Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A matemática da democracia e a reconquista da política

A matemática da democracia e a reconquista da política

20/07/2020 Fernando Mânica

Todos os dias imprensa e mídias sociais repercutem notícias que desabonam membros do Poder Legislativo.

Retrato da nossa realidade. E que gera muitos cliques. Nesse cenário, ganham força propostas de mudança no sistema representativo brasileiro.

Algumas delas, como a restrição aos poderes do Legislativo e, mesmo, do Judiciário, sequer merecem ser levadas a sério.

Outras merecem ser discutidas, como a que trata da diminuição do número dos atuais 513 deputados e 81 senadores.

Um dos argumentos para a diminuição de congressistas é a contenção de custos. Afinal, temos o segundo Congresso que mais consome recursos no mundo.

Entretanto, um olhar mais atento permite perceber que o valor não é significativo quando analisado vis-à-vis o orçamento da União (R$ 3,6 trilhões de reais).

Considerando que cada centavo de recurso público deve ser economizado, é possível diminuir os gastos dos atuais congressistas.

Para se ter uma ideia, em países europeus, o custo de um parlamentar varia entre 5 e 20 vezes menos que o custo de um congressista brasileiro.

Outro argumento costuma vir da comparação com outros países. Entretanto, os números brasileiros encontram-se abaixo da média mundial.

Afora os Estados Unidos, onde a União possui competências restritas, o Brasil possui proporcionalmente menos representantes que nações com democracia consolidada.

A Itália, por exemplo, que possui menos de 30% da população brasileira, fará referendo popular para a diminuição de 968 para 617 congressistas.

O terceiro argumento a favor da diminuição de legisladores consiste em facilitar o consenso entre eles. É bem verdade que tal meta tem sido cada vez menos tangível, dada a multiplicidade de interesses sociais em jogo.

O problema pode ser enfrentado com a transferência de parcela das decisões para órgãos técnicos especializados.

Mas as questões estruturais da nação devem ser discutidas com o máximo de representatividade do tecido social brasileiro.

Nesse ponto, deve-se destacar que a Câmara dos Deputados representa a população, enquanto o Senado representa os Estados e Distrito Federal.

Por isso, o número de deputados federais é proporcional ao número de habitantes e o número de senadores é sempre três por Unidade Federativa. Entretanto, a Constituição prevê que cada Estado deve ter o mínimo de oito e o máximo de 70 deputados federais.

Com isso, Estados pouco populosos possuem mais representantes ‘per capita’ que Estados mais populosos. Essa é a conta a ser recalculada, a fim de resguardar o equilíbrio na função representativa dos deputados.

Além disso, a diminuição do número total de congressistas pode facilitar a cooptação ou captura do Poder Legislativo pelo Executivo, com prejuízo de sua função fiscalizadora.

Isso seria ainda mais problemático na hipótese de redução do número de deputados estaduais e de vereadores.

Precisamos de austeridade, boa política e bons políticos. Que a insatisfação geral com nossos parlamentares fortaleça nossa representação, racionalizando seu custo sem diminuir sua quantidade.

A proposta de redução das casas legislativas empobrece e enfraquece a democracia. Ainda que gere manchetes e curtidas.

* Fernando Mânica é doutor pela USP e professor do Mestrado em Direito da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.