamos os riscos que cada uma delas é capaz de alcançar. A ciência já atesta que, qualquer que seja a enfermidade, quanto antes iniciar o tratamento, melhor. Mas no caso das doenças silenciosas, o início será sempre pra ontem.

* Rodrigo Felipe, empresário e presidente do Grupo First, responsável pela You Saúde.

Para mais informações sobre Doenças clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Vida longa: estudo mostra segredo da longevidade no sangue de centenários

Identificar biomarcadores da longevidade é apenas o primeiro passo, é preciso, também, descobrir fatores que os influenciam.

Autor: Divulgação

Vida longa: estudo mostra segredo da longevidade no sangue de centenários

Sedentarismo: 5 dicas para ser mais ativo mesmo com uma rotina corrida

É preciso incluir as atividades físicas de uma forma natural no seu dia a dia para fugir do sedentarismo.

Autor: Divulgação

Sedentarismo: 5 dicas para ser mais ativo mesmo com uma rotina corrida

Solteiros têm mais chances de morrer do que casados

De acordo com o especialista em relacionamentos, Caio Bittencourt, estar em uma relação pode ajudar na manutenção da saúde de modo geral.

Autor: Divulgação

Solteiros têm mais chances de morrer do que casados

Varizes estouradas? E agora, o que fazer?

As veias das pernas têm a função de levar o sangue ao coração após irrigarem os membros inferiores.

Autor: Divulgação

Varizes estouradas? E agora, o que fazer?

Saiba quais são as alergias e doenças respiratórias mais comuns no inverno

A incidência de doenças respiratórias aumenta no inverno devido às baixas temperaturas, ambientes úmidos e poluição.

Autor: Divulgação

Saiba quais são as alergias e doenças respiratórias mais comuns no inverno

Por que o frio é um dos vilões para o cabelo?

A queda de cabelo costuma ser o terror de muita gente. E a chegada do frio torna esse pesadelo ainda mais intenso.

Autor: ‌Melina Oliveira

Por que o frio é um dos vilões para o cabelo?

A era da saúde digital chegou: seus conflitos éticos também

A chamada era digital já transformou toda a área da saúde. Saúde Digital

Autor: Thiago Rocha da Cunha 

A era da saúde digital chegou: seus conflitos éticos também

Queimadas, poluição e tempo seco: como fica a saúde respiratória e ocular?

Cerca de 25% apresentam a síndrome do olho seco nesta época do ano.

Autor: Divulgação

Queimadas, poluição e tempo seco: como fica a saúde respiratória e ocular?

Veranico com calor e poluição é risco para quem faz atividades ao ar livre

Professor de Medicina do Esporte dá dicas de como evitar problemas causados por essa combinação.

Autor: Divulgação

Veranico com calor e poluição é risco para quem faz atividades ao ar livre

O que comer para evitar resfriados e fortalecer o sistema imunológico?

Com a chegada do inverno no próximo dia 21, as temperaturas caem, a umidade aumenta e os vírus e bactérias se propagam com mais facilidade.

Autor: Divulgação

O que comer para evitar resfriados e fortalecer o sistema imunológico?

O tempo seco e as alergias

Com uma nova onda de calor chegando aliada ao tempo seco, comum nesta época do ano, as alergias respiratórias ganham força.

Autor: Divulgação

O tempo seco e as alergias

Nutrição e atividade física: saúde do corpo e da mente

A nutrição adequada fornece ao corpo os nutrientes necessários para funcionar corretamente.

Autor: Divulgação

Nutrição e atividade física: saúde do corpo e da mente