Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lava Jato – Quem é o pai da criança?

Lava Jato – Quem é o pai da criança?

23/08/2019 Bady Curi Neto

Desde o início da operação Lava Jato, a população ficou estupefata com as revelações do emaranhado esquema de corrupção que assolava o país.

A condução coercitiva, a prisão temporária e preventiva, de exceção como posto em nosso ordenamento jurídico, converteu-se em regra, misturando, ao sabor popular, o direito, a justiça e o justiçamento.

Operações sigilosas eram vazadas para a mídia, em um espetáculo de pirotecnia à parte, despertando paixões, como se assistíssemos a um jogo de futebol.

Não se pode olvidar da importância da Lava Jato e de seus resultados, diga-se, extremamente positivos, mas há de se fazer reflexões de pontuais excessos para que a ilegalidade da corrupção não seja combatida com ilegalidade do Poder Estatal.

A força tarefa da Lava Jato transformou pessoas até então desconhecidas em heróis nacionais, sendo ovacionados e colhendo aplausos como se fossem mártires vivos. 

Esta transformação permitiu que alguns servidores públicos, protagonistas da operação Lava Jato, cometessem excessos, extrapolando suas funções, achando-se os verdadeiros salvadores da pátria, assumindo para si a paternidade da Lava Jato.

Alguns Procuradores da República, passaram a dar entrevistas criticando decisões judiciais que os desagradavam, notadamente à Suprema Corte.

Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, talvez em um arrobo de vaidade, durante uma entrevista para a rádio CBN no dia 15 de agosto de 2018, disse “Os três mesmos de sempre do Supremo Tribunal Federal que tiram tudo de Curitiba e mandam tudo para a Justiça Eleitoral e que dão sempre os habeas corpus, que estão sempre se tornando uma panelinha assim... que mandam uma mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção”. Transcrição da reclamação disciplinar apresentada contra ele no CNMP pela Corregedoria Nacional.

O Ministro Dias Toffoli, afirmou na última segunda –feira, 12 de agosto, em um contexto mais amplo, que: “A Lava Jato só existe graças ao STF, se não fosse o STF, não haveria isso.”

Atribuir a pessoas a paternidade da Lava Jato, sejam da Polícia Federal, do Ministério Público ou do próprio Poder Judiciário é um equívoco.

A Lava Jato somente existiu porque as instituições da república, como um todo, estão funcionando em um Estado Democrático de Direito.

Se não houvessem leis que punissem a corrupção, a lavagem de dinheiro entre outros tipos penais, não haveria a operação Lava Jato.

De igual forma, se o poder financeiro sobressaísse às Instituições Republicanas, qualquer processo judicial contra pessoas de alto poder aquisitivo estaria fadado ao insucesso.

Tem-se no Brasil o hábito de apontar pessoas, que ao cumprir seu mister, são heróis nacionais. Na ação penal 470, conhecida como mensalão, atribuíram ao então Ministro Joaquim Barbosa sua paternidade, esquecendo que fizeram parte daquele julgamento 11 membros da Suprema Corte.

A paternidade da operação Lava Jato, do processo do Mensalão, ou qualquer outro deve ser atribuída ao Estado Democrático de Direito e às instituições da República. Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



“Pente-fino” do INSS revisará 800 mil benefícios temporários

Advogada explica quem corre risco e como garantir a manutenção dos auxílios.

Autor: Divulgação


O Imposto do Pecado: Quem paga a conta?

Este tributo é visto como uma medida potencialmente transformadora que pode impulsionar significativamente a saúde pública e a sustentabilidade ambiental no Brasil.

Autor: Divulgação


Home care, os planos de saúde e os direitos do paciente

O conceito de home care é uma prática que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário da saúde, especialmente no Brasil.

Autor: José Santana Junior


Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Autor: Divulgação


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco