Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

14/05/2019 Ale Netto

Conheça a estratégia do Itaú.

O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

Na mais recente evidência de que a captura de transações de cartão se tornou uma commodity, o Itaú está prestes a lançar uma carteira digital para pagamentos via QR Code e disponível no celular – num movimento que visa antecipar a tendência de pagamentos instantâneos e mira principalmente a população desbancarizada.

É a primeira iniciativa de um grande banco brasileiro em direção a esse tipo de serviço, que já vem sendo oferecido no País de forma incipiente — mas crescente — por plataformas de varejo, como o Mercado Pago, do Mercado Livre, e o Payly, da Cosan.

Batizado de iti, o app ainda está em fase de testes e deve estar disponível para download em julho.

“47% dos pagamentos hoje ainda são feitos em dinheiro no Brasil. Tem uma população desbancarizada grande que podemos atender com essa solução”, diz Livia Chanes, diretora do Itaú encarregada do iti.

O modelo de carteira digital — popular na China — ainda é pouco disseminado no Brasil. Menos de 1% da população brasileira utiliza esse meio de pagamento.

O iti será agnóstico, e não restrito a clientes do Itaú.

O usuário fará o download gratuitamente e o cadastro exigirá apenas dados básicos, sem necessidade de comprovar renda. O cliente colocará dinheiro na conta através de transferência de qualquer banco ou pagamento por boleto.

Com isso, poderá fazer pagamentos via QR Code utilizando o código disponibilizado pelos estabelecimentos, e transferências para outros players cadastrados do iti, de forma gratuita. DOC e TED serão cobrados.

O app permitirá também que sejam cadastrados cartões de crédito de qualquer banco e bandeira — a exemplo do que acontece com o Apple Pay.

Será cobrada uma taxa de 1% dos lojistas nas transações, e os valores caem na hora, sem custo de antecipação, uma prova de que o Itaú vê cada vez menos valor agregado no negócio de adquirência. Para efeito de comparação: a Rede cobra uma taxa de 3,49% em média para as transações com crédito em D+2.

No modelo, a taxa vai integralmente para o iti e não há divisão entre bandeira, adquirente e emissor. A Rede fechou um contrato de prestação de serviço com a plataforma e ganhará um fee mensal pelo volume transacionado via maquininhas.

Quem ganha a guerra das maquininhas quando não houver mais maquininhas? “Estamos entrando num mundo novo”, diz um investidor de VC em empresas de tecnologia. “Por outro lado, [o Itaú] vai bater de frente com os grandes como o Mercado Pago e a Rappi, que estão desenvolvendo ecossistemas baseados em wallets digitais.”

O iti começará como uma plataforma de pagamentos, mas a ideia é que, com o tempo, novas funcionalidades sejam introduzidas na plataforma. “Vamos incluir crédito, seguros e investimentos”, disse o diretor de banco de varejo do Itaú, Márcio Schettini.

Segundo ele, a nova plataforma expande o mercado endereçável e dá um serviço complementar aos clientes que já utilizam os serviços do banco.

A iniciativa do Itaú pode parecer estranha: afinal, o iti pode canibalizar as receitas da própria Rede.

Mas tudo fica mais claro quando se considera o contexto regulatório.

O Banco Central deve regulamentar — já no segundo semestre — a interoperabilidade entre os meios de pagamento, o que o BC chama de “Pagamento 24x7”.

O novo sistema vai tornar obsoletos as formas de pagamento tradicionais, como o TED, o DOC e cartões de débito, e vai diminuir a relevância de adquirentes e bandeiras.

Na prática, o novo sistema é uma central de liquidação — provavelmente usando tecnologia blockchain — na qual cada player do mercado (correntistas, bancos, lojistas) vai publicar o seu QR Code, permitindo pagamentos por qualquer parte envolvida no arranjo.

Hoje, os pagamentos em QR Code funcionam “intrabanco” (um modelo fechado em que você e o lojista têm que ser correntistas do mesmo banco ou wallet para fazer a transferência). A partir do segundo semestre, o sistema deve funcionar entre quaisquer participantes do mercado.

Os adquirentes ainda poderão ser protagonistas se aceitarem o QR Code de terceiros, como Cielo já faz com o Agibank, como parte de um acordo fechado no final do ano passado.



Concurso Desafio IoT promove visibilidade para startups

Vencedores serão remunerados e participarão da Technology Hub Brasil 2019.


Brasileiros confiam mais na tecnologia do que em seres humanos

Estudo mostra que mais da metade dos brasileiros prefere que suas informações estejam nas mãos da tecnologia

Brasileiros confiam mais na tecnologia do que em seres humanos

Petrobras e Sebrae firmam parceria para apoiar projetos de inovação em startups

A iniciativa é parte do programa Petrobras Conexões para Inovação.


Hard Rock Café investe em tecnologia brasileira de IoT

Em parceria com a startup ChoppUP, a unidade de Curitiba serve as bebidas por meio de uma máquina que enche os copos de baixo para cima

Hard Rock Café investe em tecnologia brasileira de IoT

A Inteligência Artificial já chegou na indústria

Robôs que se movem de maneira autônoma e inteligente tomando decisões e prevendo cenários estão mais próximos do que se imagina.

A Inteligência Artificial já chegou na indústria

O Deep Fake está cada vez mais comum e assusta com o poder da tecnologia

Ferramenta tecnológica é utilizada principalmente em vídeos

O Deep Fake está cada vez mais comum e assusta com o poder da tecnologia

Sindicalismo 4.0 e a revolução tecnológica

A Quarta Revolução Tecnológica afeta diretamente trabalhadores, empresas, governos e sindicatos.


O Futuro do Varejo está na Palma da sua Mão

"O cliente não quer mais ir até as marcas e produtos, ele quer que tudo isso chegue até ele da forma mais natural e conveniente possível."

O Futuro do Varejo está na Palma da sua Mão

Mercado de trabalho na tecnologia: é preciso transformar os ‘carlitos’

A função exercida por Carlitos em uma das produções de mais sucesso de Chaplin, hoje, foi quase inteiramente substituída por automação robótica.


Campus Party deve reunir 70 mil pessoas em Brasília

Serão mais de 350 horas de programação em cinco dias de duração

Campus Party deve reunir 70 mil pessoas em Brasília

O futuro dos meios de pagamento por aproximação

Imagine pagar o metrô, mercado, cinema e restaurante com o mesmo cartão, sem levar nem um segundo sequer para fechar cada uma dessas transações.

O futuro dos meios de pagamento por aproximação

Brasileiros vencem torneio internacional de robótica no Uruguai

Os estudantes brasileiros que participaram do torneio têm entre 9 e 16 anos

Brasileiros vencem torneio internacional de robótica no Uruguai