Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Holding familiar é uma boa alternativa

Holding familiar é uma boa alternativa

16/09/2020 Amanda Lima

Devido a pandemia do novo coronavírus e suas consequências negativas, o brasileiro passou a refletir mais sobre planejamento sucessório, ocasionando um aumento de 134% de testamentos em cartórios.

Uma das opções de sucessão é o processo de inventário, porém, costuma ser demorado, complexo e geralmente marcado por discordâncias, prejudicando o soerguimento das empresas detidas por uma família.

Para evitar tais problemas, é indicada uma constituição de uma holding familiar como forma de “blindagem patrimonial”, sendo uma boa alternativa de planejamento financeiro, sucessório, empresarial e tributário.

A holding familiar, nada mais é que uma empresa criada com o objetivo de gerir de forma mais eficaz o patrimônio de uma ou mais pessoas de uma mesma família que possuam bens e participações societárias.

Com outras palavras, todo o patrimônio familiar será administrado por uma sociedade empresarial, ou seja, com a participação da pluralidade dos sócios, estes sendo membros da família. Assim, tendo como objetivo principal a proteção do patrimônio familiar.

Não há dúvidas que todo mundo conhece uma história de quando um membro da família de patrimônio relevante falece, o processo de transferência de bens ocorre por meio de inventário, ocasionando demora, conflitos familiares, além de ser oneroso, e por muitas vezes prejudicando atividades das empresas da família.

Por isso na holding, há facilidade na sucessão hereditária evitando esses possíveis embates, pois o instituidor deixa estabelecido a divisão para cada membro da família, tendo cada herdeiro (sócio) a sua cota parte – a divisão do patrimônio é feita com os criadores da holding em vida e de acordo com sua vontade, considerando todas as regras de sucessão patrimonial já definidas no contrato social da holding.

O planejamento tributário na constituição de uma holding familiar consiste em diminuição de carga tributária no ato sucessório.

E como isso pode acontecer? Primeiramente, os bens das pessoas físicas e as participações societárias serão integralizados como capital social da holding.

Não havendo incidência do ITBI, pois de acordo com os termos do art. 156, §2°, I da CF, não incide este imposto na transferência dos bens de pessoa física para jurídica.

Suponhamos que uma família possui vários imóveis e há recebimento através de locações, haverá recolhimento de imposto de renda em um percentual de 27,5 %.

Com a holding familiar, mesmo pagando PIS, COFINS, IRPJ E CSLL, a carga tributária chega em torno de 14,33%, ou seja, uma diferença de 13,17%.

Por essa razão, considerando o fato da redução da carga tributária, o lucro da operação se torna maior, sendo uma boa opção de planejamento financeiro para patrimônio da família.

Vale ressaltar, que isso são algumas estratégias de elisão fiscal, dentre muitas. Nesse sentindo, é de suma importância a orientação de um advogado com assessoria tributária, para análise dos bens da família.

* Amanda Lima é advogada do escritório Bastos Freire Advocacia.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.