Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fux, um STF discreto, imparcial e justo

Fux, um STF discreto, imparcial e justo

14/09/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Quando, em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux condenou a “judicialização vulgar e epidêmica” de temas que os outros poderes República – Legislativo e Executivo – deveriam resolver dentro dos seus próprios limites, suas palavras ecoaram pelo Brasil inteiro.

Como disse, o Judiciário não tem credencias nem estrutura para dirimir questões legislativas ou executivas, a não ser que estas contrariem a Constituição que, o STF, por obrigação legal, tem o dever de guardar e interpretar.

Infelizmente, governantes e políticos corrompidos – muitos deles processados e investigados  – não conseguindo fazer suas interesseiras vontades valerem dentro do próprio governo e das casas legislativas, encontraram o caminho do Judiciário como válvula.

E, pior que isso, os membros do Judiciário, que deveriam ter rejeitado essa utilização como ferramenta de perdedores, até por decisão monocrática aceitaram-na e levaram ao impasse institucional que só não teve consequências maiores porque ainda prevalece o já  consolidado viés democrático na sociedade e nas Forças Armadas, que permanecem fiéis às suas obrigações constitucionais e rejeitam os apelos de setores que pregam a ruptura.

Sem querer polemizar sobre o ocorrido, é importante lembrar que a Suprema Corte de um país, no entendimento geral e agora destacado também pelo presidente Fux, tem de manter distância profilática das questiúnculas políticas e seus membros cultivarem independência absoluta e temperança.

Um ministro não pode ser “parte” de questões que ainda possam depender do seu veredicto, que leva o peso da instituição.

Quando não se observa esse distanciamento, os membros de qualquer corte – especialmente os da maior – deixam de ser credores do respeito e da reverência que merecem seus postos.

Isso é muito ruim a eles próprios e mais ainda à instituição e à sociedade, que se sentem injustiçadas e à deriva.

Oxalá o ministro Fux, nos dois anos que permanecerá à frente do STF, consiga pacificar a corte e dar-lhe rumo mais técnico e juridicamente seguro, evitando que a estrutura sirva – como já se tem dito – de instrumento para políticos de oposição enfrentarem o governo e para errantes – do tipo do ex-presidente Lula – usar e abusar de recursos que nenhum outro réu faria chegar e muito menos prosperar com tanta celeridade como se viu nos últimos tempos.

Torcemos para que o biênio que se iniciou nesse dia 10, seja de uma benfazeja restauração. Que o tribunal deixe de ter turmas potencialmente dispostas ao progressismo ou ao conservadorismo a ponto de poderem ser usadas para ações que coloquem em xeque a própria instituição.

A sociedade clama por um Supremo discreto, que ignore bandeiras partidárias ou ideológicas, onde não seja possível fazer prognósticos sobre decisões a serem tomadas, a não ser que estas sejam relativas a descumprimento de mandamentos constitucionais.

Seja feliz em seu mandato presidencial, ministro Luiz Fux. Os brasileiros esperam muito de sua gestão.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.