Portal O Debate
Grupo WhatsApp

AGU defende no STF venda de refinarias da Petrobras

AGU defende no STF venda de refinarias da Petrobras

05/10/2020 Divulgação

O Advogado-Geral da União, José Levi Mello do Amaral Júnior, sustentou que decisão do próprio STF garante autonomia empresarial das estatais para criar, extinguir ou alienar subsidiárias.

A venda de refinarias subsidiárias da Petrobras tem amparo jurídico e está alinhada às diretrizes fixadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, na ação direta de inconstitucionalidade (ADI) n° 5.624.

Esta foi a defesa do Advogado-Geral da União, José Levi Mello do Amaral Júnior, sustentada em plenária do Supremo, realizada por videoconferência, na quarta-feira (30/09).

A sessão retoma julgamento iniciado na última semana no plenário virtual. O presidente da corte, ministro Luiz Fux, decidiu levar o tema para discussão pública, depois de três votos proferidos.

No caso – pedido de liminar em reclamação (RCL) nº 42.576/DF –, o Congresso questiona a venda de oito refinarias da Petrobras e outros ativos, até 2021, sem autorização formal do poder legislativo.

Para as Mesas do Congresso Nacional e do Senado Federal, a ação representaria uma tentativa de vender fatias da estatal para a iniciativa privada por meio de desmembramento da matriz e estaria em desacordo com o entendimento fixado pelo Supremo.

Em sua sustentação oral, José Levi destacou os termos da decisão proferida pelo Supremo na ADI 5.624, sob relatoria do ministro Ricardo Lewandowski, para defender o plano de desinvestimento da Petrobras.

“Na Ação Direta paradigma, ficou definida a distinção entre desestatizar e desinvestir. Uma coisa é alienar a própria estatal, a ‘empresa-mãe’; outra, bastante diversa, é quando as estatais, na autonomia empresarial e negocial que possuem, podem e devem criar, extinguir ou alienar subsidiárias segundo a conveniência da realização dos respectivos objetos sociais e das suas estratégias empresariais”, frisou.

O Advogado-Geral justificou a regularidade dos processos de alienação de subsidiárias da Petrobras já em andamento e reforçou que os procedimentos são decorrentes diretos de um acordo firmado junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que inclui o compromisso de desinvestimento.

“O Termo de Compromisso de Cessação de Prática no Cade implica a venda de oito refinarias, metade das que a Petrobras possui, mantendo as mais rentáveis, sem desfavorecer quaisquer regiões do país”, pontuou José Levi.

O termo prevê a alienação da Refinaria Abreu e Lima (RNEST); da Unidade de Industrialização de Xisto (SIX); da Refinaria Landulpho Alves (RLAM); da Refinaria Gabriel Passos (REGAP); da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR); da Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP); da Refinaria Isaac Sabbá (REMAN); da Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (LUBNOR) e seus respectivos ativos de Transporte.

José Levi explicou que o objetivo do modelo de subsidiária adotado pela Petrobras é tornar a transição mais robusta, e salientou que a abordagem foi validada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por meio do acórdão 1.952/2020.

Por fim, o Advogado-Geral reiterou que o modelo de desinvestimentos da empresa estatal é estratégico para fomentar a competição no setor e atrair novos investidores.

“Dentre as principais petroleiras, a Petrobras ainda é a mais endividada: nos últimos cinco anos, pagou US$ 107 bilhões de encargos financeiros, sendo US$ 70 bilhões em dívida e US$ 37 bilhões em juros. Por outro lado, a Petrobras desinvestiu, em 2019, US$ 16 bilhões, mas investiu outros US$ 27 bilhões”, explicou José Levi.

“Graças a esses movimentos, a Petrobras pode arrematar o Campo de Búzios, no pré-sal, permitindo recordes de produtividade e exportação mesmo em meio à pandemia, com 1,1 milhão de barris/dia em abril de 2020”, concluiu.

A sessão foi interrompida após as sustentações orais e a previsão é que o julgamento seja retomado nesta quinta-feira (1/10), com os votos dos ministros.

Referência: Medida cautelar na reclamação (RCL) nº 42.576/DF.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Advocacia-Geral da União (AGU)



O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.