Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

26/05/2020 Flávio Pierobon e Lucas de Oliveira Macedo

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.

No início de 2020 foi sancionada a lei que, por meio  da Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo (Ciptea), visa efetivar direitos às pessoas com o transtorno - dentre eles, o atendimento prioritário e adaptado em serviços públicos ou privados. Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação, apenas se sabe que será breve e de escala nacional. A primeira tentativa de integração ocorreu no Amazonas, em janeiro.

A implementação da carteirinha tem duas causas principais. A primeira é a identificação da pessoa com autismo. A segunda tem ligação direta com a lei sancionada em 2019, cujo objetivo é incluir indivíduos com autismo nas pesquisas do IBGE. Com a carteirinha, será possível ter uma aproximação do número de pessoas autistas em território nacional, viabilizando políticas públicas e a prestação de serviços - inclusive privados - mais adequados para a condição dessas pessoas, especialmente naquilo que diz respeito a educação, saúde, trabalho, moradia e inclusão social.

Diferente de uma condição física, pessoas com Transtorno de Espectro Autista (TEA) não apresentam, normalmente, distinções físicas ou motoras, o que acaba fazendo com que a comprovação da sua condição seja de difícil percepção, podendo gerar, para a pessoa com TEA ou para o seu interlocutor, algum constrangimento em situações como filas de banco ou vagas preferenciais. Antes, seria necessário andar com laudos e documentos pessoais para eventuais esclarecimentos; agora, com a implementação da carteirinha, bastará apresentá-la.

A Ciptea será válida em todo o país. Nela, conterá as informações pessoais necessárias, como nome, RG, CPF, data de nascimento, além de telefone, endereço residencial,  e e-mail - como prevenção para casos onde o indivíduo não consegue se comunicar sozinho. Apesar de a lei federal ter sido sancionada tardiamente, considerando a legislação já existente sobre o tema, vários municípios e estados já vinham se adaptado a essa realidade, adotando suas próprias carteirinhas, com objetivos semelhantes aos atuais. É o caso da cidade de Londrina (PR) ou do estado de Goiás. A vantagem de ter um único modelo válido nacionalmente é a padronização e o alcance, além da facilidade para o acesso ao documento.

O órgão que cuidará da distribuição e cadastro da Ciptea é aquele responsável pela execução da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, podendo variar de local para local. Vale enfatizar que esta lei torna efetivo um direito fundamental expressamente previsto no art. 227, §1º, II da Constituição Federal e que se assenta na esteira daquilo que já foi estabelecido em tratados internacionais, como a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, que foram recepcionados no Brasil com status de normas constitucionais.

A lei é de extrema importância para a causa – não para beneficiar as pessoas com autismo ou lhes dar qualquer tipo de vantagem sobre as outras, mas sim para garantir direitos que já possuem mas, por vezes, são impedidos ou dificultados de exercer. Fica mais uma vez evidente que direitos humanos existem para muito além da proteção de “bandidos”, protegem, isso sim, humanos.

* Flávio Pierobon é mestre em Direito, advogado e professor do curso de Direito da Faculdade Positivo Londrina. Lucas de Oliveira Macedo é autista, estudante do curso de Direito da Faculdade Positivo Londrina.

Fonte: Central Press



A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.


Inventário negativo: proteção dos herdeiros de dívidas do falecido

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa, há a necessidade de se promover o inventário e a partilha de bens a serem transmitidos ao cônjuge e aos herdeiros do falecido.


Trabalhador com sequela tem direito a auxílio-acidente mesmo que volte à função

É bastante comum que o trabalhador desconheça o direito básico de receber o auxílio-acidente durante toda a vida profissional, sempre que sofra algum tipo de ocorrência que gere sequela e torne a realização da atividade laboral um pouco mais difícil.


Prorrogada suspensão de desocupações e despejos até outubro

O Ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal prorrogou até 31 de outubro a suspensão de despejos e desocupações coletivas, para áreas urbanas e rurais, devido a pandemia da covid-19, conforme os critérios estabelecidos na Lei nº 14.216/2021.