Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Covid-19: Planejamento patrimonial pode ajudar empresas familiares

Covid-19: Planejamento patrimonial pode ajudar empresas familiares

25/09/2020 Marco Boneli

Estima-se que, hoje, no mundo, cerca de 80% das empresas sejam familiares.

Número trazido pelo estudo “De Geração para Geração: Ciclos de Vida das Empresas Familiares”, conduzido pelo advogado norte-americano Kelin E. Gersick, PhD no tema, e publicado recentemente em pesquisa do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

Portanto, grande parte dos ganhos de tais famílias estão concentrados no negócio por elas desenvolvido, sendo alta a dependência dos dividendos e pro labore gerados pela empresa.

É, pois, de suma importância, principalmente em tempos de crise econômica, como a qual vivemos desde o início da pandemia do novo coronavírus, a implementação de medidas jurídicas legais e idôneas que visem a proteção de todo o patrimônio amealhado pela família ao longo da existência da sociedade empresarial à qual esteja ligada, permitindo seu pleno sustento.

Para tanto, o planejamento deve ser implementado em momento oportuno. A rigor, deve-se, por óbvio, evitar qualquer alienação de bens do patrimônio familiar quando já existente dívidas de alta monta e execuções judiciais contra os sócios da empresa reponsável pelo sustento da família.

Isto, porque a lei protege os credores, no sentido de tornar inócua a transferência de bens a terceiro, quando já presente o cenário de penúria financeira.

Pois bem. O primeiro instituto que nos vem à mente e que pode ser utilizado pela família empresária visando a proteção de seu patrimônio é, de longa data, conhecido pelos operadores do Direito Civil: o bem de família, cuja abrangência inclui também valores mobiliários (ações, fundos imobiliários etc.).

Vale lembrar que tanto o imóvel como os valores mobiliários não podem exceder o montante de um terço do patrimônio líquido total da família à época de sua instituição.

Via de regra, o mais importante para o empresário é saber que a casa onde reside com sua família é, salvo raras exceções, impenhorável.

Mesmo que não haja uma instituição formal do bem de família (que se dá por meio de escritura pública lavrada no cartório de notas), a lei garante uma proteção, digamos, automática ao imóvel.

Para a salvaguarda dos valores mobiliários, cumpre salientar que, necessariamente, haverá de se ter a lavratura de escritura pública.

A doação também é outro instituto importante do Direito Civil que pode ser utilizado para a proteção de bens familiares.

A cessão das posses aos herdeiros, situação que perfaz praticamente um adiantamento da herança, desde que realizada em momento adequado e com as chamadas cláusulas de incomunicabilidade e impenhorabilidade, pode ser uma forma eficaz e idônea de proteção patrimonial.

Ao doar um bem com cláusula de incomunicabilidade, por exemplo, o doador exclui esse bem de ser transferido ao cônjuge do herdeiro, seja lá qual tenha sido o regime de casamento por ele escolhido.

A doação com cláusula de impenhorabilidade, por sua vez, e como o próprio nome já diz, evita que o imóvel doado seja penhorado em virtude de dívidas existentes em nome de quem o tenha recebido.

Passando para estruturas mais complexas, uma holding familiar também pode servir de base para a proteção do patrimônio, podendo ser utilizada, inclusive, simultaneamente a um planejamento sucessório e tributário, visto que a gestão do patrimônio, principalmente de imóveis, pelos herdeiros, pode ser de maior eficácia quando realizada por meio de uma holding.

Nessa situação, pode-se ainda obter economia fiscal no recolhimento de tributos quando comparado à tributação que incide na hipótese em que é a pessoa física a proprietária direta dos bens.

Enfim, há diversas formas de se fazer um planejamento patrimonial idôneo, visando a proteção e o sustento da família empresária.

Sem dúvida que, quando bem assessorada juridicamente, a família poderá ter maior tranquilidade no enfrentamento de situações de crise econômica e financeira, tais como pela qual estamos passando.

* Marco Boneli é advogado, sócio do GCBA Advogados Associados.

Fonte: WGO Comunicação



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.