Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dignidade humana vs ideologia de gênero

Dignidade humana vs ideologia de gênero

28/11/2018 Bady Curi Neto

Para seus defensores, a identidade de gênero independe se o ser humano nasce com órgão sexual masculino ou feminino.

A ideologia de gênero é uma expressão utilizada por aqueles que defendem a ideia de que os gêneros masculino e feminino são construções sociais, em que a identidade consiste no fato que os seres humanos nascem iguais. Para seus defensores, a identidade de gênero independe se o ser humano nasce com órgão sexual masculino ou feminino, mas sim de uma construção cultural, social e até política.

Christian Schnake, médico chileno especialista em bioética, resume que: “A ideologia de gênero é uma tentativa de afirmar, para todas as pessoas, que não existe uma identidade biológica em relação à sexualidade. Isso quer dizer que o sujeito, quando nasce, não é homem nem mulher, não possui um sexo masculino ou feminino definido, pois, segundo os ideólogos do gênero, isso é uma construção social”.

Contrário à tese da ideologia de gênero, a American College of Pediatricians, uma das associações médicas de pediatria mais influentes dos EUA, publicou a seguinte declaração, resumidamente, em tradução livre:

1- “A sexualidade humana é uma característica biológica binária objetiva: “XY” e “XX” são marcadores genéticos saudáveis – e não marcadores genéticos de uma desordem. A norma da concepção humana é ser masculino ou feminino. A sexualidade humana é planejadamente binária com o propósito óbvio da reprodução e da prosperidade da nossa espécie. Esse princípio é auto evidente (...)”;

2- “Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico”;

3- “(...) Condicionar as crianças a acreditar que uma vida inteira de personificação química e cirúrgica do sexo oposto é normal e saudável é abuso infantil. Apoiar a discordância de gênero como normal, através da educação pública e de políticas legais, confundirá as crianças e os pais, levando mais crianças a procurar ‘clínicas de gênero’ (...)”;

No Brasil, esta discussão ganhou os holofotes, com maior luminosidade, em 2014, nos debates do Plano Nacional de Educação. Segundo os defensores da ideologia de gênero, levar este debate para os bancos escolares impingiria o crescimento de pessoas desprovidas de preconceito às diversidades, permitindo uma maior aceitação à pluralidade.

Com todo respeito, nada mais absurdo, já que não há relação entre a aceitação ao próximo com premissas errôneas. A ideologia de gênero nada mais é do que uma distorção da realidade biológica do ser humano e de todas as espécies de animais, racionais ou irracionais. Fazer da exceção à regra, incutindo discursos e conceitos falsos, é um retrocesso, atestando uma cultura que pretende ser imposta, mas que não tem o condão de mudar a realidade biológica: se nasce macho ou fêmea.

Se o Plano de Educação Nacional e os equivocados educadores estivessem preocupados com a aceitação da diversidade, deveriam postular, para a inclusão nas escolas, aulas sobre o respeito à dignidade humana, conceito amplo e que açambarca direitos e garantias intrínsecos a cada ser humano, que, por sua simples condição de humanidade, se torna merecedor de respeito, consideração, aceitação do Estado, e de seus semelhantes, pouco importando o sexo, credo, religião, raça ou cor.

* Bady Curi Neto, advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). 



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.