Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Taxa de Condomínio e o real valor a ser cobrado

A Taxa de Condomínio e o real valor a ser cobrado

17/11/2015 Bady Curi Neto

O STF decidiu pela ilegalidade da cobrança tendo como base o tamanho do imóvel.

Muito se tem discutido a respeito da taxa de condomínio das coberturas e lojas que costumam ser cobradas, de acordo com a convenção coletiva, em um valor correspondente a fração ideal, ou seja, de acordo com o tamanho do imóvel.

A questão vem sendo discutida diuturnamente nos nossos tribunais, e após várias decisões conflitantes, ora com ganho a favor da tese que o valor da taxa condominial deve ser cobrado em observância a fração ideal, ora não, está sendo pacificada em nossos Tribunais.

O Superior Tribunal de Justiça (STF) decidiu pela ilegalidade da cobrança tendo como base o tamanho do imóvel. Algumas decisões, inclusive, determinam a restituição dos valores pagos, a maior, a partir do ajuizamento da ação judicial, uma vez que se considerada ilegal deve ser devolvida ao autor da ação, com juros e correção monetária.

A decisão baseia-se na tese jurídica que o fato de um apartamento ser maior do que os outros, como no caso das coberturas, não implica diretamente em onerar os gastos do condomínio, pois algumas delas são fixas para uso de todos, a saber; porteiros, luz, água e limpeza das áreas em comum.

Se as despesas comuns são iguais para todos, a cobrança proporcional à fração ideal geraria um enriquecimento ilícito aos proprietários das unidades menores, certo que, como visto, a área maior de um apartamento não onera os demais proprietários.

Há de se observar que no caso de não haver hidrômetros separados para cada unidade deverá ser, nesta despesa, realizado uma perícia técnica para verificar qual o impacto de gasto de uma unidade maior sobre a menor. Sendo todas as despesas particulares das unidades autônomas individualizadas (luz, água, gás) a matéria passa a ser eminentemente de direito, não havendo provas a produzir na instrução do processo judicial, o que, a toda evidência, o torna mais célere.

Chama-se a atenção que apesar da lei prever a soberania da convenção de condomínios em razão da votação da maioria (2/3 dos proprietários) esta não pode ferir princípios legais, devendo ser observado sempre o princípio da boa fé, o que implica em não permitir o enriquecimento ilícito de uns em prejuízo daquele que possui uma unidade de maior tamanho.

A regra anterior questionada e reprimida pela justiça tem dado um alento aos proprietários de imóveis em condomínio de tamanho maior do que os demais, pois a diferença de valores da descabida taxa condominial era por diversas vezes fator de desvalorização para aluguéis e a própria comercialização dos imóveis.

Como se vê, a tendência para quem busca a tutela jurisdicional para ver seu direito de recolher a taxa de condomínio no mesmo valor, independente do tamanho do imóvel, é o ganho de causa.

* Bady Curi Neto é advogado, fundador da Bady Curi Advocacia Empresarial e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.