Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Qual será o futuro do TikTok?

Qual será o futuro do TikTok?

11/08/2020 Dane Avanzi

Os dias parecem estar contados para o TikTok nos Estados Unidos.

Qual será o futuro do TikTok?

Caso o aplicativo não seja comprado por uma empresa estadunidense, como a Microsoft, que já negocia a aquisição, poderá ser banido do país no próximo mês, como determinou o presidente Donald Trump. Em comunicado, o TikTok disse que a decisão foi emitida "sem o devido processo legal".

O conflito velado entre Estados Unidos e China pela hegemonia mundial já dura décadas. Parte dos bastidores da chamada Cyberwar foi desnudada pelo analista de sistemas e ex-agente da CIA Edward Snowden e o fundador do WikiLeaks Julian Assenge. Certamente, o conflito envolvendo o TIkTok é mais um desdobramento dessa guerra virtual envolvendo os dois países.

A recente decisão de Trump envolvendo o aplicativo, que já soma mais de 800 milhões de usuários ativos mensais, foi vista por muitos como uma medida autoritária. É um tema delicado porque envolve uma alegação de ameaça à Segurança Nacional, na visão do governo estadunidense. Autoridades defendem que cidadãos americanos estão sendo monitorados e tendo dados coletados pela ByteDance, startup chinesa detentora do aplicativo. Porém, é preciso lembrar que Facebook, Google, Amazon, entre outras empresas americanas, também têm acesso a dados de usuários em todo o mundo e jamais houve por parte de autoridades estrangeiras a atitude de banimento ora cogitada.

Há de se pontuar, também, o recente revés sofrido por Trump a partir de um movimento organizado pelo TikTok. Usuários do país teriam feito um ato contra o presidente ao se inscreverem para um comício em Tulsa, Oklahoma, e não comparecerem. As imagens do evento praticamente vazio repercutiram no mundo todo, para o constrangimento do líder americano.

Do ponto de vista da liberdade dos cidadãos americanos, o banimento do TikTok representa, no mínimo, um contrassenso – afinal, os Estados Unidos são ou não a terra dos livres (ou “the land of the free”), como bradam em seu hino nacional?

Como o aplicativo é utilizado por jovens, pode haver inclusive uma reação contrária e a rede social ganhar até mais usuários, a exemplo da mobilização que resultou no esvaziamento de um comício. Caso haja ordem judicial determinando a paralização do serviço, provavelmente haverá uma batalha judicial, e, eventualmente, pode ocorrer uma derrota do presidente Trump. A situação é complexa porque Segurança Nacional e liberdade são temas que mobilizam a opinião pública, dois valores basilares para a Democracia Americana.

Outro ponto importante é que, como os Estados Unidos desempenham um papel importante na economia global, certamente poderão influenciar outras nações a tomar a mesma decisão de banir, ou, como contrapartida, incentivar retaliações a empresas americanas em outras partes do mundo, especialmente na Europa, onde o Facebook é frequentemente demandado nas cortes da União Europeia por questões de violação de privacidade, por exemplo. No Brasil, entretanto, acredito que dificilmente poderá haver consequências para os usuários.

Tecnicamente, é possível eliminar o acesso ao aplicativo de todo o território americano, ao obrigar serviços e provedores locais a bloqueá-lo. Isso exigiria uma força-tarefa muito bem estruturada e operando full-time. Portanto, as chances de o banimento dar certo são pequenas.

Governos de todo o mundo vão a reboque da tecnologia. Há tempos, todos os Estados enquanto instituições no mundo vivem em crise por não conseguirem, salvo exceções, garantir o bem-estar social à maioria dos cidadãos. Em razão disso, posturas e visões assíncronas com a realidade dos fatos serão inócuas, especialmente quando tomadas à guisa de atos voluntariosos e à revelia de debate e consenso com as forças e poderes políticos. Por conectar as pessoas de modo direto e democrático nas redes sociais, a tecnologia esvaziou o poder antes exercido por grupos específicos, sendo o poder político, talvez, o que mais precisa se adaptar a essa nova realidade, no que tange à construção de ideias e projetos com a população.

Sendo banido ou não, uma consequência é certa: o presidente Trump sairá desgastado do episódio. Em verdade, hoje, qualquer Estado do mundo possui limitado controle sobre a internet, a tecnologia. Se conseguir banir o aplicativo, a democracia americana sairá arranhada do episódio. Lembrando uma célebre frase da Dama De Ferro, Margaret Thatcher, “estar no poder é como ser uma dama: se você tiver que lembrar as pessoas que você é, você não é.” Reconhecer essa vulnerabilidade é essencial para saber as guerras que podem ser lutadas - e vencidas - e como se posicionar no jogo.

* Dane Avanzi é empresário, advogado e Diretor do Grupo Avanzi.

Fonte: InformaMídia



Startups participantes do Agita AgTech apresentam-se no Agro Future Summit

Eventos de inovação e tecnologia para o agronegócio estimulam empresas a transformar ideias em negócios.


Startup de agricultura urbana lança horta inteligente

Com ciclo de iluminação inteligente, sistema autoirrigável e mix de plantio, produto tem capacidade para até seis plantas.

Startup de agricultura urbana lança horta inteligente

BNDES seleciona 25 startups para apoio financeiro gratuito

Empresas foram escolhidas dentre 1.366 empreendimentos.

BNDES seleciona 25 startups para apoio financeiro gratuito

Startup lança jornada para quem quer deixar o consumo de carne e derivados

Healthtech Dei Um Tempo, reconhecida pela metodologia que apoia pessoas na mudança de hábitos indesejados, reúne especialistas e lança um programa especial para este público crescente.

Startup lança jornada para quem quer deixar o consumo de carne e derivados

Mais de 500 startups inscritas no “ilmpact”

Iniciativa do Innovation Latam em parceria com a Fundação Dom Cabral qualifica startups comprometidas com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável definidos pela ONU.

Mais de 500 startups inscritas no “ilmpact”

Startup de logística recebe aporte e investe em nova plataforma de compras de fretes

Everlog atende indústria, varejo e e-commerce e, ao completar cinco anos em 2021, amplia soluções e projeta dobrar de tamanho

Startup de logística recebe aporte e investe em nova plataforma de compras de fretes

Startup aposta em robôs para hiperautomatizar processos

Run2Biz se lançou no mercado dois dias antes da pandemia estourar, superou as dificuldades e hoje já concorre com gigantes internacionais.

Startup aposta em robôs para hiperautomatizar processos

Petrobras divulga 30 startups pré-selecionadas para edital de inovação

Candidatas disputarão, até o fim do ano, aportes para projetos em diferentes verticais tecnológicas.


Startup de contabilidade recebe Prêmio Empresa Brasileira do Ano 2021

Empresa é reconhecida pelas práticas de gestão e recebe honraria da Latin American Quality Institute.

Startup de contabilidade recebe Prêmio Empresa Brasileira do Ano 2021

Startup de saúde lança app de carteira digital de vacinas

Solução na nuvem permite centralizar e gerir todos os dados sobre as vacinas tomadas e a serem tomadas por familiares, funcionários e alunos.


Instituto Mauricio de Sousa e a startup Matraquinha fecham parceria

Ação visa levar mais informações sobre o autismo com o personagem André.

Instituto Mauricio de Sousa e a startup Matraquinha fecham parceria

Mobills lança comparador de cartão de crédito

A tecnologia permite que qualquer pessoa analise e compare mais de 67 opções de cartões de crédito existentes no mercado para entender qual mais se adequa ao seu perfil.

Mobills lança comparador de cartão de crédito