Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Brasil não sabe reconhecer o legado de seus aposentados

Brasil não sabe reconhecer o legado de seus aposentados

27/01/2018 Murilo Aith

No dia 24 de janeiro comemora-se o Dia do Aposentado no país.

Apesar de ser uma data importante, não se tem muito o que comemorar. No início de 2018, os aposentados brasileiros já sofreram mais um duro golpe. O Governo Federal reajustou o salário mínimo com índices abaixo da inflação pelo segundo ano consecutivo.

Conforme o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), o acumulado nos últimos 12 meses foi de 2,07%, mas o governo repassou apenas 1,81% para o mínimo, que serve de base para os benefícios do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

Importante ressaltar que cerca de 70% dos aposentados do INSS recebem a faixa salarial mínima no país e, apesar do Governo Federal agir conforma a legislação, não é justo ou razoável com os idosos que têm um custo alto elevado, principalmente com remédios, plano de saúde e alimentação.

Trata-se de uma afronta a dignidade humana, pois muitos dos 22 milhões de aposentados que recebem o salário mínimo não conseguem se sustentar com esse dinheiro e precisam recorrer à família ou vivem em situação de miserabilidade. O cálculo deveria considerar a inflação do idoso que paga, por exemplo, de plano de saúde, de mais de R$ 700,00 mensais, isso se considerarmos as operadoras mais baratas.

Ou seja, como um aposentado que paga esse valor de plano de saúde conseguirá ter dinheiro para roupas, comida, conta de luz, conta de água e outras necessidades básicas para sobrevivência, ganhando um salário mínimo de R$ 954,00? Impossível. O reajuste dos benefícios do INSS está longe da realidade da população e do custo de vida no Brasil.

O percentual aplicado não reflete, na prática, o aumento da gasolina, dos alimentos e medicamentos que o idoso também tem de arcar. Se o índice oficial do INPC fosse aplicado ao salário mínimo, o piso do benefício chegaria a R$ 955,78, em vez dos R$ 954,00 já vigentes.

O teto da Previdência Social, por sua vez, com o reajuste de 2,07%, subirá para R$ 5.645,80 – em 2017, o valor era R$ 5.531,31. E mesmo assim, com o reajuste do índice oficial, o valor estaria bem longe da realidade.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo 2017 também ficou defasado, uma vez que o reajuste foi de 6,48% e as perdas inflacionárias chegaram a 6,58%. As perdas nos dois últimos anos contabilizam 0,34%. E a tendência é que os direitos do aposentado e do trabalhador brasileiro continuem sofrendo duros golpes.

O texto da reforma da Previdência poderá ser votado no próximo mês no Congresso Nacional e extinguir, por exemplo, a aposentadoria por tempo de contribuição, pois determinará uma idade mínima de 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres, além de um mínimo de 40 anos de contribuição para o recebimento do valor integral do benefício. Infelizmente, a equipe econômica do Governo Federal não está preocupada com a vida do aposentado brasileiro

É um verdadeiro desprezo. Falta saúde, falta dignidade humana, falta política séria aos idosos no Brasil. E ainda, somos obrigados a ouvir que a reforma da Previdência combaterá privilégios. Pura mentira, pois 70% dos aposentados no país vivem com um salário mínimo.

Que privilégio é esse? O aposentado no Brasil é mais um reflexo do descaso da classe política, com os cidadãos. Precisamos continuar juntos, na batalha contra essa barbárie diária. E apesar da tristeza, é importante sempre homenagear e reconhecer o legado dos aposentados brasileiros.

Com o seu suor e dedicação, ajudaram a construir e desenvolver esse país, que não sabe reconhecer seu valor. Obrigado aos aposentados por sua árdua contribuição e batalha diária, por um Brasil melhor.

* Murilo Aith é advogado especialista em Direito Previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados.



Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Autor: Divulgação


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani