Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Breves notas sobre a ‘uberização’ e a relação de emprego

Breves notas sobre a ‘uberização’ e a relação de emprego

23/10/2020 Laura Ferreira Diamantino Tostes

O fenômeno da “uberização” surge em meio à quarta revolução industrial ou digital – realidade em que as relações sociais estão fortemente influenciadas pela velocidade da informação e pelos avanços tecnológicos.

Na era da “gig economy” ou economia de bico, emergem relações de trabalho intermediadas por plataformas digitais (crowdwork), em que o controle é transferido para algoritmos e consumidores, que assumem a função de fiscalizar e avaliar a forma como os trabalhadores prestam os seus serviços.

A fluidez do controle – no contexto da modernidade líquida de Zygmunt Bauman e da sociedade do controle de Gilles Deleuze – e a liberdade dada aos obreiros, mormente no que se refere à frequência e aos horários de trabalho, colocam em xeque a configuração do vínculo de emprego com a plataforma digital.

A relação de emprego clássica é configurada a partir da reunião dos cinco elementos fáticos e jurídicos – artigos 2º e 3º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) -, dentre os quais, destaca-se a subordinação jurídica.

O artigo 6º da CLT, equipara o trabalho realizado no estabelecimento do empregador, no domicílio do empregado e o executado à distância, desde que os citados pressupostos estejam presentes.

O controle da prestação de serviços pode se dar por meio de algoritmos – configurando uma subordinação algorítmica ou digital –, o que enquadra a relação jurídica havida entre o trabalhador e as empresas digitais como empregatícia.

É importante pontuar que, mesmo na hipótese de não reconhecimento da relação de emprego – conforme a jurisprudência que vem se delineando nos tribunais trabalhistas –, tratando-se de relação de trabalho, devem ser garantidos os direitos trabalhistas previstos no artigo 7º da Constituição da República.

A Declaração de Filadélfia de 1944, estabelece que o trabalho não é mercadoria e este é um dos princípios fundamentais em que se funda a Organização Internacional do Trabalho.

A Recomendação 198, de 2016, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), impõe aos Estados a obrigação de revisão periódica da legislação nacional, a fim de garantir a proteção efetiva aos trabalhadores.

Ainda dispõe que as políticas nacionais, devem combater as relações jurídicas trabalhistas que mascarem o verdadeiro enquadramento legal, hábeis a impedir a proteção dos trabalhadores, além de ressaltar a presunção de que há uma relação justrabalhista sempre que um ou mais indicadores estiverem presentes.

A jurisprudência dos tribunais superiores é dissonante quanto ao tratamento jurídico a ser dado à matéria.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) – em decisão proferida pela Segunda Turma, não vinculante – entendeu que a competência para processar e julgar os litígios oriundos das relações entre as plataformas digitais e os trabalhadores é da Justiça comum estadual.

Por outro lado, o Tribunal Superior do Trabalho (TST), em decisões recentes e que também não são de observância obrigatória, rechaça a configuração do vínculo de emprego – há intensa divergência nos Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) –, entendendo pela existência de uma relação de trabalho marcada pela autonomia e com o trespasse de significativo percentual do valor obtido com os serviços prestados aos empregados.

Registre-se que a jurisprudência que vem se consolidando no Brasil, pela não configuração do vínculo de emprego entre os trabalhadores e as plataformas eletrônicas, está na contramão da solução jurídica delineada em outros países, em que estão sendo garantidos os direitos trabalhistas, citando-se, de forma exemplificativa, os Estados Unidos – no estado da Califórnia – e a Inglaterra.

Portanto, as relações trabalhistas inseridas na economia de compartilhamento, impõem a evolução dos conceitos jurídicos outrora acomodados em concepções clássicas, a fim de emprestar concretude e efetivar a proteção social garantida pela Constituição da República.

* Laura Ferreira Diamantino Tostes é mestre em Direito, assessora de desembargadora do TRT3 e professora na Faculdade de Direito Milton Campos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Principais dúvidas sobre o encarregado de dados previsto na LGPD

A Lei Geral de Proteção de dados (LGPD) regulamenta o tratamento dos dados pessoais por pessoa física ou por pessoa jurídica de direito público ou privado no território nacional.


Conheça os riscos da sua empresa não se adequar à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) está em vigor desde 18 de setembro com o objetivo de trazer mais segurança em relação ao tratamento dos dados pessoais dos titulares.


Conheça os requisitos para entender definitivamente o que é uma união estável

Quando o assunto é união estável sempre vem na nossa cabeça que é preciso ter convivência por cinco anos para comprovar a relação ou ter filhos.


A compra de imóvel em leilão pode ser anulada?

A compra de um imóvel em leilão pode ser anulada quando não forem observados vícios no processo, sejam processuais, quanto ao devedor ou quanto ao imóvel, quando da consulta do processo que levou o imóvel a leilão.


AGU fecha acordo bilionário com o Grupo OI

Pagamento referente a multas aplicadas pela Anatel encerra litígios judiciais.


Supermercado é condenado por negar a cliente ida ao banheiro

Funcionários negaram ao cliente acesso ao banheiro do supermercado.


Mudança de cidade com os filhos: é necessária a autorização do outro genitor?

A Constituição da República de 1988 estabelece, em seu artigo 229, que os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos que ainda não atingiram a maioridade.


Justiça obriga Facebook a reativar perfil

Denúncia falsa de uso indevido de marca foi motivo para excluir conta.


A constitucionalidade da lista suja do trabalho escravo

A Constituição da República, no artigo 5º, inciso III, estabelece que ninguém será submetido a tratamento desumano ou degradante, tratando-se de princípio que ecoa a normatização internacional – Convenção das Nações Unidas sobre escravatura (1926), Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e Convenção Americana sobre Direitos Humanos (1969).


Banco é proibido de contratar cartão via telefone

Justiça determina que empresa faça mensagem de alerta para pessoas acima de 60 anos.


Cotas Raciais – A verdade por trás das mentiras

Em tempos de polarização política, importante iniciar destacando que este texto não tem objetivos políticos para nenhum lado.


E os prefeitos eleitos sub judice, como ficam?

As eleições do último dia 15 de novembro, que em grande parte dos municípios do Brasil já definiram seus futuros prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, mas em alguns deles, os eleitos estão a enfrentar batalhas judiciais para a confirmação das respectivas candidaturas, com o afastamento de eventuais inelegibilidades.