Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

14/05/2019 Ale Netto

Conheça a estratégia do Itaú.

O mercado de pagamentos está à beira de uma revolução

Na mais recente evidência de que a captura de transações de cartão se tornou uma commodity, o Itaú está prestes a lançar uma carteira digital para pagamentos via QR Code e disponível no celular – num movimento que visa antecipar a tendência de pagamentos instantâneos e mira principalmente a população desbancarizada.

É a primeira iniciativa de um grande banco brasileiro em direção a esse tipo de serviço, que já vem sendo oferecido no País de forma incipiente — mas crescente — por plataformas de varejo, como o Mercado Pago, do Mercado Livre, e o Payly, da Cosan.

Batizado de iti, o app ainda está em fase de testes e deve estar disponível para download em julho.

“47% dos pagamentos hoje ainda são feitos em dinheiro no Brasil. Tem uma população desbancarizada grande que podemos atender com essa solução”, diz Livia Chanes, diretora do Itaú encarregada do iti.

O modelo de carteira digital — popular na China — ainda é pouco disseminado no Brasil. Menos de 1% da população brasileira utiliza esse meio de pagamento.

O iti será agnóstico, e não restrito a clientes do Itaú.

O usuário fará o download gratuitamente e o cadastro exigirá apenas dados básicos, sem necessidade de comprovar renda. O cliente colocará dinheiro na conta através de transferência de qualquer banco ou pagamento por boleto.

Com isso, poderá fazer pagamentos via QR Code utilizando o código disponibilizado pelos estabelecimentos, e transferências para outros players cadastrados do iti, de forma gratuita. DOC e TED serão cobrados.

O app permitirá também que sejam cadastrados cartões de crédito de qualquer banco e bandeira — a exemplo do que acontece com o Apple Pay.

Será cobrada uma taxa de 1% dos lojistas nas transações, e os valores caem na hora, sem custo de antecipação, uma prova de que o Itaú vê cada vez menos valor agregado no negócio de adquirência. Para efeito de comparação: a Rede cobra uma taxa de 3,49% em média para as transações com crédito em D+2.

No modelo, a taxa vai integralmente para o iti e não há divisão entre bandeira, adquirente e emissor. A Rede fechou um contrato de prestação de serviço com a plataforma e ganhará um fee mensal pelo volume transacionado via maquininhas.

Quem ganha a guerra das maquininhas quando não houver mais maquininhas? “Estamos entrando num mundo novo”, diz um investidor de VC em empresas de tecnologia. “Por outro lado, [o Itaú] vai bater de frente com os grandes como o Mercado Pago e a Rappi, que estão desenvolvendo ecossistemas baseados em wallets digitais.”

O iti começará como uma plataforma de pagamentos, mas a ideia é que, com o tempo, novas funcionalidades sejam introduzidas na plataforma. “Vamos incluir crédito, seguros e investimentos”, disse o diretor de banco de varejo do Itaú, Márcio Schettini.

Segundo ele, a nova plataforma expande o mercado endereçável e dá um serviço complementar aos clientes que já utilizam os serviços do banco.

A iniciativa do Itaú pode parecer estranha: afinal, o iti pode canibalizar as receitas da própria Rede.

Mas tudo fica mais claro quando se considera o contexto regulatório.

O Banco Central deve regulamentar — já no segundo semestre — a interoperabilidade entre os meios de pagamento, o que o BC chama de “Pagamento 24x7”.

O novo sistema vai tornar obsoletos as formas de pagamento tradicionais, como o TED, o DOC e cartões de débito, e vai diminuir a relevância de adquirentes e bandeiras.

Na prática, o novo sistema é uma central de liquidação — provavelmente usando tecnologia blockchain — na qual cada player do mercado (correntistas, bancos, lojistas) vai publicar o seu QR Code, permitindo pagamentos por qualquer parte envolvida no arranjo.

Hoje, os pagamentos em QR Code funcionam “intrabanco” (um modelo fechado em que você e o lojista têm que ser correntistas do mesmo banco ou wallet para fazer a transferência). A partir do segundo semestre, o sistema deve funcionar entre quaisquer participantes do mercado.

Os adquirentes ainda poderão ser protagonistas se aceitarem o QR Code de terceiros, como Cielo já faz com o Agibank, como parte de um acordo fechado no final do ano passado.



A revolução virtual é realidade

O mundo real e o virtual estão cada vez mais próximos e correlacionados um com o outro.


Porsche lança seus primeiros carros elétricos

Montadora alemã aposta em um esportivo de luxo para competir com a Tesla.

Porsche lança seus primeiros carros elétricos

Apple projeta óculos de realidade aumentada

Não há uma palavra oficial sobre a data de lançamento do possível AR da Apple, mas é provável que seja até o final de 2020.

Apple projeta óculos de realidade aumentada

Rússia envia seu primeiro robô humanoide ao espaço

Em 2011, os Estados Unidos enviaram um robô humanoide ao espaço.

Rússia envia seu primeiro robô humanoide ao espaço

Internet 5G estará disponível em 60% do mundo até 2025

Estudo encomendado pela chinesa Huawei prevê que 6,2 bilhões de pessoas terão acesso à tecnologia.

Internet 5G estará disponível em 60% do mundo até 2025

Aplicativo facilita carregamento de dispositivos eletrônicos

Keep Charged permite localizar pontos de carregamento de celular, banheiros públicos e até sinal de Wi-fi.

Aplicativo facilita carregamento de dispositivos eletrônicos

Brasil sofreu 15 bilhões de ataques cibernéticos em 3 meses, diz estudo

Ameaças cibernéticas estão crescendo em ritmo alarmante, tanto em quantidade quanto em sofisticação.

Brasil sofreu 15 bilhões de ataques cibernéticos em 3 meses, diz estudo

Como o uso de drones vem transformando a construção civil

Tecnologia é capaz de otimizar o tempo, reduzir custos e aceleração dos resultados.

Como o uso de drones vem transformando a construção civil

Living Lab – como será o futuro das cidades?

“Além de uma vitrine para que prefeitos possam ver o funcionamento das tecnologias num ambiente real, o Living Lab é um grande local de testes”.

Living Lab – como será o futuro das cidades?

Brasil cai duas posições no principal ranking internacional de inovação

Desempenho no Índice Global de Inovação reforça necessidade de investir em inovação no país.

Brasil cai duas posições no principal ranking internacional de inovação

Hub de inovação em bionegócios lança nova oportunidade para startups

BiotechTown abre inscrições para a 2ª edição de Programa de Desenvolvimento de Negócios, com investimentos de R$ 150 mil por empresa.


Rumo e Senai lançam edital de inovação para o setor ferroviário

Processo irá selecionar projetos de inovação para o desenvolvimento de soluções tecnológicas em materiais e estruturas para a logística ferroviária.

Rumo e Senai lançam edital de inovação para o setor ferroviário